Com cri­se no se­tor pe­tro­lei­ro, paí­ses do Ca­ri­be aban­do­nam cha­vis­mo na OEA

Ve­ne­zu­e­la usa­va Pa­tro­ca­ri­be pa­ra ob­ter apoio em or­ga­ni­za­ções re­gi­o­nais em tro­ca do en­vio de pe­tró­leo sub­si­di­a­do pa­ra pe­que­nas ilhas ca­ri­be­nhas; co­lap­so da pro­du­ção e su­ca­te­a­men­to da es­ta­tal pe­tro­lí­fe­ra PDVSA li­mi­tou po­der do go­ver­no de Ma­du­ro

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - Be­a­triz Bul­la CORRESPOND­ENTE / WASHING­TON

O apoio de paí­ses ca­ri­be­nhos a Ni­co­lás Ma­du­ro, que já foi ca­paz de bar­rar me­di­das con­tra o cha­vis­mo na Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos (OEA), não é mais o mes­mo. O go­ver­no da Ve­ne­zu­e­la tem per­di­do a sus­ten­ta­ção di­plo­má­ti­ca dos paí­ses que for­ma­vam a Pe­tro­ca­ri­be em ra­zão do co­lap­so da in­dús­tria do pe­tró­leo do país.

A Ve­ne­zu­e­la in­ves­tiu nas re­la­ções com paí­ses ca­ri­be­nhos por meio da Pe­tro­ca­ri­be, cri­a­da na dé­ca­da de 2000. O cha­vis­mo ir­ri­ga­va com pe­tró­leo sub­si­di­a­do na­ções da re­gião e, em tro­ca, re­ce­bia o apoio em de­ba­tes na OEA. Mas, com a cri­se econô­mi­ca e as san­ções ame­ri­ca­nas, a pro­du­ção ve­ne­zu­e­la­na des­pen­cou – e os be­ne­fí­ci­os tam­bém.

As úl­ti­mas três vo­ta­ções na OEA dei­xa­ram cla­ro a mu­dan­ça. Dos 14 mem­bros da Pe­tro­ca­ri­be – fo­ra Ve­ne­zu­e­la e Cu­ba – 7 já con­de­nam o re­gi­me cha­vis­ta, en­gros­san­do a lis­ta que con­ta com EUA, Ca­na­dá, Bra­sil e Colôm­bia.

Com ba­se nas úl­ti­mas vo­ta­ções, ou­tros qua­tro paí­ses da Pe­tro­ca­ri­be têm re­gis­tra­do au­sên­ci­as e abs­ten­ções. Ape­nas Do­mi­ni­ca e São Vi­cen­te e Gra­na­di­nas

– jun­to com a Ni­ca­rá­gua – man­têm apoio in­con­di­ci­o­nal ao cha­vis­mo. Baha­mas, Su­ri­na­me e Pa­na­má os­ci­lam nas vo­ta­ções.

Em 2017, o ce­ná­rio era di­fe­ren­te. As vo­ta­ções que po­de­ri­am pres­si­o­nar Ma­du­ro ter­mi­na­vam frus­tra­das, com ape­nas 14 na­ções con­de­nan­do o cha­vis­ta. O nú­me­ro pas­sa­va lon­ge das exi­gên­ci­as mí­ni­mas pa­ra apro­va­ção de tex­tos. Há ca­sos em que é pre­ci­so o vo­to de dois ter­ços dos 35 paí­ses.

“Em 2017, ti­ve­mos um cho­que, por­que vía­mos a cri­se acon­te­cen­do, mas mui­tos paí­ses não que­ri­am vo­tar con­tra Ma­du­ro. Ago­ra, qua­se sem­pre, con­sis­ten­te­men­te, há na fai­xa de 20 a 21 vo­tos con­tra ele”, afir­ma Fer­nan­do Cutz, ex-as­ses­sor da Ca­sa Bran­ca. Com a mu­dan­ça no per­fil dos ca­ri­be­nhos, a opo­si­ção ve­ne­zu­e­la­na têm con­quis­ta­do na OEA apoio que va­ria de 19 a 21 vo­tos. “Os EUA têm con­se­gui­do ti­rar in­te­gran­tes da Pe­tro­ca­ri­be da ór­bi­ta de Ma­du­ro”, diz Ben­ja­min Ge­dan, ex-di­re­tor do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal dos EUA e mem­bro do Wil­son Cen­ter.

Os la­ços com os par­cei­ros, no en­tan­to, de­mo­ra­ram a se de­sa­tar. “Sur­pre­en­den­te­men­te, Ma­du­ro man­te­ve a le­al­da­de de mui­tos da Pe­tro­ca­ri­be, mes­mo quan­do o co­lap­so econô­mi­co mi­nou os em­bar­ques de pe­tró­leo. A ra­zão pa­ra a con­ti­nu­a­ção do apoio é um mis­té­rio”, afir­ma Ge­dan.

Pa­ra Cutz, dois mo­ti­vos ex­pli­cam o apoio: o te­mor de uma re­a­ção mi­li­tar do cha­vis­mo con­tra paí­ses vi­zi­nhos à Ve­ne­zu­e­la, co­mo Tri­ni­dad e To­ba­go e Gui­a­na, e por afi­ni­da­de ide­o­ló­gi­ca, co­mo no ca­so da Ni­ca­rá­gua.

“Por úl­ti­mo, acre­di­to ain­da que ha­ja cor­rup­ção na ho­ra do vo­to, por­que o apoio a Ma­du­ro por par­te de al­gu­mas ilhas pe­que­nas não faz sen­ti­do”, afir­ma.

Uma das su­po­si­ções de Ge­dan é a de que Ma­du­ro es­ti­mu­le uma “re­de de chan­ta­gem” pa­ra man­ter a le­al­da­de dos ca­ri­be­nhos. “Afi­nal, os fun­dos sem­pre fo­ram ge­ren­ci­a­dos com pou­ca trans­pa­rên­cia”, afir­ma.

No­va York. O im­pas­se com o blo­co ca­ri­be­nho se re­fle­tiu na reu­nião dos sig­na­tá­ri­os do Tra­ta­do In­te­ra­me­ri­ca­no de As­sis­tên­cia Re­cí­pro­ca (Ti­ar) mar­ca­da pa­ra ama­nhã em No­va York, na vés­pe­ra do co­me­ço da As­sem­bleia-Ge­ral da ONU. Tam­bém ama­nhã, in­te­gran­tes do Gru­po de Li­ma se en­con­tra­rão.

Ni­co­lás Ma­du­ro afir­mou que não vi­a­ja­rá aos EUA, o que a opo­si­ção tem co­me­mo­ra­do si­len­ci­o­sa­men­te. Pa­ra o ti­me do au­to­pro­cla­ma­do pre­si­den­te in­te­ri­no, Ju­an Gu­ai­dó, es­te se­rá um si­nal de que o pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no não con­fia no seu nú­cleo pró­xi­mo e te­me não con­se­guir vol­tar ao país ca­so em­bar­que pa­ra No­va York.

Se­gun­do apu­rou o Es­ta­do, paí­ses co­mo Bra­sil e Colôm­bia de­vem pro­por san­ções pes­so­ais e econô­mi­cas ao re­gi­me. Atu­al­men­te, o País só ad­mi­te san­ções

de­cor­ren­tes de de­ci­sões do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, mas o Ita­ma­raty tem dis­cu­ti­do a pos­si­bi­li­da­de de usar uma de­li­be­ra­ção do Ti­ar co­mo mar­co ju­rí­di­co pa­ra san­ções.

En­tre a opo­si­ção ve­ne­zu­e­la­na e es­pe­ci­a­lis­tas, há a ava­li­a­ção de que os ame­ri­ca­nos já lan­ça­ram mão de pra­ti­ca­men­te to­dos os ins­tru­men­tos de pres­são econô­mi­ca dis­po­ní­veis e, ago­ra, é pre­ci­so con­tar com pro­ta­go­nis­mo de paí­ses co­mo Bra­sil e Colôm­bia. “Se só os EUA e Ca­na­dá apli­cam san­ções, é co­mo um pai cor­tar a me­sa­da do fi­lho pa­ra es­ti­mu­lá-lo a tra­ba­lhar, mas o fi­lho ain­da re­ce­ber me­sa­da dos ti­os. Não adi­an­ta na­da”, afir­mou um di­plo­ma­ta de Gu­ai­dó.

REU­TERS - 27/5/2016

Ve­ne­zu­e­la. Ni­co­lás Ma­du­ro em en­con­tro da Pe­tro­ca­ri­be: fer­ra­men­ta di­plo­má­ti­ca ex­ter­mi­na­da pe­la cri­se econô­mi­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.