“É uma his­tó­ria de fa­mí­lia, mui­to ver­da­dei­ra e tam­bém atu­al”

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 -

Co­mo foi tra­ba­lhar um tex­to que te­ve ou­tras ver­sões na TV? Eu fa­lo sem­pre que é um tra­ba­lho ár­duo por­que, além de ser um pra­zer tra­ba­lhar nes­sa his­tó­ria bo­ni­ta, de um ro­man­ce admirável es­cri­to em 1943, por uma mu­lher, que tem uma voz fe­mi­ni­na mui­to mar­ca­da, que é a Do­na Lo­la, nar­ra­do­ra da his­tó­ria. Gos­to mui­to da adap­ta­ção do Síl­vio de Abreu e do Ru­bens Ewald Fi­lho. O que eu fa­ço é res­pei­tar e re­cri­ar, pois os tem­pos são ou­tros. Fa­zer uma adap­ta­ção cri­te­ri­o­sa dá mui­to tra­ba­lho.

Fez al­gu­mas al­te­ra­ções, te­ve de al­te­rar mui­ta coi­sa?

É mui­to im­por­tan­te fa­zer mu­dan­ça de tom, ob­ser­var a ma­nei­ra co­mo se com­por­ta­vam, fa­la­vam. Tem coi­sas que não ca­bem mais, que cho­cam, tem que dar uma atu­a­li­za­da em rit­mo, tom, al­te­ra­ções de pos­tu­ras dos per­so­na­gens, qu­em já viu vai per­ce­ber. Uma al­te­ra­ção im­por­tan­te é a pos­tu­ra da Lo­la, que não é uma Lo­la fe­mi­nis­ta. O ca­rac­te­rís­ti­co é ser uma mu­lher da épo­ca, que acre­di­ta­va que a mu­lher ti­nha de ser sustentada pe­lo ho­mem e ama sua fa­mí­lia. Ela, po­rém, tem voz, re­a­ge. E aí exis­te um des­com­pas­so en­tre o que do­na Lo­la quer e o que ele (Jú­lio) quer. A Lo­la re­pre­sen­ta uma épo­ca e, aos pou­cos, vai per­ce­ben­do es­sa sua voz.

É uma his­tó­ria que tem co­ne­xão com o mun­do atu­al?

É uma his­tó­ria de fa­mí­lia, emo­ci­o­nan­te, mui­to ver­da­dei­ra, re­al, e es­se é o gran­de char­me da tra­ma, pois con­ta os dra­mas des­sa fa­mí­lia, que es­tá pas­san­do por di­fi­cul­da­des econô­mi­cas em um con­tex­to de cri­se econô­mi­ca e ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, com mui­to de­sem­pre­go no país. Daí os con­fli­tos, pois co­mo fa­zer pa­ra pa­gar as con­tas, pa­gar a ca­sa que com­pra­ram, co­mo man­ter a fa­mí­lia uni­da, fe­liz e har­mo­ni­o­sa com tu­do is­so? São qu­es­tões que ator­men­tam es­se pai que é tão im­per­fei­to, com tan­ta di­fi­cul­da­de de se re­la­ci­o­nar com eles e de ex­por os sen­ti­men­tos, ca­paz de co­me­ter er­ros ter­rí­veis, co­mo faz pa­ra ser fe­liz.

É um tex­to que vai ca­ti­var, o que ele tem pa­ra con­quis­tar o pú­bli­co con­tem­po­râ­neo?

É uma his­tó­ria atem­po­ral, que per­pas­sa, atra­ves­sa o tem­po, man­ten­do o seu in­te­res­se, ele fa­la de con­fli­tos hu­ma­nos, que per­ma­ne­cem, pois a qu­al­quer mo­men­to tem fa­mí­lia pas­san­do por di­fi­cul­da­des. Em vá­ri­os mo­men­tos po­de­mos nos iden­ti­fi­car com a his­tó­ria. O im­por­tan­te pa­ra uma no­ve­la dar cer­to é ter uma his­tó­ria boa, emo­ci­o­nan­te e bem con­ta­da. Cla­ro que ter boa au­di­ên­cia é im­por­tan­te, a gen­te quer o su­ces­so, até pa­ra cha­mar aten­ção pa­ra uma obra da li­te­ra­tu­ra que mui­tas ve­zes é su­bes­ti­ma­da. As pes­so­as não fa­lam mui­to, mas ela tem im­por­tân­cia, sim. Es­cri­ta por uma au­to­ra, Maria José Du­pré, nar­ra­da por uma mu­lher, con­tan­do sua his­tó­ria por sua óti­ca. É um li­vro que me­re­ce ser lido.

Es­tá an­si­o­sa pa­ra con­fe­rir o tra­ba­lho pron­to, já viu al­guns ca­pí­tu­los edi­ta­dos?

Sou mui­to emo­ti­va, cho­ro es­cre­ven­do, nem sei o que es­pe­rar. Se­rá mui­ta emoção, es­tou me emo­ci­o­nan­do até com o te­a­ser da no­ve­la, es­tá tu­do mui­to ri­co, bo­ni­to e hu­ma­no. É uma no­ve­la que tam­bém tem mui­ta ale­gria, mui­to afe­to, as cri­an­ças são mui­to di­ver­ti­das, e traz a afir­ma­ção de coi­sas im­por­tan­tes, co­mo so­li­da­ri­e­da­de, la­ços de fa­mí­lia e ami­za­de. Acre­di­to que to­do mun­do vai tor­cer por es­sa fa­mí­lia.

/ E.S.S.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.