Car­los Pe­rei­ra

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - E-MAIL: CAR­LOS.PE­REI­[email protected] CAR­LOS PE­REI­RA ESCREVE QUINZENALM­ENTE ÀS SE­GUN­DAS-FEI­RAS

Na po­la­ri­za­ção, elei­to­res me­di­a­nos vi­ram re­féns de ex­tre­mos e ten­dem er­ro­ne­a­men­te a atri­buir seu des­con­for­to às ins­ti­tui­ções.

Em vi­si­ta re­cen­te à In­gla­ter­ra ti­ve a opor­tu­ni­da­de de in­te­ra­gir com vá­ri­os ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos e eco­no­mis­tas bri­tâ­ni­cos. Cha­mou a aten­ção o mal-es­tar ge­ne­ra­li­za­do pro­por­ci­o­na­do pe­la gran­de in­cer­te­za so­bre os ru­mos que o Rei­no Uni­do po­de­rá to­mar em re­la­ção a União Eu­ro­peia. Tan­to os fa­vo­rá­veis co­mo os con­trá­ri­os ao Bre­xit não con­se­guem se­quer sa­ber se o Bre­xit vai de fa­to ser im­ple­men­ta­do; se com ou sem acor­dos co­mer­ci­al, adu­a­nei­ro e fron­tei­ri­ço; quais os ter­mos des­ses acor­dos; e quais as con­sequên­ci­as econô­mi­cas e po­lí­ti­cas des­ta de­ci­são.

O grau de in­cer­te­za é ta­ma­nho que al­guns têm ar­gu­men­ta­do que a de­mo­cra­cia bri­tâ­ni­ca es­ta­ria ame­a­ça­da, es­pe­ci­al­men­te após a de­ci­são do pri­mei­romi­nis­tro, Bo­ris John­son, de sus­pen­der as ati­vi­da­des do Par­la­men­to até me­a­dos de ou­tu­bro, pró­xi­mo da da­ta li­mi­te (31/10) da de­ci­são so­bre o Bre­xit.

Es­te ce­ná­rio é sur­pre­en­den­te por­que o sis­te­ma po­lí­ti­co britânico, co­nhe­ci­do co­mo West­mins­ter, foi his­to­ri­ca­men­te de­sen­vol­vi­do pa­ra ser ge­ra­dor de es­ta­bi­li­da­de, pre­vi­si­bi­li­da­de e go­ver­na­bi­li­da­de. Es­se sis­te­ma uni­fi­ca­do de po­de­res é con­si­de­ra­do “ma­jo­ri­tá­rio pu­ro” por pos­suir um nú­me­ro mui­to re­du­zi­do de ve­tos ins­ti­tu­ci­o­nais e par­ti­dá­ri­os. Além dis­so, o Rei­no Uni­do não tem uma cons­ti­tui­ção es­cri­ta, é um país uni­tá­rio, é de fac­to uni­ca­me­ral e to­do o po­der de­ri­va do Par­la­men­to. Uma vez que uma mai­o­ria se­ja for­ja­da, o go­ver­no te­ria am­plas con­di­ções de go­ver­nar de for­ma de­ci­si­va e di­li­gen­te.

A des­pei­to de to­das es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas ins­ti­tu­ci­o­nais fa­vo­rá­veis à es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, o po­vo britânico viu nos úl­ti­mos três anos a ins­ta­bi­li­da­de to­mar con­ta do seu país, com três mu­dan­ças de pri­mei­ro-mi­nis­tro: Da­vid Ca­me­ron, The­re­sa May e, atu­al­men­te, Bo­ris John­son. Es­sas su­ces­si­vas mu­dan­ças de go­ver­no acon­te­ce­ram des­de que o Bre­xit foi ven­ce­dor no re­fe­ren­dum em ju­nho de 2016.

Di­fe­ren­te­men­te do par­la­men­ta­ris­mo do Rei­no Uni­do, o sis­te­ma de se­pa­ra­ção de po­de­res ba­se­a­do na re­pre­sen­ta­ção pro­por­ci­o­nal do Bra­sil não pri­vi­le­gia a efi­ci­ên­cia go­ver­na­ti­va, mas a in­clu­são do mai­or nú­me­ro pos­sí­vel de in­te­res­ses da so­ci­e­da­de no jo­go po­lí­ti­co. Daí o sis­te­ma par­ti­dá­rio ser al­ta­men­te frag­men­ta­do. Além dis­so, o País pos­sui uma gran­de quan­ti­da­de de ins­ti­tui­ções (fe­de­ra­lis­mo, bi­ca­me­ra­lis­mo, Ju­di­ciá­rio com po­der de con­tro­le de cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de, etc.) com a ca­pa­ci­da­de de ve­tar ini­ci­a­ti­vas de mu­dan­ça. Por is­so que é tão di­fí­cil apro­var e im­ple­men­tar re­for­mas no Bra­sil.

A fórmula en­con­tra­da pe­lo cons­ti­tuin­te de 1988 pa­ra li­dar com os po­ten­ci­as pro­ble­mas de go­ver­na­bi­li­da­de ge­ra­dos por es­ses ele­men­tos de con­sen­so foi de­le­gar po­de­res cons­ti­tu­ci­o­nais, or­ça­men­tá­ri­os e de agen­da pa­ra que o Exe­cu­ti­vo se trans­for­mas­se no co­or­de­na­dor do jo­go po­lí­ti­co. Um pre­si­den­te po­de­ro­so po­de­ria atrair apoi­os e cons­truir co­a­li­zões pós-elei­to­rais ma­jo­ri­tá­ri­as e es­tá­veis e, as­sim, ter con­di­ções im­ple­men­tar sua pla­ta­for­ma de re­for­mas.

Pa­ra além do sis­te­ma po­lí­ti­co, a uni­fi­ca­ção ou a di­vi­são de pre­fe­rên­ci­as em uma so­ci­e­da­de é uma ou­tra di­men­são fun­da­men­tal pa­ra se en­ten­der o fun­ci­o­na­men­to de um de­ter­mi­na­do país. Por exem­plo, se os po­de­res são se­pa­ra­dos, mas as pre­fe­rên­ci­as en­tre os ato­res po­lí­ti­cos mui­to se­me­lhan­tes, le­va­ria a uma re­du­ção drás­ti­ca do nú­me­ro de pon­tos de ve­to, da­do que as vá­ri­as ins­ti­tui­ções es­ta­ri­am tra­ba­lhan­do com o mes­mo ob­je­ti­vo. O con­sen­so em tor­no da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia re­cen­te­men­te apro­va­da na Câ­ma­ra é um bom exem­plo. O in­ver­so tam­bém se­ria ver­da­dei­ro; ou se­ja, a com­bi­na­ção de po­de­res uni­fi­ca­dos com po­la­ri­za­ção de pre­fe­rên­ci­as tem o po­ten­ci­al de ge­rar im­pas­ses, ins­ta­bi­li­da­des e, até mes­mo, pa­ra­li­sia de­ci­só­ria, co­mo tem si­do o ca­so do Bre­xit no Rei­no Uni­do.

Por­tan­to, o mal-es­tar po­lí­ti­co sen­ti­do no Rei­no Uni­do e no Bra­sil não se­ria de­cor­ren­te de pro­ble­mas de de­se­nho ins­ti­tu­ci­o­nal, mas sim, fun­da­men­tal­men­te, da for­te po­la­ri­za­ção de pre­fe­rên­ci­as po­lí­ti­cas nos dois paí­ses. Di­an­te des­sa po­la­ri­za­ção cres­cen­te, os elei­to­res me­di­a­nos tor­nam-se re­féns das op­ções ex­tre­mas e ten­dem a equi­vo­ca­da­men­te iden­ti­fi­car co­mo ra­zão de seu des­con­for­to o fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções ao in­vés da dis­tri­bui­ção de pre­fe­rên­ci­as.

O mal-es­tar de­cor­re da po­la­ri­za­ção de pre­fe­rên­ci­as e não do de­se­nho ins­ti­tu­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.