Dez clu­bes da Sé­rie A es­tão ins­cri­tos na Dí­vi­da Ati­va da União e do FGTS

To­tal do dé­fi­cit so­ma R$ 718 mi­lhões; pro­je­to do go­ver­no que pre­ten­de trans­for­mar clu­bes em em­pre­sas pre­vê o re­fi­nan­ci­a­men­to

O Estado de S. Paulo - - Esportes - / CIRO CAM­POS, JOÃO PRA­TA, GON­ÇA­LO JU­NI­OR e GUI­LHER­ME AMARO

A Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Fa­zen­da Na­ci­o­nal, ór­gão li­ga­do ao Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, apon­ta que dez clu­bes da Sé­rie A do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro es­tão ins­cri­tos na Dí­vi­da Ati­va da União e do Fun­do de Ga­ran­tia por Tem­po de Ser­vi­ço (FGTS). O to­tal da dí­vi­da, que não in­clui os dé­bi­tos já par­ce­la­dos com o Go­ver­no Federal, so­ma R$ 718 mi­lhões. O pro­je­to que pre­ten­de trans­for­mar os clu­bes em em­pre­sas pre­vê re­fi­nan­ci­a­men­to des­sas dí­vi­das e tam­bém de dé­bi­tos fis­cais.

Há a pos­si­bi­li­da­de de anis­tia, que pre­vê o per­dão de gran­de par­te das mul­tas e ju­ros, nas hi­pó­te­ses de pa­ga­men­to do va­lor à vis­ta, que po­de ser par­ce­la­do em até cin­co ve­zes. Além dis­so, exis­te a al­ter­na­ti­va de pa­ga­men­to de uma pe­que­na par­ce­la à vis­ta e a qui­ta­ção do sal­do re­ma­nes­cen­te com a uti­li­za­ção de cré­di­tos fis­cais.

O Es­ta­do con­sul­tou os dez clu­bes de­ve­do­res. Pal­mei­ras, Co­rinthi­ans, Cru­zei­ro, Avaí e For­ta­le­za se ma­ni­fes­ta­ram; ou­tros cin­co, não.

Os clu­bes pu­de­ram re­fi­nan­ci­ar as dí­vi­das em 2015 por meio do Pro­fut (Pro­gra­ma de Mo­der­ni­za­ção da Ges­tão de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal do Fu­te­bol Bra­si­lei­ro). O par­ce­la­men­to po­de­ria ser fei­to em até 240 me­ses, com des­con­tos de 70% das mul­tas e de 40% dos ju­ros. Além dis­so, eles fo­ram dis­pen­sa­dos de pa­gar os en­car­gos le­gais. De­pois de qua­tro anos, al­guns clu­bes vol­ta­ram a acu­mu­lar dí­vi­das.

O pro­je­to do re­la­tor Pe­dro Pau­lo (DEM-RJ), apoi­a­do pe­lo pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), pro­põe um no­vo pro­gra­ma de re­fi­nan­ci­a­men­to de dí­vi­das. Des­ta vez, ele se­ria res­tri­to aos clu­bes-em­pre­sa. Ao mi­gra­rem pa­ra o no­vo mo­de­lo, os clu­bes po­de­rão in­gres­sar em um no­vo par­ce­la­men­to, o Re­fis. A re­du­ção se­ria de 50% dos ju­ros no to­tal de 240 par­ce­las. As agre­mi­a­ções tam­bém po­dem usar cré­di­to tri­bu­tá­rio de com­pa­nhi­as co­muns, ca­so fa­çam fu­sões, pa­ra o aba­ti­men­to des­sas dí­vi­das com o go­ver­no.

Além des­se be­ne­fí­cio, o pro­je­to pro­põe que os clu­bes de fu­te­bol te­nham con­di­ções fa­ci­li­ta­das pa­ra in­gres­sar com pe­di­dos de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al. O acor­do pre­ci­sa ser acei­to pe­los cre­do­res na área cí­vel e na área tra­ba­lhis­ta, por exem­plo.

Va­le lem­brar que o pro­je­to pre­vê que os clu­bes dei­xem de ser as­so­ci­a­ções sem fins lu­cra­ti­vos e pas­sem a ser so­ci­e­da­des anô­ni­mas ou li­mi­ta­das. É uma mu­dan­ça na for­ma de ad­mi­nis­tra­ção. Com is­so, eles te­rão aci­o­nis­tas ou pro­pri­e­tá­ri­os, que po­dem ser ou­tras em­pre­sas na­ci­o­nais ou até es­tran­gei­ras. A trans­for­ma­ção é op­ci­o­nal.

A re­ne­go­ci­a­ção das dí­vi­das dos clu­bes es­tá in­se­ri­da em um con­tex­to mai­or: cri­ar se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca, es­por­ti­va e co­mer­ci­al pa­ra que in­ves­ti­do­res se sin­tam atraí­dos pa­ra in­ves­tir nos clu­bes, his­to­ri­ca­men­te com­pro­me­ti­dos com ges­tões de­fi­ci­tá­ri­as e acú­mu­lo de dí­vi­das. “Um clu­be mu­dar de as­so­ci­a­ção pa­ra em­pre­sa é fá­cil e já exis­te lei pa­ra is­so. A dis­cus­são é co­mo vo­cê vai fa­zer is­so com se­gu­ran­ça”, ex­pli­ca Pe­dro Da­ni­el, di­re­tor exe­cu­ti­vo da Ernst&Young, con­sul­to­ria que par­ti­ci­pa da aná­li­se do pro­je­to de trans­for­ma­ção dos clu­bes em em­pre­sa. “Qu­e­re­mos atrair in­ves­ti­do­res sé­ri­os e não só aven­tu­rei­ros.”

Ao lon­go da se­ma­na, re­pre­sen­tan­tes dos clu­bes se reu­ni­ram com o par­la­men­tar Pe­dro Pau­lo e apre­sen­ta­ram uma sé­rie de su­ges­tões pa­ra mo­di­fi­car a pro­pos­ta ini­ci­al.

En­tra­ve. A ques­tão da tri­bu­ta­ção con­ti­nua sen­do o prin­ci­pal en­tra­ve. Os clu­bes que op­ta­rem pe­lo no­vo re­gi­me se­rão tri­bu­ta­dos pe­las mes­mas re­gras das em­pre­sas co­muns. Pa­ra es­ti­mu­lar os clu­bes a se pro­fis­si­o­na­li­zar, o pro­je­to ofe­re­ce um re­gi­me tran­si­tó­rio de apu­ra­ção de tri­bu­tos fe­de­rais, o Re-Fut, pe­lo pra­zo de cin­co anos. Se­gun­do es­se re­gi­me es­pe­ci­al, as SAFs (So­ci­e­da­des Anô­ni­ma do Fu­te­bol) po­de­rão fa­zer um re­co­lhi­men­to úni­co com alí­quo­ta de 5% so­bre a re­cei­ta bru­ta men­sal. Es­se pa­ga­men­to cor­res­pon­de­rá aos se­guin­tes tri­bu­tos: IRPJ, CSL, PIS, COFINS e Con­tri­bui­ção Pre­vi­den­ciá­ria. Ao Es­ta­do, o deputado Pe­dro Pau­lo pre­fe­re não cra­var um por­cen­tu­al. A dis­cus­são ain­da pre­ci­sa avan­çar com o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia e a Re­cei­ta Federal.

As as­so­ci­a­ções que não qui­se­rem se tor­nar em­pre­sas po­de­rão con­ti­nu­ar isen­tas dos im­pos­tos atu­ais, des­de que cum­pram uma sé­rie de re­qui­si­tos li­ga­dos a boa go­ver­nan­ça, com­pli­an­ce, trans­pa­rên­cia e res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal.

HOANA GON­ÇAL­VES / ME

Anis­tia. Pos­si­bi­li­da­de é pre­vis­ta e po­de­ria ren­der o per­dão de gran­de par­te das mul­tas e ju­ros, nas hi­pó­te­ses de pa­ga­men­to do va­lor à vis­ta, que po­de ser par­ce­la­do em até cin­co ve­zes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.