Tof­fo­li pau­ta ação que po­de anu­lar ca­sos na La­va Ja­to

Plenário do Supremo jul­ga ha­be­as cor­pus de ex-ge­ren­te da Pe­tro­brás que pe­diu pra­zo di­fe­ren­te de de­la­to­res pa­ra apre­sen­tar sua de­fe­sa

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ra­fa­el Mo­ra­es Mou­ra / BRASÍLIA

Plenário do STF jul­ga ama­nhã ha­be­as cor­pus de ex-ge­ren­te da Pe­tro­brás que pe­diu pra­zo di­fe­ren­te de de­la­to­res pa­ra apre­sen­tar sua de­fe­sa. Re­sul­ta­do po­de le­var à anulação de con­de­na­ções da La­va Ja­to.

O pre­si­den­te do Supremo Tri­bu­nal Fe­de­ral, Di­as Tof­fo­li, mar­cou pa­ra ama­nhã a aná­li­se de ha­be­as cor­pus apre­sen­ta­do pe­la de­fe­sa de um ex-ge­ren­te da Pe­tro­brás que dis­cu­te o di­rei­to de um réu se ma­ni­fes­tar na ação pe­nal após as ale­ga­ções dos de­la­to­res acu­sa­dos no pro­ces­so. O re­sul­ta­do des­se jul­ga­men­to pe­lo plenário da Cor­te po­de le­var à anulação de mais con­de­na­ções da La­va Ja­to e, even­tu­al­men­te, be­ne­fi­ci­ar o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, con­de­na­do e pre­so na ope­ra­ção.

A dis­cus­são da con­tro­vér­sia, ou se­ja, se um réu de­la­ta­do po­de se ma­ni­fes­tar nos au­tos de­pois dos de­la­to­res pa­ra re­ba­ter as acusações, de­ve fa­zer com que os 11 in­te­gran­tes da Cor­te ava­li­em o en­ten­di­men­to que anu­lou, no mês pas­sa­do, a con­de­na­ção do ex-pre­si­den­te do Ban­co do Brasil e da Pe­tro­brás Al­de­mir Ben­di­ne.

O ha­be­as cor­pus a ser exa­mi­na­do pe­lo plenário é do ex-ge­ren­te da Pe­tro­brás Mar­cio de Almeida Fer­rei­ra. No pa­pel, o pro­ces­so de Fer­rei­ra guar­da se­me­lhan­ças com o de Ben­di­ne. A de­fe­sa do ex-ge­ren­te ale­gou que ele so­freu gra­ve cons­tran­gi­men­to ile­gal por não po­der apre­sen­tar as ale­ga­ções fi­nais de­pois da ma­ni­fes­ta­ção dos réus co­la­bo­ra­do­res.

No mês pas­sa­do, por 3 vo­tos a 1, a Se­gun­da Tur­ma do Supremo der­ru­bou uma de­ci­são do ex-juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro que ha­via con­de­na­do Ben­di­ne a 11 anos de re­clu­são pelos cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro. Foi a pri­mei­ra vez que o Supremo anu­lou uma con­de­na­ção de Mo­ro, im­pon­do uma das maiores der­ro­tas da La­va Ja­to no tri­bu­nal até ho­je.

Aque­le jul­ga­men­to tam­bém mar­cou a pri­mei­ra vez que a mi­nis­tra Cár­men Lú­cia dis­cor­dou do re­la­tor da Ope­ra­ção La­va Ja­to no Supremo, mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, em jul­ga­men­tos cruciais da La­va Ja­to jul­ga­dos na Se­gun­da Tur­ma da Cor­te, con­for­me ma­pe­a­men­to do Es­ta­do.

Iso­la­do. Fa­chin foi con­tra der­ru­bar a con­de­na­ção im­pos­ta por Mo­ro a Ben­di­ne, mas aca­bou iso­la­do na Tur­ma. Por ou­tro la­do, Cár­men Lú­cia se ali­nhou aos mi­nis­tros Gil­mar Men­des e Ri­car­do Lewan­dows­ki, dois dos maiores crí­ti­cos da La­va Ja­to no Supremo, mas a mi­nis­tra res­sal­tou que o seu vo­to na­que­la oca­sião con­si­de­rou as pe­cu­li­a­ri­da­des do ca­so es­pe­cí­fi­co de Ben­di­ne.

No seu vo­to, Lewan­dows­ki afir­mou que o di­rei­to de a de­fe­sa fa­lar por úl­ti­mo “de­cor­re do di­rei­to nor­ma­ti­vo”. “Réus de­la­to­res não po­dem se ma­ni­fes­tar por úl­ti­mo em ra­zão da car­ga acu­sa­tó­ria que per­meia su­as acusações. Fe­rem ga­ran­ti­as de de­fe­sa ins­tru­men­tos que im­pe­çam acu­sa­do de dar a pa­la­vra por úl­ti­mo.” Au­sen­te, o de­ca­no do Supremo, mi­nis­tro Celso de Mel­lo, não par­ti­ci­pou da aná­li­se do ca­so na Tur­ma, mas po­de ser de­ci­si­vo ago­ra com o jul­ga­men­to da ques­tão no plenário.

Na­que­la oca­sião, a mai­o­ria dos mi­nis­tros aco­lheu a ar­gu­men­ta­ção da de­fe­sa de Ben­di­ne, que cri­ti­cou o fa­to de o exe­cu­ti­vo ter si­do obri­ga­do por Mo­ro a en­tre­gar seus me­mo­ri­ais (uma pe­ça de de­fe­sa) ao mes­mo tem­po em que de­la­to­res da Ode­bre­cht apre­sen­ta­ram acusações con­tra ele. Ben­di­ne ha­via so­li­ci­ta­do pra­zo di­fe­ren­ci­a­do, mas o pe­di­do foi ne­ga­do.

Ex­pec­ta­ti­va. Se­gun­do o Es­ta­do apu­rou, a ex­pec­ta­ti­va é a de que o plenário do Supremo se di­vi­da so­bre o te­ma, ex­pon­do no­va­men­te as di­ver­gên­ci­as in­ter­nas em ma­té­ria cri­mi­nal. In­te­gran­tes da Cor­te ava­li­am que o Supremo po­de de­li­mi­tar o en­ten­di­men­to da Se­gun­da Tur­ma, em um es­for­ço pa­ra “re­du­zir da­nos” e pre­ser­var par­te das sen­ten­ças já pro­fe­ri­das.

Nos bastidores, uma das al­ter­na­ti­vas dis­cu­ti­das é a de anu­lar as con­de­na­ções so­men­te daqueles réus que ha­vi­am so­li­ci­ta­do du­ran­te o an­da­men­to da ação o pra­zo di­fe­ren­ci­a­do pa­ra a apre­sen­ta­ção das ale­ga­ções fi­nais, mas ti­ve­ram o pe­di­do re­jei­ta­do pe­la Jus­ti­ça. Es­sa saí­da te­ria o po­ten­ci­al de di­mi­nuir o nú­me­ro de ca­sos em que in­ves­ti­ga­dos po­de­rão se li­vrar das con­de­na­ções, ava­li­a­ram fon­tes ou­vi­das re­ser­va­da­men­te pe­la reportagem.

Com ba­se na de­ci­são da Se­gun­da Tur­ma que be­ne­fi­ci­ou Ben­di­ne, a de­fe­sa do ex-pre­si­den­te Lu­la pe­diu à Cor­te que anu­le su­as con­de­na­ções e tam­bém uma ação que ain­da tra­mi­ta na Ope­ra­ção La­va Ja­to. A de­fe­sa tam­bém pe­de que o pe­tis­ta se­ja pos­to em li­ber­da­de.

O pe­di­do do ad­vo­ga­do Cris­ti­a­no Za­nin Martins, que de­fen­de o ex-pre­si­den­te, abar­ca a sen­ten­ça que con­de­nou o pe­tis­ta a 12 anos e 11 me­ses de pri­são im­pos­ta pe­la juí­za Gabriela Hardt no pro­ces­so do sí­tio de Ati­baia (SP) e a con­de­na­ção de­ter­mi­na­da pe­lo ex-juiz Sér­gio Mo­ro a 9 anos e 6 me­ses no ca­so do tri­plex do Gu­a­ru­já (SP) – a pe­na foi re­du­zi­da pos­te­ri­or­men­te pe­lo Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça a 8 anos e 10 me­ses.

ER­NES­TO RO­DRI­GUES/ESTADÃO - 6/12/2018

Tri­bu­nal. O pre­si­den­te do Supremo, Di­as Tof­fo­li; jul­ga­men­to es­tá pre­vis­to pa­ra ama­nhã

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.