O pro­gra­mão na fi­la e a ga­li­nha na UTI

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - •✽ ROLF KUNTZ ✽ JOR­NA­LIS­TA

Pas­sar a noi­te nu­ma fi­la, em bus­ca de se­nha pa­ra um mu­ti­rão do em­pre­go, tem si­do um dos gran­des pro­gra­mas boê­mi­os de São Pau­lo. Ne­nhum ou­tro tem atraí­do tan­tos mi­lha­res de pes­so­as. Num dos úl­ti­mos, 4 mil sor­tu­dos con­se­gui­ram se­nhas pa­ra en­tre­vis­tas. Na te­vê sem­pre apa­re­cem fi­gu­ras ani­ma­das e até sor­ri­den­tes, con­tra­ta­das pou­cos mi­nu­tos an­tes ou com es­pe­ran­ça de su­ces­so na pró­xi­ma ten­ta­ti­va. Com tan­ta gen­te en­tu­si­as­ma­da, de­ve ser uma ex­pe­ri­ên­cia boa. O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e o mi­nis­tro da Eco­no­mia de­ve­ri­am ex­pe­ri­men­tar. No au­ge do en­tu­si­as­mo, po­de­ri­am ter um sur­to de ilu­mi­na­ção, co­mo Sau­lo de Tar­so num tom­bo, e per­gun­tar-se: 1) Co­mo es­sas pes­so­as so­bre­vi­vem? 2) Até quan­do po­de­rão so­bre­vi­ver sem tra­ba­lho? 3) On­de sur­gi­rão os em­pre­gos, se as ven­das con­ti­nu­a­rem fra­cas? 4) Com pou­ca de­man­da fi­nal, co­mo po­de­rá re­a­gir a in­dús­tria, já en­fi­a­da num bu­ra­co tão fun­do?

São per­gun­tas bá­si­cas, es­sen­ci­ais, e, no en­tan­to, des­pre­za­das pe­lo pre­si­den­te, pe­la mai­or par­te de sua equi­pe econô­mi­ca e até por boa par­te dos eco­no­mis­tas do se­tor fi­nan­cei­ro e das con­sul­to­ri­as. As aná­li­ses têm-se con­cen­tra­do, na mai­or par­te, em ob­vi­e­da­des co­nhe­ci­das há mui­to tem­po, re­pe­ti­das por ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais e já in­cluí­das no re­per­tó­rio de jor­na­lis­tas ini­ci­an­tes. Pa­ra um cres­ci­men­to econô­mi­co mais ve­loz e sus­ten­tá­vel se­rá pre­ci­so in­ves­tir mui­to mais, cui­dar da in­fra­es­tru­tu­ra, re­for­mar a tri­bu­ta­ção, eli­mi­nar en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos, au­men­tar a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca e – de­ta­lhe nem sem­pre lem­bra­do – am­pli­ar a ofer­ta de ca­pi­tal hu­ma­no bem pre­pa­ra­do.

Ca­da um des­ses itens com­por­ta mui­tos de­ta­lhes, co­mo re­du­ção de vin­cu­la­ções or­ça­men­tá­ri­as, ga­nhos de efi­ci­ên­cia na ges­tão pú­bli­ca, va­lo­ri­za­ção dos pro­fes­so­res, eli­mi­na­ção da guer­ra fis­cal en­tre Es­ta­dos, mai­or aber­tu­ra co­mer­ci­al, mai­or in­ser­ção nas ca­dei­as glo­bais de pro­du­ção e um mon­te de et­cé­te­ras. Os aman­tes do lu­gar-co­mum po­de­rão adi­ci­o­nar uma fra­se con­tra a ten­ta­ção de pro­du­zir um voo de ga­li­nha.

Mas um voo de ga­li­nha de­pen­de pe­lo me­nos de uma ga­li­nha ca­paz de al­gum im­pul­so. Nem dis­so se po­de fa­lar no Bra­sil nes­te mo­men­to. De­pois da re­ces­são, a eco­no­mia cres­ceu 1,1% em 2017, re­pe­tiu es­se re­sul­ta­do em 2018 e ho­je nem se po­de di­zer se cres­ce­rá 1% em 2019. Avan­ça­rá 0,87%, se es­ti­ver cer­ta a me­di­a­na das ex­pec­ta­ti­vas de mer­ca­do pu­bli­ca­das na se­gun­da-fei­ra (16/9). A úl­ti­ma es­ti­ma­ti­va do go­ver­no é li­gei­ra­men­te mais mo­des­ta, 0,85%. Fi­ca por aí, em 0,8%, a no­va pro­je­ção di­vul­ga­da pe­la OCDE, a Or­ga­ni­za­ção pa­ra Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co.

A am­bi­ção mais mo­des­ta, nes­te mo­men­to, nem é fa­zer a ga­li­nha vo­ar. É ti­rá-la da UTI. To­dos os prog­nós­ti­cos são mui­to ruins. No Bra­sil, a pro­je­ção de cres­ci­men­to em 2020 che­gou a 2%. Uma se­ma­na an­tes ain­da es­ta­va em 2,07%, um nú­me­ro já mi­se­rá­vel. A pre­vi­são da OCDE caiu de 2,3% em maio pa­ra 1,7% na re­a­va­li­a­ção con­cluí­da em se­tem­bro. Nas ta­be­las des­ses dois anos o Bra­sil apa­re­ce com um dos pi­o­res de­sem­pe­nhos do mun­do. A de­sa­ce­le­ra­ção é glo­bal e o Bra­sil se man­tém no úl­ti­mo pe­lo­tão, à fren­te de pou­cos cor­re­do­res.

Se der al­gu­ma aten­ção a es­ses nú­me­ros, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, for­mal­men­te o res­pon­sá­vel prin­ci­pal pe­las con­di­ções do País, po­de­rá en­ten­der um pou­co mais cla­ra­men­te o sen­ti­do da pa­la­vra “oci­o­si­da­de”, usa­da com frequên­cia em no­tas e atas do Co­pom, o Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria do Ban­co Cen­tral (BC).

O “ní­vel de oci­o­si­da­de ele­va­do”, se­gun­do a no­ta da úl­ti­ma reu­nião do co­mi­tê, po­de­rá con­ti­nu­ar em­pur­ran­do a in­fla­ção pa­ra bai­xo da me­ta, fi­xa­da em 4,25% pa­ra es­te ano e em 4% pa­ra 2020. Tra­du­zin­do: a in­fla­ção bem com­por­ta­da, um fa­to com vá­ri­os as­pec­tos po­si­ti­vos, é tam­bém sin­to­ma de al­go mui­to ruim. O “ní­vel de oci­o­si­da­de ele­va­do” in­di­ca uma so­bra in­de­se­já­vel de dois fa­to­res, mão de obra e ca­pi­tal pro­du­ti­vo. No ca­so da mão de obra, o pro­ble­ma é sin­te­ti­za­do em al­guns nú­me­ros. A úl­ti­ma pes­qui­sa ofi­ci­al apon­tou 12,6 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos, ou 11,8% da for­ça de tra­ba­lho. So­man­do a es­se con­tin­gen­te os tra­ba­lha­do­res su­bem­pre­ga­dos e os de­sa­len­ta­dos, che­ga-se a 24,7 mi­lhões de pes­so­as.

No ca­so do ca­pi­tal pro­du­ti­vo as pes­qui­sas são me­nos am­plas. No en­tan­to, bas­tam os nú­me­ros do se­tor in­dus­tri­al pa­ra mos­trar um qua­dro as­sus­ta­dor. Se­gun­do a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI), a oci­o­si­da­de es­tá pró­xi­ma de 70% da ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da. Ou­tros le­van­ta­men­tos in­di­cam nú­me­ros mais pró­xi­mos de 25%. Em qual­quer ca­so, o uso do ca­pi­tal pro­du­ti­vo con­ti­nua bem abai­xo dos pa­drões nor­mais na ex­pe­ri­ên­cia bra­si­lei­ra.

Per­gun­tas ób­vi­as: por que al­guém com­pra­rá má­qui­nas e equi­pa­men­tos se a em­pre­sa es­ti­ver ope­ran­do com oci­o­si­da­de na fai­xa de 25% a 30%? Po­de­rá com­prar pa­ra subs­ti­tuir ma­te­ri­al des­gas­ta­do ou mui­to de­sa­tu­a­li­za­do, mas pen­sa­rá se­ri­a­men­te an­tes de cui­dar da am­pli­a­ção de ca­pa­ci­da­de. Da mes­ma for­ma, por que um em­pre­ga­dor abri­rá va­gas, se os ne­gó­ci­os an­dam em mar­cha len­ta e os si­nais de me­lho­ra são pou­co tan­gí­veis? Tem-se fa­la­do em au­men­to de con­fi­an­ça, mas a pro­du­ção de má­qui­nas e equi­pa­men­tos, ape­sar de al­gu­ma me­lho­ra, con­ti­nua mui­to abai­xo dos ní­veis pré-re­ces­são.

Sem um im­pul­so ini­ci­al, o in­ves­ti­men­to das em­pre­sas con­ti­nu­a­rá mui­to fra­co, bem abai­xo do ne­ces­sá­rio pa­ra ani­mar a eco­no­mia e pa­ra am­pli­ar o po­ten­ci­al de cres­ci­men­to do País. Sem de­man­da, a for­ma­ção de es­to­ques per­ma­ne­ce­rá mui­to cau­te­lo­sa, des­de o va­re­jo até os pri­mei­ros elos da ca­deia pro­du­ti­va. O de­sem­pre­go cai­rá mui­to len­ta­men­te e, por um efei­to cir­cu­lar, a de­man­da de con­su­mo se­gui­rá in­su­fi­ci­en­te pa­ra pro­por­ci­o­nar um ar­ran­que aos ne­gó­ci­os.

O fim de ano po­de­rá ser um pou­co mais ani­ma­do, co­mo sem­pre, e fal­ta ver os efei­tos da li­be­ra­ção de sa­ques do Fun­do de Ga­ran­tia, mas as pers­pec­ti­vas são pou­co en­tu­si­as­man­tes. Nem as pro­je­ções ofi­ci­ais pa­ra es­te ano e pa­ra o pró­xi­mo in­di­cam al­go mui­to me­lhor que uma ga­li­nha ain­da na UTI.

Cres­ci­men­to fir­me só com in­ves­ti­men­to, sim, mas se­ria bom co­me­çar re­du­zin­do a oci­o­si­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.