So­la­van­co de­mo­crá­ti­co

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - E-MAIL: [email protected] / TRA­DU­ÇÃO DE RO­BER­TO MU­NIZ É CO­LU­NIS­TA

Oque Es­pa­nha, Itá­lia, Israel e Rei­no Uni­do têm em co­mum? A in­ca­pa­ci­da­de de for­mar go­ver­nos es­tá­veis e ca­pa­zes de go­ver­nar. E es­ses são qua­tro paí­ses que, ape­sar de tu­do, têm re­gi­mes nos quais ain­da se res­pei­ta a di­vi­são de po­de­res e se li­mi­ta o po­der do Exe­cu­ti­vo. Co­mo sa­be­mos, o que não fal­tam são paí­ses nos quais a dis­fun­ci­o­na­li­da­de po­lí­ti­ca é mui­to mais gra­ve.

No mun­do to­do, go­ver­nar es­tá fi­can­do mais di­fí­cil. Em al­guns ca­sos, im­pos­sí­vel. Ve­mos que as elei­ções não fun­ci­o­nam mais co­mo a ân­co­ra que es­ta­bi­li­za a po­lí­ti­ca e pos­si­bi­li­ta aos go­ver­nos... que go­ver­nem. Mais do que is­so: elei­ções e re­fe­ren­dos ago­ra re­ve­lam a pro­fun­da po­la­ri­za­ção do elei­to­ra­do, pa­ra­li­sam o jo­go po­lí­ti­co e tor­nam im­pos­sí­vel a to­ma­da de de­ci­sões. As­sim, os re­sul­ta­dos elei­to­rais for­ma­li­zam e quan­ti­fi­cam a pro­fun­da fis­su­ra da so­ci­e­da­de e, em al­guns ca­sos, con­tri­bu­em pa­ra di­fi­cul­tar a con­vi­vên­cia ci­vi­li­za­da en­tre as fac­ções. A res­pos­ta que se dá a es­ses pro­ble­mas é con­vo­car no­vas elei­ções. Mas go­ver­nar não es­tá di­fi­cul­tan­do ape­nas a vi­da das de­mo­cra­ci­as. Tam­pou­co pa­re­ce nor­mal que Xi Jin­ping e Vla­di­mir Pu­tin, dois dos ho­mens mais po­de­ro­sos do mun­do, es­te­jam pre­o­cu­pa­dos com ma­ni­fes­ta­ções de rua pro­ta­go­ni­za­das prin­ci­pal­men­te por jo­vens de­sar­ma­dos. Xi e Pu­tin exer­cem um con­tro­le fér­reo so­bre seus paí­ses, e os que protestam nas ru­as de Hong Kong e Mos­cou não são uma ame­a­ça pa­ra a so­bre­vi­vên­cia de seus re­gi­mes. O que sur­pre­en­de é Xi e Pu­tin não te­rem aca­ba­do an­tes com os protestos. Tal­vez a re­la­ti­va to­le­rân­cia que es­ses au­to­cra­tas vêm mos­tran­do com as ma­ni­fes­ta­ções se­ja um sin­to­ma de quão se­gu­ros eles se sen­tem e da ir­re­le­vân­cia dos protestos. Ou tal­vez não sai­bam co­mo com­ba­tê-los.

Os protestos não têm lí­de­res ób­vi­os e hi­e­rar­qui­as cla­ras. A or­ga­ni­za­ção, co­or­de­na­ção e par­ti­ci­pa­ção ne­les de­pen­de das re­des so­ci­ais. Em Hong Kong, lí­de­res do go­ver­no próPe­quim se quei­xam de que, ain­da que quei­ram fa­zer acor­dos com os ma­ni­fes­tan­tes, não sa­bem com qu­em ne­go­ci­ar. Ob­vi­a­men­te, Xi e Pu­tin po­de­ri­am aca­bar com os protestos usan­do os ins­tru­men­tos nor­mais das di­ta­du­ras: san­gue e fo­go. Mas o uso da for­ça sem­pre im­pli­ca ris­cos e po­de fa­zer com que, em vez de su­fo­car os protestos, ve­nha a agra­vá-los, con­ver­ten­do­os em ame­a­ças po­lí­ti­cas mais gra­ves.

Is­so acon­te­ceu, por exem­plo, na Sí­ria, on­de as ma­ni­fes­ta­ções na ci­da­de de Da­raa con­tra a de­ten­ção e tor­tu­ra de 15 es­tu­dan­tes que gra­fi­ta­vam con­tra o go­ver­no ga­nha­ram for­ça até se trans­for­ma­rem em uma guer­ra ci­vil que já du­ra oi­to anos e co­brou mais de meio mi­lhão de vi­das.

Mas, se o que es­tá ocor­ren­do na po­lí­ti­ca mun­di­al não é nor­mal, o que vem ocor­ren­do com o meio am­bi­en­te é ain­da me­nos. Os fa­tos são co­nhe­ci­dos. Ima­gens de to­das as par­tes do pla­ne­ta mos­tran­do as ca­tás­tro­fes pro­du­zi­das por in­cên­di­os, chu­vas tor­ren­ci­ais, se­cas pro­lon­ga­das e fu­ra­cões são co­ti­di­a­nas. As evi­dên­ci­as ci­en­tí­fi­cas são es­ma­ga­do­ras e a ina­ção pa­ra fa­zer fren­te a es­sas ame­a­ças é ain­da mais. A pa­ra­li­sia an­te en­fren­tar com efi­cá­cia as mu­dan­ças cli­má­ti­cas cons­ti­tui sem dú­vi­da o mai­or pe­ri­go que nos­sa ci­vi­li­za­ção vi­ve.

A inép­cia dos go­ver­nos em res­pon­der à emer­gên­cia cli­má­ti­ca é exa­cer­ba­da pe­la in­fluên­cia de in­te­res­ses econô­mi­cos. A Ex­xonMo­bil e os ir­mãos Char­les e Da­vid Ko­ch são ape­nas dois exem­plos de em­pre­sas e in­di­ví­du­os ri­cos que, du­ran­te dé­ca­das, fi­nan­ci­a­ram far­ta­men­te “cen­tros de pes­qui­sa” e “ci­en­tis­tas” de­di­ca­dos a se­me­ar dú­vi­das so­bre a gra­vi­da­de do pro­ble­ma cli­má­ti­co e im­pe­dir que go­ver­nos ado­tem as po­lí­ti­cas ne­ces­sá­ri­as.

O fa­to de gran­des em­pre­sas in­fluí­rem so­bre go­ver­nos pa­ra evi­tar que to­mem de­ci­sões con­tra seus ga­nhos não é no­vi­da­de. De fa­to, é o nor­mal.

O que não é nor­mal é lí­de­res de al­gu­mas das mai­o­res em­pre­sas do mun­do re­pu­di­a­rem pu­bli­ca­men­te a ideia de que seu ob­je­ti­vo pri­mor­di­al se­ja ma­xi­mi­zar os lu­cros. Foi, no en­tan­to, o que ocor­reu há al­gu­mas se­ma­nas, quan­do os che­fes de 181 das mai­o­res em­pre­sas ame­ri­ca­nas as­si­na­ram um co­mu­ni­ca­do que sus­ten­ta exa­ta­men­te es­se re­pú­dio.

Es­ses al­tos exe­cu­ti­vos afir­mam que as em­pre­sas pri­va­das de­vem con­ci­li­ar os in­te­res­ses de seus aci­o­nis­tas com os de cli­en­tes, em­pre­ga­dos, for­ne­ce­do­res e co­mu­ni­da­des nas quais ope­ram.

Ob­vi­a­men­te, es­ses ti­tãs do ca­pi­ta­lis­mo es­tão che­gan­do atra­sa­dos ao diá­lo­go. Pa­ra mui­ta gen­te, já é evi­den­te que fi­cou in­sus­ten­tá­vel pa­ra qu­al­quer em­pre­sa ig­no­rar os in­te­res­ses e ne­ces­si­da­des dos gru­pos dos quais de­pen­dem pa­ra sa­tis­fa­zer ape­nas aos aci­o­nis­tas. O de­ba­te ago­ra é so­bre co­mo fa­zer is­so, e, prin­ci­pal­men­te, ga­ran­tir que as em­pre­sas cum­pram o que pro­me­tem. Al­guns im­por­tan­tes lí­de­res em­pre­sa­ri­ais têm idei­as a res­pei­to. Brad Smith, pre­si­den­te da Mi­cro­soft, por exem­plo, pu­bli­cou um ar­ti­go na re­vis­ta The Atlan­tic in­ti­tu­la­do “As em­pre­sas tec­no­ló­gi­cas pre­ci­sam de mais re­gu­la­men­ta­ção”.

Is­so não é nor­mal. Sem dú­vi­da, sur­pre­en­de que o pre­si­den­te da 16.ª mai­or em­pre­sa do mun­do exor­te os go­ver­nos a re­gu­la­men­ta­rem su­as in­dús­tri­as. Mas es­sa, co­mo as ou­tras ano­ma­li­as que aca­ba­mos de dis­cu­tir, ti­ra­das do no­ti­ciá­rio re­cen­te, é ape­nas mais um exem­plo de qu­an­to é di­fí­cil de­ci­frar o mun­do no qual nos cou­be vi­ver.

Em­pre­sas já não po­dem ig­no­rar in­te­res­ses dos gru­pos dos quais de­pen­dem

STE­FAN ROUSSEAU/ AP

Rei­no Uni­do. Bo­ris John­son, um dos lí­de­res com go­ver­no tra­va­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.