Oi des­per­ta in­te­res­se de Chi­na Mo­bi­le e da AT&T

Te­le em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al se tor­nou mais atra­ti­va com apro­va­ção de mar­co das te­les pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal

O Estado de S. Paulo - - Economia - BRA­SÍ­LIA /E.R. e A.W.

A dis­pu­ta mun­di­al en­tre EUA e Chi­na no 5G ga­nha um ca­pí­tu­lo es­pe­ci­al no Bra­sil. O Es­ta­do apu­rou que as gi­gan­tes Chi­na Mo­bi­le e a AT&T es­ta­ri­am mo­ni­to­ran­do de per­to a si­tu­a­ção da Oi, quar­ta mai­or te­le bra­si­lei­ra, que es­tá em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al. As du­as em­pre­sas ne­gam pu­bli­ca­men­te o in­te­res­se.

A Oi fi­cou mais atra­ti­va a po­ten­ci­ais com­pra­do­res com a apro­va­ção do no­vo mar­co das te­les pe­lo Con­gres­so. O tex­to, que ain­da pre­ci­sa ser san­ci­o­na­do pe­lo Pla­nal­to e re­gu­la­men­ta­do pe­la Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel), li­vra a te­le de uma sé­rie de cus­tos e obri­ga­ções que eram vin­cu­la­dos às an­ti­gas con­ces­sões de te­le­fo­nia fi­xa da em­pre­sa.

A AT&T vem se apro­xi­man­do do go­ver­no bra­si­lei­ro tam­bém por ou­tra ra­zão. A em­pre­sa, que com­prou a War­ner Media, do­na de ca­nais co­mo HBO e CNN, e pre­ci­sa da au­to­ri­za­ção de ór­gãos re­gu­la­do­res pa­ra que pos­sa atu­ar no Bra­sil – uma lei im­pe­de que uma te­le de­te­nha mais de 30% de uma pro­du­to­ra de con­teú­do. O de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-SP) é o prin­ci­pal de­fen­sor da mu­dan­ça le­gal. No fim de agos­to, Bol­so­na­ro re­ce­beu o pre­si­den­te da AT&T, Ran­dall Stephen­son, que te­ria pro­me­ti­do au­men­tar os in­ves­ti­men­tos da gi­gan­te ame­ri­ca­na no Bra­sil – sem, no en­tan­to, de­ta­lhar seus pla­nos.

As te­les ame­ri­ca­nas e chi­ne­sas es­tão ho­je fo­ra do mer­ca­do bra­si­lei­ro – li­de­ra­do pe­la es­pa­nho­la Te­lefô­ni­ca Vi­vo, pe­la me­xi­ca­na Cla­ro e pe­la ita­li­a­na TIM. Sob o pon­to de vis­ta em­pre­sa­ri­al, uma for­ma me­nos ar­ris­ca­da de en­trar no mer­ca­do bra­si­lei­ro se­ria jus­ta­men­te pe­la com­pra de uma em­pre­sa que já atua no País, co­mo a Oi.

Mes­mo fo­ra do mer­ca­do de te­le­co­mu­ni­ca­ções, a Hu­awei já atua há 20 anos co­mo uma das prin­ci­pais for­ne­ce­do­ras das ope­ra­do­ras. Se­gun­do da­dos da Ana­tel, a Hu­awei es­tá pre­sen­te em 35% da in­fra­es­tru­tu­ra das re­des de te­le­fo­nia mó­vel de 2G, 3G e 4G do País, fi­can­do atrás ape­nas da su­e­ca Erics­son. Ou se­ja, to­da con­ver­sa ou tro­ca de da­dos por re­des mó­veis do País ho­je já pas­sa por um equi­pa­men­to da gi­gan­te chi­ne­sa.

A Hu­awei tem am­pla atu­a­ção jun­to ao go­ver­no, que cres­ceu du­ran­te as ges­tões pe­tis­tas. Equi­pa­men­tos da com­pa­nhia com­põem as re­des e da­ta­cen­ters do Banco Cen­tral, Re­cei­ta Fe­de­ral, Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, além de Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e até da Jus­ti­ça Fe­de­ral do Pa­na­rá, on­de es­tão ar­ma­ze­na­das as in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to. O “su­per­com­pu­ta­dor” do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pes­qui­sas da Amazô­nia (In­pa) tam­bém foi uma do­a­ção da em­pre­sa.

In­di­fe­ren­te à po­lê­mi­ca em ou­tras par­tes do mun­do, o gru­po chi­nês tam­bém anun­ci­ou re­cen­te­men­te – ao la­do do go­ver­na­dor de São Paulo, João Do­ria – in­ves­ti­men­tos de US$ 800 mi­lhões em três anos pa­ra a cons­tru­ção de uma fá­bri­ca no Es­ta­do. O País se­ria a ba­se da com­pa­nhia pa­ra a fa­bri­ca­ção dos equi­pa­men­tos de 5G pa­ra ou­tros paí­ses la­ti­no-ame­ri­ca­nos.

A re­por­ta­gem pro­cu­rou a Hu­awei, mas to­dos os por­ta-vo­zes da em­pre­sa no País es­ta­ri­am par­ti­ci­pan­do de um evento glo­bal, em Xan­gai. “A em­pre­sa já tem mais de 50 con­tra­tos fechados de 5G e já co­mer­ci­a­li­zou mais de 150 mil es­ta­ções ba­se ao re­dor do mun­do. No Bra­sil, a Hu­awei co­o­pe­ra com as ope­ra­do­ras no sen­ti­do de pre­pa­rar su­as re­des pa­ra, quan­do o lei­lão do 5G acon­te­cer, se­ja pos­sí­vel im­ple­men­tar es­sa tec­no­lo­gia de for­ma rá­pi­da, sim­ples e efi­ci­en­te”, dis­se a com­pa­nhia em no­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.