Após mor­te de me­ni­na, Wit­zel de­fen­de po­lí­ti­ca de confronto

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Fá­bio Grel­let / RIO COLABORARA­M JU­LIA LINDNER, MAR­CIO DOLZAN, MA­RI­A­NA DU­RÃO e MAR­CO ANTÔ­NIO CAR­VA­LHO

Dois di­as após a mor­te de Ágatha Fé­lix, de 8 anos, ba­le­a­da no Com­ple­xo do Ale­mão, o go­ver­na­dor do Rio, Wil­son Wit­zel (PSC), cri­ti­cou o uso do ca­so pe­la opo­si­ção e de­fen­deu a ação po­li­ci­al e a po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça com ba­se no en­fren­ta­men­to. Se­gun­do ele, a mor­te da me­ni­na “foi ca­so iso­la­do”.

Go­ver­na­dor do Rio cri­ti­ca su­pos­to uso pe­la opo­si­ção da mor­te da ga­ro­ta co­mo pa­lan­que po­lí­ti­co e diz que o ca­so é iso­la­do. Se­gun­do ele, os usuá­ri­os de dro­gas são os ‘cul­pa­dos di­re­tos’. Ge­ne­ral Mou­rão, pre­si­den­te em exer­cí­cio, põe em dú­vi­da ver­são da fa­mí­lia

Dois di­as após a mor­te de Ágatha Fé­lix, de 8 anos, ba­le­a­da du­ran­te uma ope­ra­ção po­li­ci­al no Com­ple­xo do Ale­mão, o go­ver­na­dor do Rio, Wil­son Wit­zel (PSC), cri­ti­cou o su­pos­to uso pe­la opo­si­ção da mor­te da ga­ro­ta co­mo pa­lan­que po­lí­ti­co, o que clas­si­fi­cou co­mo “in­de­cen­te”. E trans­for­mou uma en­tre­vis­ta so­bre o ca­so em de­fe­sa en­fá­ti­ca da pró­pria po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça. Ca­rac­te­ri­za­da por con­fron­tos ar­ma­dos com cri­mi­no­sos, principalm­ente em co­mu­ni­da­des po­bres, a ação es­ti­mu­la­da pe­lo go­ver­na­dor tem le­va­do a crí­ti­cas por, fre­quen­te­men­te, en­vol­ver mor­tes de ci­vis.

Wit­zel afir­mou que a mor­te de Ágatha “foi um ca­so iso­la­do” e de­fen­deu o en­fren­ta­men­to. “A po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça pú­bli­ca que eu de­ter­mi­nei es­tá mos­tran­do re­sul­ta­dos fa­vo­rá­veis, es­tá re­du­zin­do os ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de, trazendo de vol­ta a paz à po­pu­la­ção, e nós es­ta­mos re­to­man­do ter­ri­tó­ri­os até en­tão do­mi­na­dos pe­lo cri­me or­ga­ni­za­do”, dis­se. “Eles (os se­cre­tá­ri­os de Po­lí­cia Ci­vil e Militar) es­tão apre­sen­tan­do re­sul­ta­dos nun­ca an­tes al­can­ça­dos. Es­tou sa­tis­fei­to, e não há mo­ti­vo pa­ra um fa­to iso­la­do co­mo es­se ser­vir pa­ra mo­di­fi­car to­do o tra­ba­lho re­a­li­za­do”, afir­mou. “Nós não te­mos a me­nor in­ten­ção de pa­rar o que es­tá sen­do fei­to.”

Acom­pa­nha­do dos se­cre­tá­ri­os da Po­lí­cia Militar, Ro­gé­rio Fi­gue­re­do, e da Ci­vil, Marcus Vi­ni­cius Bra­ga, o go­ver­na­dor des­ta­cou que a po­lí­cia não pro­cu­ra o en­fren­ta­men­to. “Quem cria (con­fron­tos com a po­lí­cia) são as or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas, que que­rem pa­rar a se­gu­ran­ça pú­bli­ca do Rio de Ja­nei­ro. Nós não po­de­mos em­bar­car nes­sa ca­noa fu­ra­da”, dis­se. Pa­ra Wit­zel, “sem confronto” os ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de não es­ta­ri­am cain­do co­mo de­mons­tram as es­ta­tís­ti­cas do Ins­ti­tu­to de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. De ja­nei­ro a agos­to, o to­tal de ho­mi­cí­di­os do­lo­sos no Es­ta­do re­cu­ou 21%, mas a le­ta­li­da­de po­li­ci­al su­biu 16%, an­te o mes­mo pe­río­do de 2018.

O go­ver­na­dor tam­bém acu­sou os usuá­ri­os de dro­gas co­mo “cul­pa­dos di­re­tos” pe­la mor­te

de Ágatha. “Aque­les que usam a ma­co­nha, a co­caí­na, de for­ma re­cre­a­ti­va, fa­çam uma re­fle­xão, por­que vo­cê é di­re­ta­men­te res­pon­sá­vel pe­la mor­te da me­ni­na Ágatha”, afir­mou. “Vo­cê ti­rou a vi­da des­sa me­ni­na, vo­cê que dá di­nhei­ro pa­ra ali­men­tar es­ses ge­no­ci­das que usam de es­cu­do hu­ma­no as co­mu­ni­da­des. Quem fu­ma ma­co­nha, chei­ra co­caí­na e usa en­tor­pe­cen­tes aju­dou a aper­tar es­se ga­ti­lho.”

Ins­ta­do a dar uma men­sa­gem à fa­mí­lia de Ágatha, Wit­zel dis­se que “não sou um de­sal­ma­do, sou uma pes­soa de sen­ti­men­tos”.

“Mas não é por­que nós te­mos um fa­to ter­rí­vel co­mo es­se que nós va­mos pa­rar o Es­ta­do. A gen­te tem de con­ti­nu­ar, ter for­ças pa­ra con­ti­nu­ar. Não é por­que tem um aci­den­te de car­ro que nós va­mos ti­rar to­dos os car­ros da rua”, com­pa­rou. E ne­gou que se­ja mais bran­do com po­li­ci­ais que er­ram do que com cri­mi­no­sos. “Eu não te­nho ban­di­do de es­ti­ma­ção.”

O pre­si­den­te em exer­cí­cio, Ha­mil­ton Mou­rão, tam­bém saiu em de­fe­sa dos po­li­ci­ais, fri­san­do que o Rio vi­ve em guer­ra e ain­da co­lo­cou em dú­vi­da a ver­são

“Aque­les que usam ma­co­nha, a co­caí­na, de for­ma re­cre­a­ti­va, fa­çam uma re­fle­xão, por­que vo­cê é di­re­ta­men­te res­pon­sá­vel pe­la mor­te da me­ni­na Ágatha.” Wil­son Wit­zel

GO­VER­NA­DOR DO RIO

da fa­mí­lia de Ágatha. “É aque­la história, é a pa­la­vra de um con­tra o ou­tro. E vo­cês sa­bem mui­to bem que nes­sas re­giões aí de fa­ve­la se o cara dis­ser que foi tra­fi­can­te que ati­rou (con­tra a cri­an­ça), no dia se­guin­te ele es­tá mor­to”, dis­se.

Pa­ra o pre­si­den­te in­te­ri­no, a mor­te de Ágatha é cul­pa do nar­co­trá­fi­co. “Eu co­man­dei a tro­pa que ope­rou no (Com­ple­xo do) Ale­mão e na Ma­ré, e o nar­co­trá­fi­co co­lo­ca a po­pu­la­ção na rua e ati­ra con­tra a tro­pa. En­tão, ele (nar­co­trá­fi­co) co­lo­ca em ris­co a pró­pria gen­te que ha­bi­ta aque­la re­gião.”

In­ves­ti­ga­ção. O ti­tu­lar da De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os da Capital (DHC), Da­ni­el Ro­sa, dis­se on­tem que não há ga­ran­tia de que o frag­men­to de ba­la en­con­tra­do no cor­po da me­ni­na Ágatha apon­te pa­ra a arma de on­de par­tiu o ti­ro que a vi­ti­mou. Nes­ta se­gun­da-fei­ra, oi­to ar­mas de oi­to po­li­ci­ais mi­li­ta­res que fa­zi­am pa­tru­lha­men­to no mo­men­to do dis­pa­ro fo­ram re­co­lhi­das pa­ra pe­rí­cia. “Com o que a gen­te tem (frag­men­to), não sa­be­mos se va­mos con­se­guir efe­ti­va­men­te de­fi­nir qual ca­li­bre de arma par­tiu.”

Nes­ta se­gun­da, oi­to PMs que atu­a­ram na noi­te de sex­ta fo­ram ou­vi­dos pelos in­ves­ti­ga­do­res – eles chegaram em mo­men­tos dis­tin­tos e não de­ram de­cla­ra­ções. To­dos ti­ve­ram as ar­mas re­co­lhi­das.

Con­for­me um de­poi­men­to do sá­ba­do, ha­via ou­tras du­as cri­an­ças na Kom­bi em que Ágatha Fé­lix foi mor­ta. Mo­men­tos an­tes de a me­ni­na ser ba­le­a­da nas cos­tas, elas de­sem­bar­ca­ram acom­pa­nha­das de um ca­sal. Os ti­ros que vi­ti­ma­ram Ágatha fo­ram dis­pa­ra­dos en­quan­to a fa­mí­lia abria o por­ta-ma­las do veí­cu­lo pa­ra pe­gar as bol­sas.

Os de­ta­lhes fo­ram da­dos pe­lo mo­to­ris­ta da Kom­bi, con­for­me re­la­ta o ad­vo­ga­do da Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Brasil (OAB-RJ) Ro­dri­go Mon­de­go, que acom­pa­nhou o ca­so na De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os. O mo­to­ris­ta des­ceu pa­ra aju­dar a fa­mí­lia, quan­do viu dois ho­mens sem ca­mi­sa em uma mo­to. “A po­lí­cia ma­tou um inocente. Não te­ve tiroteio ne­nhum. Fo­ram dois dis­pa­ros que ele deu. É men­ti­ra!”, gri­ta­va um ho­mem iden­ti­fi­ca­do co­mo o mo­to­ris­ta no en­ter­ro de Ágatha./

WILTON JU­NI­OR/ESTADAO

Ação con­tra o cri­me. Go­ver­na­dor Wit­zel dis­se que sem os con­fron­tos ar­ma­dos com os ‘tra­fi­can­tes’ ín­di­ces de vi­o­lên­cia não es­ta­ri­am cain­do no Es­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.