‘Não qu­e­re­mos iso­lar a pe­ri­fe­ria’

Ações pa­ra fo­men­tar o em­pre­en­de­do­ris­mo em São Pau­lo in­clu­em pro­gra­mas Vai Tec e Fá­bri­ca de Ne­gó­ci­os

O Estado de S. Paulo - - Oportunida­des & Leilões -

À fren­te da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e Tra­ba­lho de São Pau­lo des­de ju­lho de 2017, Ali­ne Car­do­so é uma en­tu­si­as­ta quan­do o te­ma é em­pre­en­de­do­ris­mo. Nos úl­ti­mos dois anos, ela foi a res­pon­sá­vel por cri­ar pro­gra­mas que in­ten­si­fi­ca­ram a for­ma­li­za­ção e a ca­pa­ci­ta­ção de em­pre­en­de­do­res.

Em 2018, a pas­ta con­ta ter re­a­li­za­do 226 ações, ca­pa­ci­tan­do 3.186 pes­so­as. Nes­te ano, já fo­ram 228 com 3.516 pes­so­as qua­li­fi­ca­das em te­mas co­mo flu­xo de cai­xa, mon­ta­gem de ne­gó­cio e ges­tão de pes­so­as.

Pro­gra­mas co­mo Fá­bri­ca de Ne­gó­ci­os e a ace­le­ra­ção Vai Tec são al­guns dos des­ta­ques, além do pro­je­to Teia, re­de de cowor­kings gra­tui­tos. Num en­con­tro no Teia Tai­pas, con­ver­sa­mos com Ali­ne so­bre o em­pre­en­de­do­ris­mo na pe­ri­fe­ria.

• Nos úl­ti­mos dois anos, a se­cre­ta­ria in­ten­si­fi­cou o fo­men­to ao em­pre­en­de­do­ris­mo. Por quê?

Es­ta­mos bus­can­do um olhar mais es­tru­tu­ra­do pa­ra a ci­da­de so­bre seus po­ten­ci­ais e vo­ca­ções. Olhar pa­ra o em­pre­en­de­do­ris­mo co­mo al­go que de­ve ser va­lo­ri­za­do é fun­da­men­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da ci­da­de não só econô­mi­co, mas tam­bém so­ci­al e ur­ba­no. Com po­lí­ti­cas de apoio, vo­cê con­se­gue re­vi­ta­li­zar áre­as da ci­da­de, au­men­tar o em­pre­go e ti­rar pes­so­as da rua. A Pre­fei­tu­ra tem fei­to ações co­mo o Em­pre­en­da Fá­cil, ações de me­lho­ria do ne­gó­cio.

Há ações pa­ra quem co­me­çou a em­pre­en­der por ne­ces­si­da­de, por con­ta do de­sem­pre­go?

Pre­ten­de­mos pe­gar na mão do ci­da­dão que es­tá de­sem­pre­ga­do e tri­lhar com ele um ca­mi­nho. Não é olhar só pa­ra o mi­cro, não po­de­mos ser só um bal­cão de aten­di­men­to aos em­pre­en­de­do­res. Fa­lar de cul­tu­ra em­pre­en­de­do­ra é ba­ca­na, dar um cur­so ini­ci­al tam­bém. Mas e no dia se­guin­te? Além de for­ma­li­zar, é pre­ci­so aju­dar no aces­so ao mer­ca­do. Es­ta­mos pen­san­do em uma po­lí­ti­ca de apoio in­te­gra­da, que pas­sa pe­lo am­bi­en­te de ne­gó­ci­os e pe­la des­bu­ro­cra­ti­za­ção, mas tam­bém pe­lo aten­di­men­to in­di­vi­du­a­li­za­do de acor­do com as po­ten­ci­a­li­da­des do in­di­ví­duo.

• Ações nos ex­tre­mos da ci­da­de tam­bém são o fo­co des­sa no­va atu­a­ção. Quais são as me­tas?

É aí que en­tram ser­vi­ços co­mo o Teia. O Teia ho­je é um tri­pé: le­va in­fra­es­tru­tu­ra, co­nhe­ci­men­to e fun­ci­o­na co­mo uma re­de, com co­ne­xões no âm­bi­to lo­cal, mas tam­bém com a ci­da­de. Não tem pro­ble­ma ima­gi­nar que vo­cê vai ter cli­en­te fo­ra da­qui. Não qu­e­re­mos iso­lar a pe­ri­fe­ria. Qu­e­re­mos dar opor­tu­ni­da­de em âm­bi­to lo­cal e, a par­tir des­sa opor­tu­ni­da­de, se co­mu­ni­car com o res­to da ci­da­de. Com o pas­sar do tem­po, a ideia é que es­ses ne­gó­ci­os ge­ra­dos no Teia pos­sam tam­bém ter aces­so a ca­pi­tal-se­men­te.

Co­mo foi a es­co­lha de Tai­pas pa­ra o pri­mei­ro Teia?

O pro­je­to Teia sur­giu com um pri­mei­ro ob­je­ti­vo: ser pe­ri­fé­ri­co. De­pois, evo­luí­mos o con­cei­to pa­ra vul­ne­ra­bi­li­da­de. Tam­bém pre­ci­so es­tar em con­tex­tos em que a opor­tu­ni­da­de não es­tá che­gan­do. O Teia Tai­pas sur­giu com um con­cei­to ge­o­grá­fi­co. Do pon­to de vis­ta de pú­bli­co e de te­mas, ele é mais ge­né­ri­co. Des­co­bri­mos que já ha­via pes­so­as que vi­nham tra­ba­lhar aqui na bi­bli­o­te­ca. En­tão, es­se lu­gar já re­pre­sen­ta­va um por­to se­gu­ro pa­ra os em­pre­en­de­do­res.

E as pró­xi­mas uni­da­des?

Os no­vos se­rão em Ci­da­de Ti­ra­den­tes, que tem um dos IDH mais bai­xos da ci­da­de. Des­co­bri­mos que mui­tas mu­lhe­res na re­gião vi­vem de cos­tu­ra. Par­ti­mos en­tão de uma vo­ca­ção e de uma de­man­da da re­gião. De­pois, va­mos pa­ra San­to Amaro, em um equi­pa­men­to que aten­de mu­lhe­res ví­ti­mas de vi­o­lên­cia. Por fim, te­re­mos um Teia na Bi­bli­o­te­ca Má­rio de An­dra­de. En­ten­de­mos que, do pon­to de vis­ta de ne­gó­ci­os ino­va­do­res, o cen­tro ain­da não es­tá ocu­pa­do.

FE­LI­PE RAU/ESTADÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.