Em­pre­sas ofe­re­cem co­tas de pro­je­tos nos EUA pa­ra es­tran­gei­ros

Es­cri­tó­ri­os ofer­tam par­ti­ci­pa­ções em em­pre­en­di­men­tos lo­cais pa­ra in­ves­ti­do­res de vá­ri­os paí­ses

O Estado de S. Paulo - - E & N -

Di­an­te do in­te­res­se de bra­si­lei­ros em abrir ne­gó­ci­os nos Es­ta­dos Uni­dos, avan­ça tam­bém o nú­me­ro de em­pre­sas vol­ta­das pa­ra as­ses­so­ria nes­se pro­ces­so.

A LCR Ca­pi­tal aju­da bra­si­lei­ros a en­trar le­gal­men­te nos EUA. A em­pre­sa ofe­re­ce co­tas de pro­je­tos nos EUA pa­ra os em­pre­en­de­do­res glo­bais. O in­ves­ti­men­to pa­ra ob­ter o EB-5 (vis­to que dá di­rei­to ao Gre­en Card tem­po­rá­rio pa­ra o em­pre­en­de­dor) é fei­to em em­pre­en­di­men­tos lo­cais, nor­mal­men­te em re­giões nas quais o ín­di­ce de de­sem­pre­go é su­pe­ri­or à mé­dia na­ci­o­nal. Os va­lo­res mí­ni­mos se­guem as mes­mas re­gras, dos atu­ais US$ 500 mil.

Ana Eli­sa Be­zer­ra, vi­ce-pre­si­den­te da LCR, fa­la de re­gras co­mo com­pro­va­ção de que a ren­da a ser apli­ca­da tem ori­gem le­gal. O úl­ti­mo pro­je­to ofe­re­ci­do foi o fi­nan­ci­a­men­to da cons­tru­ção de um ho­tel Four Se­a­sons em Mi­a­mi. “Das 200 co­tas que nos­so es­cri­tó­rio ti­nha pa­ra ofe­re­cer glo­bal­men­te, mais de 50 fo­ram ad­qui­ri­das por bra­si­lei­ros e mais de 70 por in­di­a­nos”, diz.

“Co­mo é um in­ves­ti­men­to de ris­co, é pre­ci­so es­co­lher bem os pro­je­tos”, afir­ma Ana Eli­sa. Quem faz o in­ves­ti­men­to po­de en­trar com pe­di­do do EB-5 que, se­gun­do ela, po­de de­mo­rar até dois anos pa­ra ser li­be­ra­do. O no­vo pro­je­to, pre­vis­to pa­ra ser lan­ça­do em no­vem­bro, é a cons­tru­ção do Hall Arts Ho­tel and Re­si­den­ces, ho­tel bu­ti­que de lu­xo e ar­ra­nha-céu re­si­den­ci­al em Dal­las, Te­xas.

Em maio, Jai­me Stu­pi­el­lo tor­nou-se imi­gran­te le­gal após dois anos de es­pe­ra pe­lo EB-5. O fi­lho já es­tá no país há dois anos co­mo es­tu­dan­te num cur­so de ae­ro­náu­ti­ca. “Des­de cri­an­ça, ele so­nha­va em ser pi­lo­to da For­ça Aé­rea Ame­ri­ca­na”, diz. Stu­pi­el­lo, que atu­a­va no se­tor su­cro­al­co­o­lei­ro e sua mu­lher, pro­fes­so­ra e tra­du­to­ra ju­ra­men­ta­da, de­ci­di­ram abrir mão de tu­do no Bra­sil pa­ra acom­pa­nhar o úni­co fi­lho, de 17 anos.

Stu­pi­el­lo in­ves­tiu no pro­je­to do ho­tel em Mi­a­mi e ago­ra, já mo­ran­do em Sa­ra­so­ta, na Fló­ri­da, vai abrir, com a mu­lher, uma fran­quia da Ho­me Hel­pers, que ofe­re­ce acom­pa­nhan­tes pa­ra ido­sos.

Se­gu­ran­ça. Após fa­zer cur­so de in­glês, tra­ba­lhar co­mo gar­çom, abrir um la­va-rá­pi­do e um res­tau­ran­te self-ser­vi­ce de co­mi­da bra­si­lei­ra, Gil­son Mar­çal Ro­dri­gues, ho­je com 46 anos, inau­gu­rou em maio des­te ano um no­vo res­tau­ran­te com ca­pa­ci­da­de pa­ra 1.054 pes­so­as (o an­te­ri­or era pa­ra 160 pes­so­as) e es­pa­ço pa­ra shows que po­de re­ce­ber até 1,5 mil pes­so­as. O Gil­son’s Res­tau­rant fi­ca na prin­ci­pal ave­ni­da de Or­lan­do, a In­ter­na­ti­o­nal Dri­ve.

Ele e um só­cio tam­bém bra­si­lei­ro in­ves­ti­ram US$ 1,5 mi­lhão no no­vo es­pa­ço, on­de se apre­sen­ta­ram ar­tis­tas bra­si­lei­ros, co­mo Ale­xan­dre Pi­res, e la­ti­nos. Par­te da ver­ba veio da ven­da do res­tau­ran­te an­ti­go. Se­gun­do Ro­dri­gues, em pe­río­dos de al­ta tem­po­ra­da, 55 pes­so­as tra­ba­lham no lo­cal. No ra­mo em que atua, mar­cas co­mo Co­co Bam­bu, Ma­de­ro e Pa­ris 6 não ti­ve­ram su­ces­so nos EUA e en­cer­ra­ram as ati­vi­da­des.

Pau­lo Le­al tam­bém pas­sou por as­sal­tos e te­ve o apar­ta­men­to in­va­di­do no Rio de Ja­nei­ro. De­ci­diu se mu­dar pa­ra os EUA em 2016 com os dois fi­lhos, ini­ci­al­men­te co­mo acom­pa­nhan­te da mu­lher, que foi fa­zer um cur­so e re­ce­beu vis­to de es­tu­dan­te. For­ma­do em ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sas e com MBA em ne­gó­ci­os, ele e um ami­go que já vi­via no país cri­a­ram a EasySim4Yo­u, em­pre­sa que for­ne­ce chip de ce­lu­la­res pa­ra vi­a­jan­tes.

“A ideia era aca­bar com o per­ren­gue que mui­tos bra­si­lei­ros pas­sam ao che­gar nos EUA e ter di­fi­cul­da­de em en­con­trar um chip que sir­va pa­ra su­as ne­ces­si­da­des ou fi­car ca­çan­do lo­cais que te­nham Wi-Fi”, diz Le­al. Re­cen­te­men­te ele ven­deu sua par­te do ne­gó­cio pa­ra o só­cio e fun­dou a EasyS­tay, por­tal de lo­ca­ção de ca­sas de ve­ra­neio nas re­don­de­zas de Or­lan­do.

O por­tal tem cer­ca de mil ca­sas pa­ra lo­ca­ção em áre­as pri­vi­le­gi­a­das, a mai­o­ria de gran­de por­te, “pa­ra ofe­re­cer uma ex­pe­ri­ên­cia ba­ca­na” aos tu­ris­tas que per­ma­ne­cem mais tem­po na re­gião, não que­rem fi­car em ho­téis e não en­con­tram imó­veis des­se ti­po em si­tes co­mo o Airbnb. “Não acei­ta­mos ca­sas ve­lhas e te­mos pou­cos apar­ta­men­tos pe­que­nos”, diz Le­al.

Uma ca­sa com cin­co quar­tos e ca­pa­ci­da­de pa­ra 12 pes­so­as cus­ta em mé­dia US$ 170 a diá­ria. “Um ho­tel sim­ples pa­ra qua­tro pes­so­as sai por US$ 90 a US$ 100 a diá­ria”, diz ele.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.