En­tre a dor e a lou­cu­ra

Re­cri­a­do por vá­ri­os ato­res, ‘Co­rin­ga’ é ago­ra vi­vi­do em to­da a sua mal­da­de pe­lo ator Jo­a­quin Pho­e­nix

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ma­ri­a­ne Mo­ri­sawa ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO VE­NE­ZA

A se­le­ção de Co­rin­ga, de Todd Phil­lips, pa­ra a com­pe­ti­ção do 76.º Fes­ti­val de Ve­ne­za era um in­dí­cio de que não se tra­ta­va de um fil­me ba­se­a­do no uni­ver­so dos qua­dri­nhos co­mo tan­tos ou­tros que vêm inun­dan­do as sa­las de ci­ne­ma. E, de fa­to, o lon­ga pres­cin­de de gran­des ce­nas de ação e efei­tos es­pe­ci­ais épi­cos pa­ra se ins­pi­rar mais nos dra­mas de Mar­tin Scor­se­se dos anos 1970 e 1980. Mas foi com cer­ta sur­pre­sa que o Leão de Ou­ro foi re­ce­bi­do.

Com es­treia pre­vis­ta pa­ra 3 de ou­tu­bro no Bra­sil, Co­rin­ga abriu a ven­da an­te­ci­pa­da de in­gres­sos na quin­ta, 19.

No Fes­ti­val de Ve­ne­za, a pre­si­den­te do jú­ri, Lu­cre­cia Mar­tel, que es­tá bem lon­ge de fa­zer ci­ne­ma co­mer­ci­al, elo­gi­ou os ris­cos que a pro­du­ção cor­reu e a re­fle­xão que faz dos an­ti-he­róis co­mo ví­ti­mas do sis­te­ma. Mas Co­rin­ga não se­ria o que é, um fil­me com ca­pa­ci­da­de de sa­cu­dir Hollywo­od na di­re­ção de mais ou­sa­dia, sem a in­ter­pre­ta­ção de Jo­a­quin Pho­e­nix, que não se ba­se­ou em ne­nhu­ma das ver­sões an­te­ri­o­res – de Cesar Ro­me­ro, Jack Ni­chol­son ou He­ath Led­ger e mui­to me­nos a de Ja­red Le­to.

“Sou pou­co co­nec­ta­do à in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to”, dis­se o ator em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va ao Es­ta­do, em Ve­ne­za. E ju­rou não ter ideia da quan­ti­da­de de fãs que a his­tó­ria ti­nha. “Co­me­ça­ram a me per­gun­tar da pres­são dois di­as an­tes do iní­cio das fil­ma­gens, e eu dis­se: ‘Não me di­gam is­so ago­ra!’”, con­tou. “Era tar­de de­mais, mas no co­me­ço eu es­ta­va na ig­no­rân­cia com­ple­ta. Ain­da bem.”

Pho­e­nix ama uma re­a­ção for­te aos fil­mes que faz. “Se­ja qual for”, con­tou. “A in­di­fe­ren­ça é que me in­co­mo­da.” Às vés­pe­ras de com­ple­tar 45 anos, o ator afir­mou ca­te­go­ri­ca­men­te que não po­de, no en­tan­to, le­var em con­ta a opi­nião de nin­guém ao fa­zer um pa­pel. “Nem a do di­re­tor. Pa­ra mim, tra­ta-se de uma ex­plo­ra­ção e uma ex­pe­ri­ên­cia pes­so­ais. Fa­ço só pa­ra mim.”

Mas quem é es­te Co­rin­ga? Arthur Fleck é um co­me­di­an­te frus­tra­do que tra­ba­lha co­mo ho­mem-pla­ca, ves­ti­do de pa­lha­ço. Mo­ra com a mãe, que in­sis­tia que seu des­ti­no era ser fe­liz e fa­zer os ou­tros ri­rem, e de­pen­de de re­mé­di­os pa­ra seus pro­ble­mas de saú­de men­tal – ele tem uma con­di­ção que faz com que ria des­con­tro­la­da­men­te. Sen­do po­bre e es­qui­si­to, Arthur é in­vi­sí­vel pa­ra a so­ci­e­da­de. Quan­do al­guém o en­xer­ga, é em ge­ral pa­ra hu­mi­lhá-lo. Só que, um dia, ele se vê com o po­der nas mãos.

Es­te Co­rin­ga não tem o jei­to brin­ca­lhão de Ro­me­ro, nem é trans­for­ma­do em vi­lão de­pois de cair num tan­que de subs­tân­ci­as quí­mi­cas co­mo no ca­so de Ni­chol­son. Não tem um de­se­jo de ver o cir­co pe­gar fo­go co­mo o Co­rin­ga de Led­ger, nem sa­be-se lá o que Ja­red Le­to es­ta­va fa­zen­do. Arthur às ve­zes ins­pi­ra pe­na. “Gos­to que o fil­me pe­ça ao es­pec­ta­dor que pe­lo me­nos te­nha em­pa­tia por al­guém que é o vi­lão e que faz coi­sas hor­ren­das. Às ve­zes, ro­tu­la­mos uma pes­soa co­mo má, co­mo se fôs­se­mos in­ca­pa­zes dos mes­mos atos.”

Leia a se­guir ou­tros tre­chos da en­tre­vis­ta:

• Vo­cê fa­lou de di­vi­são, e as so­ci­e­da­des mun­di­ais pa­re­cem mui­to di­vi­di­das. Acha que fal­ta von­ta­de de ou­vir opi­niões con­trá­ri­as às nos­sas?

Sim, cla­ro. Não há mui­to de­ba­te sau­dá­vel. Eu me lem­bro dos pro­gra­mas de no­tí­cia de an­ti­ga­men­te. Ho­je, eles são uma com­pe­ti­ção de quem gri­ta mais al­to. Há ques­tões di­fí­ceis que pre­ci­sa­mos dis­cu­tir. Mas, se fi­car­mos gri­tan­do uns com os ou­tros, não vai ter so­lu­ção. Fi­ca­mos vi­ci­a­dos nis­so, dá mais au­di­ên­cia, mas is­so es­tá sain­do ca­ro.

• Mas mes­mo no ca­so de pes­so­as que são de­tes­tá­veis ou sim­ples­men­te fa­zem coi­sas hor­rí­veis?

É um de­sa­fio. O Co­rin­ga é uma pes­soa com­ple­xa. Mas há mo­men­tos em que se po­de sim­pa­ti­zar com ele, ou pe­lo me­nos ter al­gu­ma em­pa­tia. Mas não se en­ga­ne: ele é um vi­lão. Eu o in­ter­pre­tei co­mo um vi­lão. O Co­rin­ga é a pró­pria de­fi­ni­ção do nar­ci­sis­mo, que é a ex­pec­ta­ti­va de que seus sen­ti­men­tos de­vem ser va­li­da­dos pe­los ou­tros e que to­dos pre­ci­sam pres­tar aten­ção por­que ele é a pes­soa mais im­por­tan­te do mun­do. Ago­ra, ele não é po­lí­ti­co. Só quer ado­ra­ção. O nar­ci­sis­mo é mui­to pe­ri­go­so.

• Ho­je que vo­cê tem uma vi­da mui­to pri­vi­le­gi­a­da con­se­gue man­ter-se aten­to à dor dos ou­tros?

Não que­ro pa­re­cer es­tar me van­glo­ri­an­do, mas sem­pre fui mui­to sen­sí­vel. Quan­do leio um jor­nal, não es­tou só ab­sor­ven­do in­for­ma­ção, mas vi­ven­ci­an­do a vi­da de al­guém e is­so me afe­ta pro­fun­da­men­te. Acho que é de mim, nas­ci as­sim.

Um dia de­pois da ses­são de ga­la do Fes­ti­val de Ve­ne­za – e an­tes, por­tan­to, do Leão de Ou­ro –, o di­re­tor nor­te-ame­ri­ca­no Todd Phil­lips se dis­se ali­vi­a­do, mas ain­da an­si­o­so. “Quan­do se faz uma pro­du­ção cha­ma­da Co­rin­ga, há sem­pre um ní­vel enor­me de ex­pec­ta­ti­va”, afir­mou. “Mes­mo que te­nha­mos dei­xa­do cla­ro que não era um fil­me de qua­dri­nhos. De jei­to ne­nhum qu­e­ría­mos en­ga­nar as pes­so­as e le­var a pen­sar que era um lon­ga de ação e que o Bat­man ia apa­re­cer”, com­ple­tou. Bat­man de fa­to não apa­re­ce, mas a fa­mí­lia Way­ne, sim. “Qui­se­mos brin­car com o câ­no­ne, por exem­plo, apre­sen­tan­do Bru­ce Way­ne ain­da cri­an­ça e seu pai, Tho­mas.”

É im­pos­sí­vel as­sis­tir a Co­rin­ga sem fa­zer um pa­ra­le­lo com os di­as de ho­je. “É um fil­me hu­ma­nis­ta, e acho que pre­ci­sa­mos de mais des­ses. En­tão, se vo­cê as­sis­te e vê co­mo um es­pe­lho do que es­tá ha­ven­do no mun­do, cer­ta­men­te nos Es­ta­dos Uni­dos e pro­va­vel­men­te no Bra­sil, não acho ruim”, dis­se o di­re­tor, mais co­nhe­ci­do pe­la fran­quia de co­mé­di­as Se Be­ber, Não Ca­se!

Phil­lips se dis­se em­pol­ga­do com as di­ver­sas in­ter­pre­ta­ções do lon­ga-me­tra­gem. “Um ami­go, por exem­plo, achou que o Co­rin­ga era o Trump”, con­tou. “Que­ro dei­xar cla­ro que não es­tou afir­man­do is­so. Eu e o Jo­a­quin (Pho­e­nix) te­mos cer­ta di­fi­cul­da­de de fa­lar do que o fil­me

tra­ta. Há mui­tos mo­dos de ver Co­rin­ga. E pa­ra mim is­so é le­gal, em­bo­ra se­ja frus­tran­te pa­ra al­gu­mas pes­so­as. É o que ten­ta­mos fa­zer”, fa­lou, re­fe­rin­do-se a po­der abrir di­ver­sos te­mas de dis­cus­são.

E eles são mui­tos, da pres­são pe­la fe­li­ci­da­de cons­tan­te ao abis­mo en­tre ri­cos e po­bres, da in­vi­si­bi­li­da­de de tan­tos que não se en­cai­xam nos mol­des à do­en­ça men­tal sem que ha­ja tra­ta­men­to ade­qua­do, e a bus­ca pe­la fa­ma e pe­la ado­ra­ção.

An­tes mes­mo de sair de Ve­ne­za, o fil­me, que tem chan­ces de em­pla­car al­gu­mas in­di­ca­ções pa­ra o Os­car, foi de­ba­ti­do. Pa­ra al­guns, Co­rin­ga pas­sa o pa­no pa­ra os “in­cels”, os ho­mens, em ge­ral bran­cos e de clas­se mé­dia, que exi­gem aten­ção do mun­do e das mu­lhe­res e, se não con­se­guem, pro­mo­vem ti­ro­tei­os em mas­sa. Se o Co­rin­ga vi­rar um he­rói de pes­so­as as­sim, não se­ria a pri­mei­ra vez. “É uma ter­rí­vel má in­ter­pre­ta­ção do fil­me”, ex­pli­cou Phil­lips. “Mas po­de acon­te­cer e não há co­mo con­tro­lar.”

Elo­gi­a­do as­tro do pri­mei­ro fil­me so­bre o ar­qui-ini­mi­go do Bat­man, Jo­a­quin Pho­e­nix ten­tar en­ten­der a ca­be­ça de pes­so­as co­mo Arthur Fleck, o co­me­di­an­te per­tur­ba­do e fra­cas­sa­do que de­pois se tor­na o ma­ca­bro Co­rin­ga. “Não de­ve­ría­mos fa­zer is­so, com­pre­en­der gen­te que não com­par­ti­lha nos­sos va­lo­res e opi­niões?”, ques­ti­o­nou o ator que foi mui­to aplau­di­do após a exi­bi­ção de Co­rin­ga no Fes­ti­val de Ve­ne­za, além de ser una­ni­me­men­te elo­gi­a­do pe­la crí­ti­ca. “Que­ro que as pes­so­as te­nham uma re­a­ção vis­ce­ral, mas cer­ta­men­te não pos­so di­tar co­mo as pes­so­as vão as­sis­tir a um fil­me”, re­ve­lou o as­tro que ema­gre­ceu 23 qui­los pa­ra vi­ver o per­so­na­gem som­brio. Co­mo ele afir­mou, as dis­cus­sões são im­por­tan­tes. E rei­te­rou: “O Co­rin­ga é um vi­lão”.

WARNER BROS.

Jo­a­quin Pho­e­nix. O de­sa­fio de re­cri­ar per­so­na­gem icô­ni­co que ou­tros ato­res con­sa­gra­ram

WARNER BROS.

Pho­e­nix. Per­fei­to co­mo o ma­ca­bro Co­rin­ga de Todd Phil­lips

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.