As emo­ções im­por­tam

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - RO­SELY SAYÃO É PSI­CÓ­LO­GA

Gos­to mui­to de ler tex­tos na in­ter­net es­cri­tos por jo­vens. Há di­ver­sas pla­ta­for­mas e si­tes que re­ce­bem blogs e tex­tos, e eu es­co­lho pa­ra se­guir os que, tan­to pe­lo con­teú­do qu­an­to pe­la for­ma, me agra­dam e fa­zem sen­ti­do pa­ra mim. Com cer­ta frequên­cia, re­a­li­zo um ro­dí­zio nes­sas es­co­lhas pa­ra ter aces­so a di­fe­ren­tes te­mas e es­ti­los.

Cri­ei um ri­tu­al pa­ra ini­ci­ar meu dia: após to­mar meu ca­fé, sen­to em fren­te ao com­pu­ta­dor e leio dez ou 12 tex­tos des­ses. Foi nu­ma des­sas ma­nhãs, al­guns anos atrás, que acon­te­ceu o que re­la­to a se­guir e o tem­po não apa­ga de mi­nha me­mó­ria.

Já era meu ter­cei­ro ou quar­to tex­to, quan­do me de­pa­rei com o tí­tu­lo “Car­ta de Des­pe­di­da”. An­tes de ini­ci­ar a lei­tu­ra, já la­men­tei o que ima­gi­nei que fos­se uma des­pe­di­da de pos­ta­gens da­que­le au­tor que eu já apre­ci­a­va mui­to.

À me­di­da que fui len­do, en­tre­tan­to, fui me an­gus­ti­an­do. Tra­ta­va-se de uma des­pe­di­da da vi­da: o au­tor anun­ci­a­va que iria sui­ci­dar-se ao fi­na­li­zar a es­cri­ta. Seu mo­ti­vo prin­ci­pal? Ele já ha­via co­men­ta­do em al­guns de seus tex­tos o qu­an­to so­fria com a sín­dro­me do pâ­ni­co. Mes­mo ten­do se tra­ta­do, não con­se­guia me­lho­rar e la­men­ta­va pro­fun­da­men­te afe­tar tan­to a vi­da de sua mãe e ir­mã, com quem mo­ra­va, por não con­se­guir fi­car so­zi­nho nun­ca. “Is­so não é vi­da” foi uma fra­se que ele es­cre­veu.

Ter­mi­nei de ler a car­ta e me dei con­ta de que era o pri­mei­ro dia de abril, co­nhe­ci­do co­mo o Dia da Men­ti­ra. Um tan­to qu­an­to ín­ti­ma do es­ti­lo do au­tor, sa­bia que não se­ria o jei­to de­le fa­zer uma brin­ca­dei­ra ma­ca­bra nes­se dia, mas, es­pe­ran­ço­sa, jo­guei o no­me no bus­ca­dor pa­ra ver se en­con­tra­va al­go. En­con­trei: uma pá­gi­na de­le em uma re­de so­ci­al com um co­mu­ni­ca­do, es­cri­to pe­la ir­mã, in­for­man­do a mor­te do au­tor da car­ta.

Es­ta­mos no cha­ma­do Se­tem­bro Ama­re­lo, de­di­ca­do a ações e cam­pa­nhas de pre­ven­ção ao sui­cí­dio. Pre­ci­sa­mos pen­sar e fa­lar so­bre o sui­cí­dio, te­ma em ge­ral ta­bu em nos­sas con­ver­sas. Evi­tá-lo não o faz de­sa­pa­re­cer. Se­gun­do in­for­ma­ções da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de, a ta­xa de sui­cí­di­os no Bra­sil tem cres­ci­do nos úl­ti­mos anos, con­tra­ri­an­do a ten­dên­cia mun­di­al, que apon­ta uma que­da.

O que te­mos, ho­je? Cri­an­ças fa­zen­do re­fe­rên­cia ao sui­cí­dio e ado­les­cen­tes que ti­ram a pró­pria vi­da. En­tre os jo­vens de 15 a 29 anos, o sui­cí­dio foi a se­gun­da prin­ci­pal cau­sa de mor­te em nos­so País! Em tem­po: o au­tor re­fe­ri­do ti­nha 26 anos quan­do se sui­ci­dou. É prin­ci­pal­men­te por is­so que o te­ma me­re­ce aten­ção.

Não é sim­ples en­ten­der o que le­va uma pes­soa, por mais jo­vem que se­ja, a de­sis­tir da vi­da. So­fri­men­to psí­qui­co in­ten­so, de­pres­são, de­sen­can­to, vi­da so­ci­al in­sa­tis­fa­tó­ria, de­sa­mor e mui­tos ou­tros fa­to­res es­tão en­tre os mo­ti­vos que po­dem con­tri­buir pa­ra uma ati­tu­de des­sas.

Pre­ci­sa­mos re­co­nhe­cer em­pe­ci­lhos que, mui­tas ve­zes, não nos per­mi­tem ver e, con­se­quen­te­men­te, aju­dar quem es­tá nes­sa si­tu­a­ção. Des­de que nos­sos fi­lhos são pe­que­nos, apren­de­mos a dar gran­de im­por­tân­cia à saú­de fí­si­ca de­les. Mas o mes­mo não ocor­re com a saú­de men­tal. Ain­da é di­fí­cil pa­ra a mai­or par­te dos pais en­ten­der que as emo­ções dos fi­lhos não são bo­ba­gens: são par­te cru­ci­al da sua per­so­na­li­da­de e equi­li­bram, ou de­se­qui­li­bram, a saú­de fí­si­ca tam­bém.

Pa­ra ilus­trar, va­mos con­si­de­rar o es­te­reó­ti­po de que ho­mens não de­vem cho­rar ou ex­pres­sar seus sen­ti­men­tos por­que is­so de­mons­tra­ria fra­gi­li­da­de. Qu­an­tos me­ni­nos e ado­les­cen­tes se per­mi­tem cho­rar ao en­fren­ta­rem dis­sa­bo­res da vi­da ou fa­lar de seus me­dos e do­res? Qu­an­tos pais con­se­guem en­ten­der a im­por­tân­cia de en­si­nar os fi­lhos a re­co­nhe­cer su­as emo­ções e ou­vi-los sem jul­gar?

A es­se res­pei­to, é bem in­te­res­san­te as­sis­tir a um ví­deo da cam­pa­nha aus­tra­li­a­na da or­ga­ni­za­ção Man Up, que es­ti­mu­la o ho­mem a se abrir, dis­po­ní­vel em estadao.com.br/e/ma­nup.

Res­pei­tar as emo­ções que os fi­lhos ex­pe­ri­men­tam, en­si­ná-los a acei­tar as pró­pri­as di­fe­ren­ças e a ter amor à vi­da são pas­sos fun­da­men­tais na pre­ven­ção do sui­cí­dio.

Da­mos gran­de im­por­tân­cia à saú­de fí­si­ca dos fi­lhos. O mes­mo não ocor­re com a saú­de men­tal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.