Só o cré­di­to imo­bi­liá­rio acom­pa­nha o rit­mo de que­da da ta­xa de ju­ros Se­lic

Ju­ro da ca­sa pró­pria caiu mais rá­pi­do do que ou­tras mo­da­li­da­des de fi­nan­ci­a­men­to, co­mo o em­prés­ti­mo pes­so­al

O Estado de S. Paulo - - Economia - Renato Ja­ki­tas

Com a de­ci­são do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria Na­ci­o­nal (Co­pom) da se­ma­na pas­sa­da, a ta­xa de ju­ros Se­lic caiu 61,40% em um es­pa­ço de 24 me­ses – sain­do de 14,25% pa­ra os atu­ais 5,50% ao ano. O no­vo pa­ta­mar mu­da a vi­da do in­ves­ti­dor, que tem vis­to seu di­nhei­ro ren­der me­nos na ren­da fi­xa, e em te­se dei­xa mais fá­cil a vi­da do to­ma­dor de em­prés­ti­mo, que con­ta com li­nhas mais aces­sí­veis no mer­ca­do. Se­rá?

Em te­o­ria, sim, os grá­fi­cos apon­tam que es­tá mais ba­ra­to pe­gar di­nhei­ro em­pres­ta­do. Na prá­ti­ca, pou­ca gen­te per­ce­be es­sa no­va re­a­li­da­de. Is­so por­que o cré­di­to no Bra­sil caiu de um pa­ta­mar que os eco­no­mis­tas clas­si­fi­cam de “ex­tre­ma­men­te al­to” pa­ra “mui­to al­to”. Das li­nhas de fi­nan­ci­a­men­to pes­so­al, só a de aqui­si­ção da ca­sa pró­pria e, em me­nor es­ca­la, a de com­pra de au­to­mó­veis no­vos se­guem o rit­mo de que­da da ta­xa Se­lic.

Des­con­si­de­ran­do es­sa du­as mo­da­li­da­des de fi­nan­ci­a­men­to – o imo­bi­liá­rio e au­to­mo­ti­vo – o cré­di­to pa­ra pes­soa fí­si­ca fi­cou 25,18% mais ba­ra­to no Bra­sil des­de o iní­cio do atu­al ci­clo de cor­te da Se­lic, ini­ci­a­do em se­tem­bro de 2017, se­gun­do a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Exe­cu­ti­vos de Fi­nan­ças (Ane­fac). Mi­guel de Oli­vei­ra, que di­ri­ge a en­ti­da­de, diz que é na­tu­ral que os ban­cos ope­rem bem aci­ma da Se­lic pa­ra o con­su­mi­dor. Se­gun­do ele, o cré­di­to imo­bi­liá­rio cai mais rá­pi­do por­que o to­ma­dor dá o imó­vel co­mo ga­ran­tia – “se não pa­gou, o banco to­ma”. Nos de­mais, ou­tras va­riá­veis im­por­tam até mais que a ta­xa bá­si­ca de ju­ros.

De for­ma ge­ral, diz, as pes­so­as su­pe­res­ti­mam a Se­lic na for­ma­ção dos pre­ços no mer­ca­do fi­nan­cei­ro. “A Se­lic é im­por­tan­te, mas é só um fa­tor que im­pac­ta na ho­ra de de­fi­nir o pre­ço do cré­di­to”, apon­ta. “É co­mo se eu fos­se com­prar uma ca­mi­se­ta. Eu pa­go pe­lo te­ci­do, pe­la cos­tu­rei­ra, pe­lo trans­por­te. No cré­di­to, além da Se­lic, tem o ris­co de ina­dim­plên­cia, tem o de­pó­si­to com­pul­só­rio do banco, tem mui­tas ou­tras coi­sas.”

Pa­ra a eco­no­mis­ta e pro­fes­so­ra do Ins­per, Ju­li­a­na Inhasz, fal­ta tam­bém con­cor­rên­cia no mer­ca­do. “A gen­te não es­tá ven­do es­sa re­du­ção da Se­lic che­gar pa­ra o con­su­mi­dor fi­nal. Mas o mer­ca­do é mui­to con­cen­tra­do”, afir­ma. O Banco Cen­tral apon­ta que os cin­co prin­ci­pais ban­cos do País (Itaú, Bra­des­co, San­tan­der, Banco do Bra­sil e Caixa) res­pon­dem por 85% do vo­lu­me de cré­di­to.

Os es­pe­ci­a­lis­tas não es­pe­ram gran­des mu­dan­ças nes­se ce­ná­rio, mes­mo que a Se­lic vol­te a cair da­qui a um mês e meio, e o mer­ca­do já fa­la em 5% ao ano no fim de 2019. Se­gun­do eles, uma que­da mais acen­tu­a­da nas mo­da­li­da­des de cré­di­to pes­so­al de­pen­de da re­to­ma­da econô­mi­ca. “Au­men­to do PIB e me­lho­ra do em­pre­go são os fa­to­res que afe­tam o cré­di­to”, afir­ma o su­pe­rin­ten­de exe­cu­ti­vo de ne­gó­ci­os imo­bi­liá­ri­os do Banco San­tan­der.

Por fa­lar em imó­veis, o cré­di­to pa­ra ha­bi­ta­ção saiu de uma ta­xa de qua­se 11% ao ano em se­tem­bro de 2017 pa­ra 8,4% ago­ra, de acor­do com a mé­dia dos con­tra­tos dos cin­co prin­ci­pais ban­cos cap­tu­ra­da pe­la fin­te­ch Me­lhor Ta­xa. An­tes da reu­nião do Co­pom da se­ma­na pas­sa­da, a di­fe­ren­ça en­tre es­sa ta­xa mé­dia dos fi­nan­ci­a­men­tos e a Se­lic era de 2,4 pon­tos por­cen­tu­ais, con­si­de­ra­da a me­nor da his­tó­ria. Ago­ra, é de 2,9 pon­tos por­cen­tu­ais.

Ra­fa­el Sas­so, da Me­lhor Ta­xa, já vê nis­so pres­são pa­ra um no­vo cor­te por par­te dos ban­cos. “Pro­va­vel­men­te vai ter mais que­da de ta­xa rá­pi­do”, diz ele, que es­pe­ra um mo­vi­men­to nos pró­xi­mos dois ou três me­ses. / CO­LA­BO­ROU ANA LUI­ZA DE CAR­VA­LHO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.