Equi­pes

O Estado de S. Paulo - - Esportes - E-MAIL: [email protected]

Quan­do ou­ço es­sa pa­la­vra, pen­so tan­to nu­ma equi­pe de fu­te­bol qu­an­to nu­ma de ci­ne­ma. O que elas te­ri­am em co­mum, ou me­lhor, o que te­ria um di­re­tor de ci­ne­ma de tão pró­xi­mo com um trei­na­dor de fu­te­bol? Afi­nal, não se­ri­am equi­pes gru­pos de pes­so­as tra­ba­lhan­do em con­jun­to em es­cri­tó­ri­os ou fá­bri­cas? Sim, mas o que tor­na di­fe­ren­tes as equi­pes de fu­te­bol e ci­ne­ma é a cons­ti­tui­ção psi­co­ló­gi­ca de seus in­te­gran­tes, o que vul­gar­men­te, em fal­ta de me­lhor pa­la­vra, cha­ma­mos de ego.

Es­sa é a di­fe­ren­ça: po­bres di­re­to­res de ci­ne­ma e téc­ni­cos de fu­te­bol têm que se ha­ver com per­so­na­li­da­des es­pe­ci­ais, enig­má­ti­cas, to­dos se atri­buin­do um va­lor ex­tra­or­di­ná­rio e par­ti­cu­lar. Não há par­ti­ci­pan­te de equi­pe de fu­te­bol ou ci­ne­ma que não se ache de­po­si­tá­rio de qua­li­da­des úni­cas que o fa­zem di­fe­ren­tes de to­dos os ou­tros se­res hu­ma­nos. E, na re­a­li­da­de, são is­so mes­mo, es­pe­ci­ais, com­ple­xos, di­fí­ceis e fas­ci­nan­tes.

Fi­co ima­gi­nan­do um trei­na­dor no mo­men­to em que é apre­sen­ta­do a uma equi­pe e acho que sei co­mo se sen­te. É o mo­men­to de con­fe­rir to­das as in­for­ma­ções que che­ga­ram à equi­pe por meio de ru­mo­res e bo­a­tos.

Di­an­te de­le, uma quan­ti­da­de de olhos in­qui­si­do­res, im­pla­cá­veis, à pro­cu­ra de ges­tos in­vo­lun­tá­ri­os, atos fa­lhos, con­tra­ções fi­si­onô­mi­cas, tom de voz, tu­do na es­pe­ran­ça de des­ven­dar quem é, no fun­do, aque­la pes­soa que lhes vai in­di­car o ca­mi­nho. Por­que trei­na­dor de fu­te­bol e di­re­tor de ci­ne­ma são ape­nas is­so, pes­so­as que in­di­cam ca­mi­nhos.

As im­pres­sões des­ses pri­mei­ros mo­men­tos são ge­ral­men­te du­ra­dou­ras. Os jo­ga­do­res, co­mo os ar­tis­tas, têm o ins­tin­to de ani­mais de fa­ro agu­ça­do. Em me­nos de trin­ta se­gun­dos al­go lhes é trans­mi­ti­do mis­te­ri­o­sa­men­te por si­nais que só eles iden­ti­fi­cam e que lhes per­mi­te fa­zer um juí­zo pra­ti­ca­men­te de­fi­ni­ti­vo. Aos mo­men­tos ini­ci­ais se se­gue o tra­ba­lho co­ti­di­a­no que pa­re­ce sem­pre bem na su­per­fí­cie.

Um pou­co abai­xo de­la, po­rém, as coi­sas são ou­tras. Sob exa­me diá­rio é es­tu­da­do o com­por­ta­men­to des­se trei­na­dor ou di­re­tor que vai con­tra­ri­ar uns, cor­ri­gir ou­tros, dar des­ta­que pa­ra um ter­cei­ro, não re­co­nhe­cer as qua­li­da­des que pe­re­ci­am in­con­tes­tá­veis, fa­zer es­co­lhas o tem­po to­do, dar or­dens a to­dos. En­quan­to es­se di­re­tor ou trei­na­dor pa­re­cer se­gu­ro, mes­mo que es­te­ja fin­gin­do, en­quan­to der a im­pres­são que sa­be pa­ra on­de con­duz a equi­pe, tu­do se­gue bem. Mas há mo­men­tos, na vi­da de to­do trei­na­dor ou di­re­tor, em que ele se vê no meio de uma sel­va es­cu­ra cu­ja cor­re­ta via de­sa­pa­re­ce.

É quan­do a coi­sa co­me­ça to­mar ru­mos que ele não pre­viu e a es­ca­par por ca­mi­nhos es­tra­nhos e pos­si­vel­men­te pe­ri­go­sos. Os ani­mais de fi­no fa­ro per­ce­bem, e aí se de­sen­ca­deia o es­pe­tá­cu­lo da lu­ta do so­li­tá­rio e iso­la­do di­re­tor ou trei­na­dor pa­ra re­to­mar o con­tro­le, e “re­pro­por” o des­ti­no da equi­pe. Às ve­zes con­se­gue, lu­tan­do sem­pre sob olha­res ago­ra já train­do al­gum des­con­for­to. Ou­tras ve­zes não, e is­so é o mais co­mum.

Quan­do al­go co­me­ça a sair inex­pli­ca­vel­men­te do ru­mo, tra­zê-lo de vol­ta é qua­se im­pos­sí­vel. E o que era ape­nas in­qui­e­ta­ção se trans­for­ma em pâ­ni­co cres­cen­te que to­dos fa­zem o pos­sí­vel pa­ra ocul­tar. A con­sequên­cia des­se pâ­ni­co na equi­pe é ca­da um co­me­çar a lu­tar por si, cui­dar de sal­var sua par­te, su­ja po­si­ção, sua vi­da. Não há mais equi­pe, e é com­pre­en­sí­vel. Há pes­so­as em pe­ri­go de ver sua re­pu­ta­ção, seus es­for­ços na pro­fis­são, os sa­cri­fí­ci­os to­dos, irem por água abai­xo.

Di­re­to­res e trei­na­do­res são der­ru­ba­dos as­sim. Po­de ha­ver ma­no­bras es­cu­sas e trai­ção dos envolvidos, mas, pes­so­al­men­te, não acre­di­to nis­so. Não há que­das por cons­pi­ra­ções nas som­bras dos ves­tiá­ri­os, pla­nos si­nis­tros e se­cre­tos, mas pu­ro ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia. Até ar­tis­tas e cra­ques or­gu­lho­sos que­rem sa­ber pa­ra on­de ca­mi­nham. Quan­do quem é cha­ma­do pa­ra di­ri­gir tam­bém não sa­be, al­guém pre­ci­sa fa­zer al­gu­ma coi­sa pa­ra se sal­var. Os ar­tis­tas e os jo­ga­do­res de fu­te­bol fa­zem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.