UM SOPRO RA­RO CON­TRA O NAZISMO

Pe­ça de so­bre­vi­ven­te do Ho­lo­caus­to vai a mos­tra

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal -

Re­la­tos de ina­cre­di­tá­veis atos de fé ju­dai­ca em cam­pos de con­cen­tra­ção na­zis­ta du­ran­te o Ho­lo­caus­to na 2.ª Guer­ra atra­ves­sa­ram dé­ca­das. Se­gun­do um de­les, os pri­si­o­nei­ros dos guar­das na­zis­tas ar­ru­ma­vam uma ma­nei­ra de mar­car a che­ga­da do ano no­vo ju­dai­co com o sho­far, es­pé­cie de trom­pe­te pro­du­zi­do com um chi­fre de car­nei­ro, tra­di­ci­o­nal na re­li­gião ju­dai­ca.

Es­sas his­tó­ri­as, ape­sar de fa­mo­sas, ca­re­ci­am de com­pro­va­ção his­tó­ri­ca e mu­se­o­ló­gi­ca, até que a es­pe­ci­a­lis­ta em Ho­lo­caus­to da Uni­ver­si­da­de de Bar Ylan, em Israel, a dou­to­ra Ju­dith Ty­dor Schartz, des­co­briu uma par­ti­ci­pa­ção fa­mi­li­ar nes­ses re­la­tos.

O pai de­la, Chas­kel Ty­dor, foi pri­si­o­nei­ro do com­ple­xo de Aus­chwitz-Bir­ke­nau, on­de exer­ceu a fun­ção de des­pa­chan­te. Nes­sa ati­vi­da­de, diz ela, ele ti­nha co­mo auxiliar os ou­tros pri­si­o­nei­ros ju­deus dos cam­pos.

No Rosh Hasha­ná (ano-no­vo ju­dai­co) de 1944, Ty­dor con­se­guiu le­var al­guns pri­si­o­nei­ros a uma dis­tân­cia se­gu­ra dos guar­das na­zis­tas. Lá, eles con­se­gui­ram fa­zer ora­ções e to­car o sho­far. Um de­les deu o ar­te­fa­to pa­ra o des­pa­chan­te após a ce­rimô­nia, com o in­tui­to de pre­ser­vá-lo dos na­zis­tas. Um ano de­pois, quan­do o Exér­ci­to Ver­me­lho li­ber­tou Aus­chwitz, Ty­dor man­te­ve a pe­ça, que ago­ra fa­rá par­te de uma ex­po­si­ção no Mu­seu da He­ran­ça Ju­dai­ca de No­va York.

“Se exis­te al­gu­ma pe­ça que sim­bo­li­za da me­lhor ma­nei­ra a al­ma ju­dai­ca, es­sa pe­ça é o sho­far”, co­men­tou Jack Kli­ger, di­re­tor do mu­seu e ele mes­mo um so­bre­vi­ven­te do Ho­lo­caus­to.

LANDON SPEERS/THE NEW YORK TI­MES

His­tó­ria. Sho­far foi usa­do em cam­po de con­cen­tra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.