‘MOBY DICK’, O ENIG­MA QUE PERSISTE HÁ DOIS SÉCULOS

Re­lan­ça­men­to do clás­si­co de Mel­vil­le traz um pre­fá­cio es­cri­to por Ca­mus, um dos au­to­res que bus­ca­ram uma res­pos­ta pa­ra o sig­ni­fi­ca­do re­al da ba­leia bran­ca

O Estado de S. Paulo - - Aliás - Pau­lo No­guei­ra ✽

O mar po­de não es­tar pa­ra pei­xe, mas fe­liz­men­te a ba­leia é um ma­mí­fe­ro. Nos 200 anos de nas­ci­men­to de Her­man Mel­vil­le, a Edi­to­ra 34 ce­le­bra a efe­mé­ri­de com uma edi­ção de Moby Dick, in­cluin­do pre­fá­cio de Al­bert Ca­mus e pos­fá­cio de Bru­no Gam­ba­rot­to. Uma es­pé­cie de sushi li­te­rá­rio ta­ma­nho fa­mí­lia. Mel­vil­le co­me­çou a es­cre­ver a obra em 1850 e a con­cluiu 18 me­ses de­pois, um ano a mais do que ti­nha pre­vis­to. Nes­se meio tem­po, co­nhe­ceu Natha­ni­el Hawthor­ne e ro­lou um ‘bro­man­ce’ pa­ra a vi­da in­tei­ra. Moby Dick é de­di­ca­do a Hawthor­ne. Es­ses par­ças, com os re­for­ços VIP de Henry Tho­re­au, Emer­son e Walt Whit­man com­põe aqui­lo que se cha­mou de “Re­nas­cen­ça Ame­ri­ca­na”.

Mel­vil­le pas­sou três anos no mar, a bor­do de ba­le­ei­ras. Ao con­trá­rio de Emer­son e Tho­re­au, nun­ca es­cre­veu um diá­rio, por is­so é im­pos­sí­vel com­pa­rar as ex­pe­ri­ên­ci­as que vi­veu com as que ima­gi­nou. Na épo­ca, pro­li­fe­ra­vam re­la­tos so­bre ca­cha­lo­tes tem­pe­ra­men­tais. Um de­les era uma cer­ta Mo­cha Dick, “tão bran­ca co­mo a lã”, que afun­da­ra na­vi­os e tra­zia 19 ar­pões cra­va­dos no dor­so. Mel­vil­le fez es­ca­la no Rio de Ja­nei­ro du­as ve­zes, mas aca­bou de­ser­tan­do do na­vio.

Moby Dick foi um fi­as­co co­mer­ci­al e es­ta­va fo­ra do pre­lo quan­do o au­tor mor­reu, em 1891 – não hou­ve obi­tuá­ri­os li­son­jei­ros, pois Mel­vil­le fo­ra es­que­ci­do. Já an­tes ele jus­ti­fi­ca­ra sua obs­cu­ri­da­de: “Co­mo to­da a fa­ma é pa­tro­cí­nio, dei­xem-me ser in­fa­me.” Moby Dick foi pu­bli­ca­do pri­mei­ro na In­gla­ter­ra, e o des­dém dos crí­ti­cos in­gle­ses se de­via a his­tó­ria ser con­ta­da por um nar­ra­dor que afun­da­ra com o na­vio, na me­di­da em que o ro­man­ce fo­ra edi­ta­do sem o epí­lo­go...

Du­zen­tos anos de­pois, a me­lhor li­te­ra­tu­ra nor­te-ame­ri­ca­na bro­ta de du­as fon­tes: Mark Twain (re­a­lis­ta e hu­mo­rís­ti­co) e Her­man Mel­vil­le (sim­bó­li­co e me­ta­fí­si­co). A adap­ta­ção icô­ni­ca de Moby Dick é o fil­me de John Hus­ton, de 1956, com ro­tei­ro de Ray Brad­bury. O ro­man­ce ins­pi­rou pin­to­res, po­e­tas, ci­ne­as­tas e mú­si­cos co­mo Or­son Wel­les, Lau­rie An­der­son, Syl­via Plath, Jack­son Pol­lock, Stan­ley Ku­brick, Bob Dy­lan (que ci­tou Mel­vil­le em seu dis­cur­so do No­bel). D. H. La­wren­ce de­cla­rou que Moby Dick era fu­tu­ris­ta an­tes de o fu­tu­ris­mo ter si­do in­ven­ta­do”, e Vir­gi­nia Wo­olf ju­rou ter li­do a obra três ve­zes.

Co­mo O Gran­de Gatsby, Moby Dick é con­ta­do na pri­mei­ra pes­soa – e, tam­bém co­mo em Gatsby, seu pro­ta­go­nis­ta (o ca­pi­tão Ahab) de­mo­ra pa­ra pi­sar o pal­co. Ahab é um Ca­pi­tão Gan­cho se­co e me­fis­to­fé­li­co, ob­ce­ca­do com a ba­leia bran­ca que lhe am­pu­tou a per­na. O in­ci­pit “Call me Ish­ma­el” é um dos mais canô­ni­cos da his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra – os tra­du­to­res bra­si­lei­ros op­ta­ram por “Tra­te­me por Ish­ma­el”. Pre­fi­ro “Meu no­me é Ish­ma­el” (já que “Cha­me-me de Ish­ma­el” ho­je soa meio pom­po­so). Mas tradução é trai­ção. As prin­ci­pais in­fluên­ci­as são Sha­kes­pe­a­re e a Bí­blia. An­tes e du­ran­te a es­cri­ta Mel­vil­le es­ti­ve­ra “hip­no­ti­za­do pe­lo Bar­do”. O pró­prio Ahab é uma com­bi­na­ção de Mac­beth com o rei Le­ar. Já os li­vros de Jo­nas e de Jó são ci­ta­dos ex­pli­ci­ta­men­te no ro­man­ce. No li­vro de Jó, Ja­vé apre­goa o po­der do Le­vi­a­tã so­bre a hu­ma­ni­da­de – e Moby Dick é o Le­vi­a­tã.

Sím­bo­los? Co­mo ob­ser­vou E. M. Fos­ter, “Moby Dick es­tá re­ple­to de sig­ni­fi­ca­dos – o du­ro

é de­ci­frar seu Sig­ni­fi­ca­do”. D. H. La­wren­ce tas­ca: “Uma ca­ça­da. A úl­ti­ma gran­de ca­ça­da. A quê? A Moby Dick, a ba­leia bran­ca, que é ve­lha, gri­sa­lha, mons­tru­o­sa e na­da so­zi­nha. Cla­ro que é um sím­bo­lo. De quê? Du­vi­do de que o pró­prio Mel­vil­le o sai­ba exa­ta­men­te. E is­so é o me­lhor de tu­do.”

A tri­pu­la­ção do Pe­quod é di­ver­si­fi­ca­da, con­tem­plan­do to­das as ra­ças, qua­se co­mo qu­o­tas. Os qua­tro ar­po­a­do­res cor­res­pon­dem a arqué­ti­pos: um ín­dio ame­ri­ca­no, um ne­gro afri­ca­no, um po­li­né­sio e um par­se. Por ou­tro la­do, não há mu­lhe­res a bor­do, o que in­du­ziu um crí­ti­co a cha­mar Moby Dick de “um li­vro mui­to gay”, ci­tan­do o en­con­tro na ca­ma de uma pou­sa­da de Ish­ma­el e o ar­po­a­dor Qu­e­e­queg: “Ele pres­si­o­nou a tes­ta con­tra a mi­nha, aper­tou-me pe­la cin­tu­ra e dis­se que a par­tir daí es­tá­va­mos ca­sa­dos.”

Há inú­me­ros pa­res ím­pa­res na his­tó­ria. Co­mo o ca­pi­tão Ahab e o ime­di­a­to Star­buck, re­ci­clan­do Dom Qui­xo­te e San­cho Pan­ça. Po­rém, a an­ti­no­mia su­pre­ma é mes­mo Ahab ver­sus Ish­ma­el. Ape­sar de me­lan­có­li­co, o ma­ri­nhei­ro é aber­to à plu­ra­li­da­de da vi­da, ao pas­so que o ca­pi­tão é dog­má­ti­co em sua mo­no­ma­nia. Jun­tos, lem­bram a po­la­ri­da­de do en­saio cé­le­bre de Isai­ah Ber­lin, A Ra­po­sa e o Ou­ri­ço, ins­pi­ra­do no afo­ris­mo do po­e­ta gre­go Arquí­lo­co: “A ra­po­sa sa­be mui­tas coi­sas, mas o ou­ri­ço sa­be ape­nas uma.”

Pa­ra a ín­do­le/ra­po­sa, não há uma úni­ca ex­pli­ca­ção pa­ra a vi­da, pois es­ta é pris­má­ti­ca e os fins são vá­ri­os e nem sem­pre com­pa­tí­veis en­tre si. Pa­ra o ou­ri­ço, tu­do é re­du­zi­do a uma cau­sa de­ter­mi­nis­ta. Daí a ex­cla­ma­ção cós­mi­ca de Ahab: “To­dos os ob­je­ti­vos vi­sí­veis são ape­nas más­ca­ras de pa­pe­lão. E pre­ten­do pas­sar pe­la más­ca­ra! Co­mo po­de o pri­si­o­nei­ro che­gar lá fo­ra, se­não em­pur­ran­do a pa­re­de? Pa­ra mim, a ba­leia bran­ca é es­sa pa­re­de.” No ca­pí­tu­lo O Do­brão, ca­da mem­bro da tri­pu­la­ção per­ce­be a mo­e­da pre­ga­da no mas­tro de acor­do com sua pró­pria per­so­na­li­da­de. Já Ish­ma­el, ape­sar de fas­ci­na­do, con­se­gue ver a lou­cu­ra de Ahab, res­sal­van­do a dig­ni­da­de da vi­da hu­ma­na. Qu­an­to ao ca­pi­tão (em cu­ja re­cei­ta en­tram tam­bém Pro­me­teu, o Sa­tã de Mil­ton e o dou­tor Faus­to), ele jo­ga ao mar seu ca­chim­bo (sig­no da se­re­ni­da­de) e qu­e­bra seu qua­dran­te (sig­no da ra­ci­o­na­li­da­de). Por fim, tem­pe­ra seu ar­pão no san­gue pa­gão dos ar­po­a­do­res e o ba­ti­za não em no­me do Pai, mas do Demô­nio. Sim, Moby Dick é uma obra-pri­ma sim­bó­li­ca e ca­da lei­tor for­ma­ta­rá sua ba­leia. Co­mo no­tou Ed­mund Wil­son, “nun­ca dois lei­to­res le­ram o mes­mo li­vro” . Mas o ro­man­ce é tam­bém um es­fu­zi­an­te en­tre­te­ni­men­to: o épi­co ame­ri­ca­no, uma ele­tri­zan­te sa­ga ma­rí­ti­ma, com tu­do a que uma boa fic­ção tem di­rei­to: de­man­da, con­fli­to e ca­tás­tro­fe.

✽ É AU­TOR DE‘ O AMORÉ UM LU­GAR CO­MUM ’.

ILUSTRAÇÃO ROCKWELL KEMP

Bí­bli­co. Mel­vil­le faz re­fe­rên­cia ao li­vro sa­gra­do des­de a pri­mei­ra fra­se

MOBY DICK AU­TOR: HERMANN MEL­VIL­LE TRADUÇÃO: IRE­NE HIRSCH E ALE­XAN­DRE B. DE SOU­ZA EDI­TO­RA: 34 648 PÁGS., R$ 94

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.