Pa­ra mi­nar Gu­ai­dó, cha­vis­tas mi­ram vol­ta à As­sem­bleia Na­ci­o­nal

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - Anthony Kur­ma­na­ev e Ana Her­re­ro / NYT / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO ✽ SÃO CORRESPOND­ENTES EM CARACAS

O par­ti­do do pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro anun­ci­ou na se­ma­na pas­sa­da que seus de­pu­ta­dos re­to­ma­rão seus as­sen­tos na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, de­pois de um boi­co­te de três anos, ame­a­çan­do a ba­se de po­der do prin­ci­pal ri­val do cha­vis­mo, o lí­der opo­si­tor Ju­an Gu­ai­dó.

Gu­ai­dó se de­cla­rou o pre­si­den­te le­gí­ti­mo do país e a As­sem­bleia Na­ci­o­nal é o úni­co ór­gão de go­ver­no não con­tro­la­do por Ma­du­ro. A vol­ta dos de­pu­ta­dos ame­a­ça não ape­nas a in­de­pen­dên­cia do Le­gis­la­ti­vo, mas tam­bém uma pla­ta­for­ma que Gu­ai­dó tem usa­do pa­ra cons­truir sua le­gi­ti­mi­da­de e con­tes­tar o go­ver­no de Ma­du­ro.

O anún­cio é o mais re­cen­te pas­so nu­ma dis­pu­ta po­lí­ti­ca com­ple­xa, que du­ra no­ve me­ses. En­quan­to Ma­du­ro con­tro­la o Exér­ci­to e a bu­ro­cra­cia de go­ver­no, Gu­ai­dó re­cor­re ao apoio po­pu­lar e ao re­co­nhe­ci­men­to dos EUA e de cer­ca de 60 paí­ses. Su­as ten­ta­ti­vas de des­ti­tuir Ma­du­ro por meio de pro­tes­tos, de­ser­ções de mi­li­ta­res, san­ções ame­ri­ca­nas e ne­go­ci­a­ções fo­ram res­pon­di­das com uma re­pres­são bru­tal do go­ver­no. Sen­tin­do fra­que­za, Ma­du­ro ago­ra par­tiu pa­ra a ofen­si­va.

O prin­ci­pal ne­go­ci­a­dor de Ma­du­ro, Jor­ge Ro­drí­guez, as­si­nou o que cha­mou de “acor­do de paz” com vá­ri­os par­ti­dos de opo­si­ção me­no­res que es­tão fo­ra da co­a­li­zão de Gu­ai­dó. Com is­so, afir­ma Ma­du­ro, 55 de­pu­ta­dos ali­a­dos re­to­ma­rão os as­sen­tos na As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Ele pro­me­teu ain­da uma re­for­ma do con­se­lho elei­to­ral e a li­ber­ta­ção de al­guns pre­sos po­lí­ti­cos.

Se­gun­do Ro­drí­guez, “is­so mos­tra a ab­so­lu­ta dis­po­si­ção do pre­si­den­te de man­ter to­das as por­tas aber­tas”. Gu­ai­dó re­jei­tou o acor­do, di­zen­do ser uma ten­ta­ti­va de des­vi­ar a aten­ção da cri­se de­vas­ta­do­ra do país. “Eles ten­ta­ram es­sas ma­no­bras no pas­sa­do. Elas só apro­fun­da­rão a cri­se e o iso­la­men­to in­ter­na­ci­o­nal”, afir­mou o opo­si­tor.

O Le­gis­la­ti­vo é a prin­ci­pal fon­te de le­gi­ti­mi­da­de da opo­si­ção, que as­su­miu o con­tro­le da As­sem­bleia Na­ci­o­nal nas elei­ções de 2015. Os de­pu­ta­dos le­ais a Ma­du­ro re­a­gi­ram, dei­xan­do o Con­gres­so, re­mo­ven­do os po­de­res do ór­gão e per­se­guin­do de­ze­nas de par­la­men­ta­res opo­si­to­res que fo­ram pa­ra o exí­lio. Os 55 de­pu­ta­dos do go­ver­no cri­a­ram um le­gis­la­ti­vo pa­ra­le­lo pa­ra ra­ti­fi­car as pro­pos­tas de Ma­du­ro. Mas, co­mo são re­pre­sen­tan­tes elei­tos, po­dem re­to­mar seus as­sen­tos.

Elei­ção. Pa­ra ana­lis­tas, o acor­do abre ca­mi­nho pa­ra Ma­du­ro con­vo­car no­vas elei­ções par­la­men­ta­res em ja­nei­ro, ape­sar das ame­a­ças de boi­co­te por par­te da opo­si­ção. “Ao fir­mar um acor­do com par­ti­dos me­no­res, des­de­nha­dos por Gu­ai­dó, Ma­du­ro ten­ta cri­ar a apa­rên­cia de um pac­to so­ci­al pa­ra le­gi­ti­mar no­vas elei­ções”, dis­se Ri­car­do Su­cre, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co da Uni­ver­si­da­de Cen­tral da Ve­ne­zu­e­la. “Es­se acor­do dei­xa a opo­si­ção fra­tu­ra­da. É um gol­pe du­ro pa­ra Gu­ai­dó.”

Em­bo­ra os EUA afir­mem que não re­co­nhe­ce­rão uma no­va elei­ção com Ma­du­ro no po­der, no­vas elei­ções par­la­men­ta­res po­dem ser mais pa­la­tá­veis pa­ra os eu­ro­peus, ca­da vez mais frus­tra­dos com o lim­bo di­plo­má­ti­co cri­a­do por sua apos­ta pre­si­den­ci­al.

A vol­ta dos de­pu­ta­dos cha­vis­tas ame­a­ça a mai­o­ria opo­si­to­ra na As­sem­bleia Na­ci­o­nal. A re­pres­são já re­du­ziu o nú­me­ro de le­gis­la­do­res, dei­xan­do a opo­si­ção com di­fi­cul­da­de pa­ra con­se­guir quó­rum e man­ter o Con­gres­so fun­ci­o­nan­do. Al­guns opo­si­to­res te­mem que Ma­du­ro re­to­me a mai­o­ria ao se ali­ar a par­ti­dos me­no­res, cor­te­jan­do os de­ser­to­res.

Os prin­ci­pais par­ti­dos de opo­si­ção acu­sa­ram as fac­ções que as­si­na­ram o pac­to com Ma­du­ro de opor­tu­nis­mo e cor­rup­ção. Lí­de­res des­ses pe­que­nos par­ti­dos se de­fen­dem, afir­man­do que qual­quer acor­do que re­du­za as ten­sões é do in­te­res­se da Ve­ne­zu­e­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.