Bom jor­na­lis­mo sem­pre fas­ci­na

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - CAR­LOS AL­BER­TO DI FRAN­CO JOR­NA­LIS­TA. E-MAIL: [email protected]

As vir­tu­des e as fra­que­zas dos jor­nais não são re­ca­ta­das. Re­gis­tram­nas fi­el­men­te os sen­sí­veis ra­da­res dos lei­to­res. Pre­ci­sa­mos, por is­so, der­ru­bar inú­me­ros des­vi­os que cons­pi­ram con­tra a cre­di­bi­li­da­de dos jor­nais.

Um de­les, tal­vez o mais re­sis­ten­te, é o dog­ma da ob­je­ti­vi­da­de ab­so­lu­ta. Trans­mi­te, num pom­po­so tom de ver­da­de, a fal­sa cer­te­za da neu­tra­li­da­de jor­na­lís­ti­ca. Só que es­sa se­pa­ra­ção ra­di­cal en­tre fa­tos e in­ter­pre­ta­ções sim­ples­men­te não exis­te. É uma bo­ba­gem.

Jor­na­lis­mo não é ci­ên­cia exa­ta e jor­na­lis­tas não são autô­ma­tos. Além dis­so, não se faz bom jor­na­lis­mo sem emoção. A fri­e­za é an­ti-hu­ma­na e, por­tan­to, an­ti­jor­na­lís­ti­ca. A neu­tra­li­da­de é uma men­ti­ra, mas a isen­ção é uma me­ta a ser per­se­gui­da. To­dos os di­as. A im­pren­sa ho­nes­ta e de­sen­ga­ja­da tem um com­pro­mis­so com a ver­da­de. E é is­so que con­ta.

Mas a bus­ca da isen­ção en­fren­ta a sa­bo­ta­gem da ma­ni­pu­la­ção de­li­be­ra­da, a fal­ta de ri­gor e o ex­ces­so de de­cla­ra­ções en­tre as­pas.

O jor­na­lis­ta en­ga­ja­do é sem­pre um mau re­pór­ter. Mi­li­tân­cia e jor­na­lis­mo não com­bi­nam. Tra­ta-se de uma mes­cla, tal­vez com­pre­en­sí­vel e le­gí­ti­ma nos anos som­bri­os da di­ta­du­ra, mas que ago­ra tem a mar­ca do atra­so e o ves­tí­gio do sec­ta­ris­mo. O mi­li­tan­te não sa­be que o im­por­tan­te é sa­ber es­cu­tar. Es­que­ce, ofus­ca­do pe­la ar­ro­gân­cia ide­o­ló­gi­ca ou pe­la né­voa do par­ti­da­ris­mo, que as res­pos­tas são sem­pre mais im­por­tan­tes que as perguntas.

A gran­de sur­pre­sa no jor­na­lis­mo é des­co­brir que qua­se nun­ca uma his­tó­ria cor­res­pon­de àqui­lo que ima­gi­ná­va­mos. O bom re­pór­ter é um cu­ri­o­so es­sen­ci­al, um pro­fis­si­o­nal que é pa­go pa­ra se sur­pre­en­der. Po­de ha­ver al­go mais fas­ci­nan­te? O jor­na­lis­ta éti­co es­qua­dri­nha a re­a­li­da­de, o pro­fis­si­o­nal pre­con­cei­tu­o­so cons­trói a his­tó­ria. Ma­ta o fa­to e ven­de a ver­são.

To­dos os ma­nu­ais de re­da­ção con­sa­gram a ne­ces­si­da­de de ou­vir os dois la­dos de um mes­mo as­sun­to. Tra­ta-se de um es­for­ço de isen­ção mí­ni­mo e in­con­tor­ná­vel. Al­guns des­vi­os, po­rém, trans­for­mam um prin­cí­pio ir­re­to­cá­vel num jo­go de ce­na.

Ma­té­ri­as pre­vi­a­men­te de­ci­di­das em gue­tos en­ga­ja­dos bus­cam a cum­pli­ci­da­de da im­par­ci­a­li­da­de apa­ren­te. A de­ci­são de ou­vir o ou­tro la­do não é sin­ce­ra, não se fun­da­men­ta na bus­ca da ver­da­de. É uma es­tra­té­gia.

O as­sal­to à ver­da­de cul­mi­na com uma tá­ti­ca exem­plar: a re­per­cus­são se­le­ti­va. O plu­ra­lis­mo de fa­cha­da con­vo­ca, en­tão, pre­ten­sos es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra de­cla­ra­rem o que o re­pór­ter quer ou­vir. Per­so­na­li­da­des en­tre­vis­ta­das ava­li­zam a “se­ri­e­da­de” da re­por­ta­gem. As­sas­si­na-se o jor­na­lis­mo. Cria-se a ide­o­lo­gia.

É pre­ci­so co­brir os fa­tos com uma pers­pec­ti­va mais pro­fun­da. Con­vém fu­gir das ar­ma­di­lhas do po­li­ti­ca­men­te cor­re­to e do con­tra­ban­do opi­na­ti­vo se­me­a­do pe­los arau­tos dos par­ti­da­ris­mos.

A pre­ci­pi­ta­ção e a fal­ta de ri­gor são ou­tros ví­rus que ame­a­çam a qua­li­da­de da in­for­ma­ção. A man­che­te de im­pac­to, opos­ta ao fa­to ou fo­ra do con­tex­to da ma­té­ria, trans­mi­te ao lei­tor a sen­sa­ção de uma fraude.

Au­tor do mais fa­mo­so li­vro so­bre a his­tó­ria do jor­nal The New York Ti­mes, Gay Ta­le­se vê im­por­tan­tes pro­ble­mas que cas­ti­gam a im­pren­sa de qua­li­da­de. “Não fa­ze­mos ma­té­ria di­rei­to, por­que a re­por­ta­gem se tor­nou mui­to tá­ti­ca, con­fi­an­do em e-mails, te­le­fo­nes, gra­va­ções. Não é ca­ra a ca­ra. Quan­do eu era re­pór­ter, nun­ca usa­va o te­le­fo­ne. Que­ria ver o ros­to das pes­so­as.”

“Não se an­da na rua, não se pe­ga o me­trô ou um ôni­bus, um avião, não se vê, ca­ra a ca­ra, a pes­soa com qu­em se es­tá con­ver­san­do”, con­clui Ta­le­se. E o lei­tor, não du­vi­de­mos, cap­ta tu­do is­so.

Boa par­te do no­ti­ciá­rio de po­lí­ti­ca, por exem­plo, não tem in­for­ma­ção. Es­tá do­mi­na­do pe­la fo­fo­ca e pe­lo de­cla­ra­tó­rio. Não tem o me­nor in­te­res­se pa­ra os lei­to­res. O show po­lí­ti­co ocu­pa man­che­tes e co­lu­nas. Fal­ta, no en­tan­to, a aná­li­se apro­fun­da­da do que re­al­men­te acon­te­ce.

O uso de gram­pos co­mo ma­te­ri­al jor­na­lís­ti­co vi­rou fer­ra­men­ta de tra­ba­lho. A ve­lha e boa re­por­ta­gem foi sen­do subs­ti­tuí­da por dos­siê. De uns tem­pos pa­ra cá, o lei­tor pas­sou a re­ce­ber dos­si­ês e áu­di­os que mui­tas ve­zes não se sus­ten­tam em pé por mui­to tem­po. Cu­ri­o­sa­men­te, qu­em os pu­bli­ca não se sen­te obri­ga­do a dar ne­nhu­ma sa­tis­fa­ção ao lei­tor. En­tra­mos na era do jor­na­lis­mo sem jor­na­lis­tas, nos tem­pos da re­por­ta­gem sem re­pór­te­res. Fi­ca­mos, to­dos, fechados no am­bi­en­te ra­re­fei­to das re­da­ções. En­quan­to es­pe­ra­mos o pró­xi­mo áu­dio ou dos­siê, tra­ta­mos de re­pro­du­zir de­cla­ra­ções en­tre as­pas, de re­per­cu­tir fra­ses va­zi­as de po­lí­ti­cos ex­pe­ri­en­tes na ar­te de ma­ni­pu­lar a im­pren­sa.

Mes­mo as­sim, os jor­nais têm pres­ta­do um mag­ní­fi­co ser­vi­ço no com­ba­te à cor­rup­ção. Al­guém ima­gi­na que o sal­do pa­ra lá de po­si­ti­vo da Ope­ra­ção La­va Ja­to te­ria si­do pos­sí­vel sem uma im­pren­sa in­de­pen­den­te? Jor­nais de cre­di­bi­li­da­de oxi­ge­nam a de­mo­cra­cia.

O lei­tor que pre­ci­sa­mos con­quis­tar em qu­al­quer pla­ta­for­ma não quer su­per­fi­ci­a­li­da­de e es­pu­ma in­for­ma­ti­va. Ele quer al­go mais. Quer o tex­to ele­gan­te, a ma­té­ria apro­fun­da­da, a aná­li­se que o aju­de, efe­ti­va­men­te, a to­mar de­ci­sões. Con­quis­tar lei­to­res é um de­sa­fio for­mi­dá­vel. Re­cla­ma re­a­lis­mo, éti­ca e qua­li­da­de.

A au­to­crí­ti­ca, jus­ta e necessária, de­ve ser acom­pa­nha­da por um fir­me pro­pó­si­to de trans­pa­rên­cia e de re­ti­fi­ca­ção dos nos­sos equí­vo­cos. Ho­je não te­mos mais a he­ge­mo­nia da in­for­ma­ção. As re­des so­ci­ais de­ram ao con­su­mi­dor um pro­ta­go­nis­mo in­te­res­san­te. Ele co­te­ja as in­for­ma­ções e quer ser ou­vi­do.

Uma im­pren­sa éti­ca sa­be re­co­nhe­cer seus er­ros. As pa­la­vras po­dem in­for­mar cor­re­ta­men­te, de­nun­ci­ar si­tu­a­ções in­jus­tas, co­brar so­lu­ções. Mas po­dem tam­bém es­quar­te­jar re­pu­ta­ções, de­sin­for­mar. Con­fes­sar um er­ro de por­tu­guês ou uma tro­ca de le­gen­das é fá­cil. Mas ad­mi­tir a prá­ti­ca de ati­tu­des de pre­jul­ga­men­to, pre­con­cei­tos in­for­ma­ti­vos ou le­vi­an­da­de no­ti­ci­o­sa exi­ge co­ra­gem éti­ca. Re­co­nhe­cer o er­ro, lim­pa e aber­ta­men­te, é o pré-re­qui­si­to da qua­li­da­de.

O jor­na­lis­mo tro­pe­ça em ar­ma­di­lhas. Nos­sa pro­fis­são en­fren­ta de­sa­fi­os, di­fi­cul­da­des e ris­cos sem fim. E é aí que mo­ra o de­sa­fio.

Já man­che­te de im­pac­to opos­ta ao fa­to ou fo­ra de con­tex­to pas­sa ao lei­tor uma sen­sa­ção de fraude

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.