A ou­tra vol­ta do pa­ra­fu­so

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - LE­AN­DRO KAR­NAL LE­AN­DRO KAR­NAL ES­CRE­VE ÀS QUARTAS-FEIRAS E AOS DO­MIN­GOS

Os nor­te-ame­ri­ca­nos têm du­as for­ças con­tra­di­tó­ri­as e com­ple­men­ta­res. Por um la­do, a ter­ra do in­di­ví­duo li­vre e em­pre­en­de­dor, do ho­mem da fron­tei­ra e do cres­ci­men­to que eles acre­di­tam ili­mi­ta­do pa­ra quem pos­suir ener­gia, in­te­li­gên­cia e fo­co, sem as amar­ras do Es­ta­do que tan­to in­fer­ni­zam o mun­do ao sul do Rio Gran­de. Por ou­tro la­do, os EUA são o país que lu­tou con­tra os gran­des ban­cos (go­ver­no An­drew Jack­son 18291837), que for­mu­lou uma for­te lei an­ti­trus­te (Lei Sher­man, 1890) e do cres­ci­men­to es­ta­tal no lon­go pe­río­do do par­ti­do de­mo­cra­ta de F. D. Ro­o­se­velt e H. Tru­man (1933-1953). Re­la­ções am­bí­guas, ou di­a­lé­ti­cas, se pre­fe­ri­rem: mui­tas das lu­tas con­tra gran­des em­pre­sas de mag­na­tas eram pa­ra... per­mi­tir aos pe­que­nos a con­di­ção de li­ber­da­de que a con­cen­tra­ção de ca­pi­tal po­de­ria di­fi­cul­tar. No fun­do, tu­do es­tá sem­pre no ve­lho de­ba­te que já apa­re­cia na épo­ca dos pais fun­da­do­res do sé­cu­lo 18: o ide­al de uma de­mo­cra­cia de pe­que­nos fa­zen­dei­ros ou de ci­da­dãos li­vres e sem um Es­ta­do mui­to for­te ou sem em­pre­sas mui­to gran­des. Mas res­ta o fa­to: e quan­do a ca­pa­ci­da­de de um em­pre­en­de­dor ou de um gru­po é ta­ma­nha, sua ali­an­ça com o po­der é um­bi­li­cal, e a so­ma dis­so faz com que cres­ça de for­ma gi­gan­tes­ca? Co­mo li­dar com o fa­to de que a de­mo­cra­cia pre­ten­de a igual­da­de ju­rí­di­ca em um uni­ver­so hu­ma­no que nas­ce da de­si­gual­da­de de ca­pa­ci­da­de enor­me en­tre os in­di­ví­du­os?

Gu­ar­de­mos a pri­mei­ra ideia: des­con­fi­an­ça do po­der das gran­des em­pre­sas. So­me­mos uma se­gun­da ideia, que le­va em his­tó­ria o no­me de “sín­dro­me de Fran­kens­tein”. Exis­te um me­do de que as má­qui­nas ou se­res cri­a­dos pe­los hu­ma­nos ve­nham a ata­car a pró­pria hu­ma­ni­da­de. Mary Shel­ley (1797-1851) cri­ou a an­gus­ti­a­da e vi­o­len­ta cri­a­tu­ra ani­ma­da pe­lo dou­tor Vic­tor Fran­kens­tein. Um dia se­re­mos do­mi­na­dos por robôs, ou com­pu­ta­do­res, ou pe­los al­go­rit­mos, ou pe­los pro­gra­mas de iden­ti­fi­ca­ção fá­cil da Chi­na, ou pe­los apli­ca­ti­vos pa­ra en­ve­lhe­cer o ros­to da Rús­sia, ou pe­lo Va­le do Si­lí­cio, ou pe­los li­qui­di­fi­ca­do­res. As má­qui­nas do­mi­na­rão tu­do, co­mo ve­mos em O Ex­ter­mi­na­dor do Fu­tu­ro (The Ter­mi­na­tor, di­re­ção de Ja­mes Ca­me­ron, 1990). Des­de aque­la da­ta, o ator Ar­nold Schwar­ze­neg­ger pre­ci­sou ir e vol­tar de um mun­do do­mi­na­do por no­vos fran­kens­teins pa­ra eli­mi­nar ou aju­dar nos­sa com­ba­li­da hu­ma­ni­da­de.

Jun­te, ago­ra, a pri­mei­ra ideia (me­do de gran­des trus­tes) e o se­gun­do me­do (me­do da per­da da hu­ma­ni­da­de di­an­te de má­qui­nas) e te­re­mos o li­vro de Fran­klin Fo­er: O Mun­do Que Não Pen­sa – A Hu­ma­ni­da­de Di­an­te do Pe­ri­go Re­al da Ex­tin­ção do Ho­mo Sa­pi­ens (Rio de Ja­nei­ro, LeYa, 2018. Tradução de De­bo­ra Fleck da obra World Without Mind). A pro­pos­ta do li­vro é mui­to in­te­res­san­te e cau­sou su­ces­so no mer­ca­do dos EUA. Es­ta­ría­mos abrin­do mão da ca­pa­ci­da­de re­fle­xi­va e crí­ti­ca pa­ra gi­gan­tes co­mo Ap­ple, Go­o­gle e Fa­ce­bo­ok. Em no­me de bus­cas de in­for­ma­ções, aces­so a pro­du­tos ou re­la­ções so­ci­ais, os con­su­mi­do­res es­ta­ri­am ce­den­do sua ca­pa­ci­da­de de es­co­lher ou de dis­tin­guir al­go fo­ra dos car­dá­pi­os ofe­re­ci­dos. O no­me Ama­zon con­sa­gra o rio mais vo­lu­mo­so do mun­do e o lo­go in­di­ca uma se­ta de A a Z (fui ve­ri­fi­car de­pois de ler is­so no li­vro). Go­o­gle de­ri­va de go­o­gol (o 1 se­gui­do de 100 ze­ros) usa­do em ma­te­má­ti­ca pa­ra va­lo­res ina­cre­di­tá­veis, mos­tran­do uma pre­ten­são mai­or do que uma sim­ples gi­gan­te do pe­tró­leo do pas­sa­do. Os da­dos vão além das cu­ri­o­si­da­des de mar­cas e fa­zem pen­sar se­ri­a­men­te em tu­do. O mais in­te­res­san­te do li­vro é a vi­são do au­tor, um li­be­ral, so­bre o Va­le do Si­lí­cio. Vo­cê nun­ca mais ve­rá in­for­ma­ções so­bre o epi­cen­tro das nos­sas trans­for­ma­ções de pa­ra­dig­mas tec­no­ló­gi­cos com o mes­mo olhar. Quem mais clas­si­fi­ca­ria as pes­so­as de lá co­mo ten­do uma “vi­são me­di­e­val de cri­a­ti­vi­da­de?”.

Sem­pre é im­por­tan­te su­por que o ob­je­ti­vo mai­or de uma gran­de em­pre­sa não se­ja a sua fe­li­ci­da­de, mas os seus re­cur­sos fi­nan­cei­ros. Rei­te­ra­da­men­te des­con­fio de te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as (o que não é o ca­so do tex­to de Fo­er) e te­nho um oti­mis­mo qua­se ina­to so­bre a re­bel­dia hu­ma­na que su­pe­ra to­ta­li­ta­ris­mos po­lí­ti­cos e de pen­sa­men­to. Sem­pre exis­te uma “ou­tra vol­ta do pa­ra­fu­so”, co­mo no tex­to de Henry Ja­mes que in­ti­tu­la a crô­ni­ca. Se qui­se­rem um ar­gu­men­to me­lhor, em um mun­do em que to­dos pa­gam pa­ra que as gran­des em­pre­sas for­ne­çam pro­du­tos e in­for­ma­ções con­tro­la­das, sur­gi­rá um em­pre­en­de­dor que fa­rá uma op­ção de ven­da de in­for­ma­ções fo­ra das gran­des em­pre­sas. Em ou­tras pa­la­vras, na di­nâ­mi­ca do nos­so ca­pi­ta­lis­mo, quan­do mui­ta gen­te lu­cra com agro­tó­xi­cos, sur­ge a op­ção (ca­ra, aliás) de ali­men­tos or­gâ­ni­cos.

O tex­to faz pen­sar e eu o re­co­men­do for­te­men­te. Há es­pa­ço pa­ra o hu­mor: ao pro­cu­rar as da­tas do nas­ci­men­to de Mary Shel­ley ou do ano do fil­me O Ex­ter­mi­na­dor do Fu­tu­ro (que eu não sa­bia de cor, ao con­trá­rio das ou­tras da­tas que ci­tei aqui), en­con­trei-as no ... Go­o­gle. Em re­su­mo, tal­vez o li­vro já ve­nha tar­de de­mais, já pre­ci­sa­mos de Go­o­gle e da Ap­ple pa­ra fa­zer um tex­to de crí­ti­ca às em­pre­sas. Se vo­cê de­se­jar, aliás, o li­vro O Mun­do Que Não Pen­sa es­tá nas gran­des li­vra­ri­as ou... na Ama­zon, de A a Z... Em re­su­mo, que­ri­da lei­to­ra e es­ti­ma­do lei­tor, o mons­tro cri­a­do pe­lo dr. Fran­kens­tein já as­su­miu o car­go de CEO do seu cé­re­bro. Não sa­be o sig­ni­fi­ca­do de CEO? Já sa­be on­de pro­cu­rar e dar mais uma vol­ta no pa­ra­fu­so. Boa se­ma­na pa­ra to­dos nós.

O mons­tro cri­a­do pe­lo dr. Fran­kens­tein já as­su­miu o car­go de CEO do seu cé­re­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.