DE VOL­TA À ES­QUER­DA

Mar­ta Su­plicy, EX-MI­NIS­TRA

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Pedro Ven­ces­lau

Um ano após dei­xar MDB e di­zer que não dis­pu­ta­rá mais car­gos ele­ti­vos, ex-mi­nis­tra quer se re­co­nec­tar com es­quer­da e re­to­ma mi­li­tân­cia fe­mi­nis­ta.

Aex-mi­nis­tra e ex-pre­fei­ta Mar­ta Su­plicy (sem par­ti­do) vi­ve um mo­men­to par­ti­cu­lar de re­vi­si­o­nis­mo. Sem ar­re­pen­di­men­tos, co­mo no apoio da­do ao im­pe­a­ch­ment da ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, por exem­plo, ela ad­mi­te que a pas­sa­gem pe­lo MDB não foi di­ge­ri­da por seus elei­to­res e te­ve pa­pel de­ter­mi­nan­te em sua der­ro­ta na dis­pu­ta pe­la Pre­fei­tu­ra de São Paulo em 2016.

Nes­sa no­va fa­se, Mar­ta tam­bém bus­ca se re­co­nec­tar com a es­quer­da e re­to­mou a mi­li­tân­cia fe­mi­nis­ta. Pou­co mais de um ano de­pois de dei­xar o MDB e anun­ci­ar que não dis­pu­ta­ria mais car­gos ele­ti­vos, a ex-pre­fei­ta tem su­a­vi­za­do as crí­ti­cas mais áci­das ao PT e pas­sou a de­fen­der a ban­dei­ra do “Lu­la Li­vre”.

Mar­ta re­ce­beu o Es­ta­do na quar­ta-fei­ra pas­sa­da em seu apar­ta­men­to na ca­pi­tal – um es­pa­ço­so imó­vel com vis­ta pa­no­râ­mi­ca pa­ra a ci­da­de, no ele­gan­te bair­ro dos Jar­dins. Ela re­viu po­si­ções, fez au­to­crí­ti­cas e ela­bo­rou ce­ná­ri­os pa­ra as elei­ções de 2020 e 2022. Num mo­vi­men­to pa­ra vol­tar à are­na po­lí­ti­ca, Mar­ta se di­vi­de ago­ra em du­as fren­tes.

Co­tas. A pri­mei­ra é a lu­ta con­tra o mo­vi­men­to pa­ra fle­xi­bi­li­zar as co­tas elei­to­rais pa­ra mu­lhe­res nos par­ti­dos. Em vi­si­ta a Câ­ma­ra na se­ma­na pas­sa­da, fez um pre­le­ção so­bre a his­tó­ria do feminismo pa­ra con­ven­cer as de­pu­ta­das a ade­ri­rem à cau­sa. Em um re­tor­no às ori­gens de sua mi­li­tân­cia nos tem­pos do pro­gra­ma TV Mu­lher, lem­brou que as mu­lhe­res só pu­de­ram vo­tar a par­tir de 1932, e ain­da as­sim ape­nas as ca­sa­das ou viú­vas com pa­trimô­nio. E se in­dispôs com a de­pu­ta­da Re­na­ta Abreu, pre­si­den­te do Po­de­mos e au­to­ra do pro­je­to.

“Eu pri­mei­ro a pa­ra­be­ni­zei por ter cri­a­do um par­ti­do, mas dis­se que ela ti­nha um com­por­ta­men­to de ca­ci­que, o que eu en­ten­do. Quan­do a pes­soa é um ca­ci­que de um par­ti­do ela vi­ve um po­der, e o po­der ge­ral­men­te é exer­ci­do por can­di­da­tos mas­cu­li­nos, que são mais fá­ceis de ele­ger”, afir­mou Mar­ta. “Sou fe­mi­nis­ta co­mo eu res­pi­ro. Es­tá in­tro­je­ta­do des­de a in­fân­cia sen­do de uma fa­mí­lia com 3 me­ni­nas e 1 me­ni­no”, con­cluiu.

A se­gun­da trin­chei­ra, se­gun­do ela, é a ar­ti­cu­la­ção de uma fren­te de cen­tro-es­quer­da pa­ra com­ba­ter o “bol­so­na­ris­mo” na dis­pu­ta pe­la Pre­fei­tu­ra da ca­pi­tal em 2020, o que se­ria um la­bo­ra­tó­rio pa­ra cons­truir um mo­vi­men­to si­mi­lar na elei­ção pre­si­den­ci­al de 2022.

A par­ti­ci­pa­ção de­la no co­me­ço do mês no lan­ça­men­to do mo­vi­men­to Di­rei­tos Já, que reu­niu qua­dros de 16 par­ti­dos em opo­si­ção a Jair Bol­so­na­ro, sim­bo­li­zou o ca­mi­nho po­lí­ti­co que ela pre­ten­de tri­lhar nes­ta fa­se. Na oca­sião, Mar­ta re­en­con­trou no TUCA, o his­tó­ri­co te­a­tro da PUC-SP, an­ti­gos com­pa­nhei­ros de mi­li­tân­cia pe­tis­ta, on­de es­te­ve por 33 anos.

“Te­mos que fa­zer uma fren­te e é a ela que es­tou me de­di­can­do. Não es­tou em ne­nhum par­ti­do e não sou can­di­da­ta a na­da. Mas que­ro co­la­bo­rar pa­ra que a gen­te pos­sa fa­zer uma fren­te am­pla co­mo já ti­ve­mos no Bra­sil quan­do Car­los La­cer­da se jun­tou a João Gou­lart e Juscelino. A pri­mei­ra eta­pa é a elei­ção pa­ra a pre­fei­tu­ra de São Paulo. Te­mos que iso­lar o bol­so­na­ris­mo. Se­rá um ape­ri­ti­vo pa­ra 2022.”

Mar­ta vem dei­xan­do em aber­to uma ja­ne­la pa­ra uma re­con­ci­li­a­ção com o pas­sa­do e não des­car­tou apoi­ar um can­di­da­to pe­tis­ta. “É mui­to im­por­tan­te ter o PT nes­se mo­vi­men­to. Te­nho con­ver­sa­do com a Glei­si (Hoff­mann, pre­si­den­te do PT) da im­por­tân­cia de es­tar­mos jun­tos.”

A ex-pe­tis­ta afir­ma que “a ban­dei­ra do ‘Lu­la Li­vre’ di­vi­de”, mas ava­lia que ela é “im­pe­ri­o­sa pa­ra o PT”. “O PT tem o seu mai­or sím­bo­lo pre­so. Ele não de­via es­tar na ca­deia. Lu­la é um pre­so po­lí­ti­co.”

‘Sem iden­ti­da­de’. So­bre as es­co­lhas do pas­sa­do, Mar­ta dis­se que não se ar­re­pen­de de ter apoi­a­do o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff, de qu­em foi ali­a­da e ami­ga, mas cal­cu­la que a ida pa­ra o MDB foi de­ci­si­va pa­ra sua der­ro­ta na elei­ção de 2016. “Vo­cê não fi­ca 33 anos no PT e acha que em um ano as pes­so­as vão de­glu­tir a mu­dan­ça de par­ti­do. Fi­quei sem iden­ti­da­de na­que­le mo­men­to.”

O per­fil do can­di­da­to que po­de­ria li­de­rar es­sa fren­te am­pla em 2022, se­gun­do Mar­ta, não se­ria de um out­si­der. “Mas acho Lu­ci­a­no Huck um no­me mui­to in­te­res­san­te. Ele tem se es­for­ça­do nu­ma apren­di­za­gem da po­lí­ti­ca de for­ma mui­to fo­ca­da. Não ve­jo co­mo uma can­di­da­tu­ra que cai do céu, co­mo o (João) Do­ria (go­ver­na­dor de SP), que não sa­bia pa­ta­vi­na da ci­da­de”, afir­ma a ex-mi­nis­tra, que diz que há al­gum tem­po saiu “des­sa his­tó­ria de es­quer­da e di­rei­ta”.

DA­NI­EL TEI­XEI­RA/ESTADAO

Jar­dins. Mar­ta Su­plicy em seu apar­ta­men­to, em SP; ex-mi­nis­tra de­fen­de cri­a­ção de fren­te con­tra o ‘bol­so­na­ris­mo’

NA WEB Ga­le­ria. Ve­ja a tra­je­tó­ria de Mar­ta Su­plicy estadao.com.br/e/mar­ta­ga­le­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.