Trump e a Ucrâ­nia

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - EMAIL: GIL­[email protected] TRA­DU­ÇÃO DE CLAU­DIA BOZZO

AU­crâ­nia es­ta­va cal­ma des­de que subs­ti­tuiu o pre­si­den­te Pe­tro Po­roshen­ko por um co­me­di­an­te, Vo­lo­di­mir Ze­lens­ki, que che­gou ao po­der há seis me­ses. A es­treia de Ze­lens­ki foi co­mo um so­nho. Tu­do sor­ria pa­ra ele. Seu es­ti­lo era re­fres­can­te, de­pois de anos de cor­rup­ção. Po­roshen­ko foi in­ca­paz de pôr fim ao con­fli­to que su­fo­ca Don­bass (re­gião no ex­tre­mo les­te da Ucrâ­nia), ain­da di­la­ce­ra­da pe­lo confronto en­tre o Exér­ci­to ucra­ni­a­no e os “se­pa­ra­tis­tas” apoi­a­dos, ob­vi­a­men­te, pe­la Rús­sia. Es­se con­fli­to de Don­bass deixou 12 mil mor­tos.

A paz em Don­bass foi, é cla­ro, o pri­mei­ro gran­de obs­tá­cu­lo que o sim­pá­ti­co Ze­lens­ki pre­ci­sa­va atra­ves­sar. Pa­ra os ucra­ni­a­nos, vi­nha an­tes da lu­ta con­tra a cor­rup­ção, a cons­pi­ra­ção dos oli­gar­cas e até a me­lho­ria do pa­drão de vi­da. A Rús­sia já ha­via en­go­li­do a Cri­meia al­guns anos atrás. A Ucrâ­nia não iria ofe­re­cer Don­bass tam­bém.

Es­se me­do au­men­tou à me­di­da que se apro­xi­ma­va a cú­pu­la de Don­bass, a cha­ma­da Cú­pu­la da Nor­man­dia, reu­nin­do pre­si­den­tes da Ucrâ­nia e da Rús­sia, além da Fran­ça e a chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel. Os ma­ni­fes­tan­tes reu­ni­ram-se em Ki­ev, capital da Ucrâ­nia, pa­ra ma­ni­fes­tar sua des­con­fi­an­ça pe­la reu­nião. Eles não eram mui­to nu­me­ro­sos, mas bas­tan­te vi­ru­len­tos.

O me­do de­les: que Ze­lens­ki, em sua fran­que­za, se dei­xas­se de­vo­rar pe­lo as­tu­to e mau Pu­tin. E os dois eu­ro­peus res­pon­sá­veis por fa­ci­li­tar es­se con­ta­to não lhes ins­pi­ram con­fi­an­ça, es­pe­ci­al­men­te o fran­cês Ma­cron, que nun­ca es­con­deu seu de­se­jo de aca­bar com o os­tra­cis­mo com o qual o Oci­den­te aca­bru­nha Pu­tin, após a in­va­são rus­sa do Cri­meia. E Mer­kel, pen­sam, não é mui­to me­lhor.

E se­rá que a ope­ra­ção de sedução lan­ça­da em Mos­cou por Ze­lens­ki ob­te­ve re­sul­ta­dos? Nem um pou­co, pen­sa­ram os des­con­ten­tes de Ki­ev. Os sor­ri­sos de Ze­lens­ki não su­a­vi­za­ram Pu­tin. Além dis­so, ele, em sua in­ge­nui­da­de de po­lí­ti­co ini­ci­an­te, cometeu um er­ro: ex­pres­sou seu de­se­jo de con­se­guir um acor­do com a Rús­sia. E o que ele re­ce­beu de Mos­cou com sua ama­bi­li­da­de? Na­da. A cus­to, hou­ve uma pe­que­na tro­ca de pri­si­o­nei­ros. É por is­so que a mi­ra­cu­lo­sa po­pu­la­ri­da­de de Ze­lens­ki en­fren­tou seu pri­mei­ro pro­ble­ma: gru­pos pro­tes­tan­do pa­ra di­tar a ele seu “ro­tei­ro”: “Aten­ção, pe­ri­go! Se vo­cê quer de­mais a paz, aca­ba perdendo a guer­ra”.

Ze­lens­ki, por­tan­to, tem “uma pri­mei­ra pe­dra no sa­pa­to”. Apa­ren­te­men­te, há uma se­gun­da: as con­ver­sas que te­ri­am ocor­ri­do, no iní­cio des­te ve­rão, en­tre ele e o pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Do­nald Trump.

Trump te­ria fa­la­do com o ucra­ni­a­no Ze­lens­ki e tam­bém com Vla­di­mir Pu­tin pa­ra que Ki­ev re­lan­ce as in­ves­ti­ga­ções de cor­rup­ção que po­de­ri­am pre­ju­di­car es­pe­ta­cu­lar­men­te Joe Bi­den, o ex-vi­cep­re­si­den­te de Oba­ma que po­de ser um can­di­da­to de­mo­cra­ta perigoso pa­ra Trump nas elei­ções de 2020.

O fi­lho de Joe Bi­den, Hun­ter, tra­ba­lhou en­tre 2014 e 2019 no con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sa pe­tro­lí­fe­ra da Ucrâ­nia. Re­su­min­do: uma in­ves­ti­ga­ção so­bre o fi­lho po­de­ria pre­ju­di­car o pai. Es­sa se­ria a história de Trump quan­do telefonou pa­ra Ze­lens­ki, es­pe­ran­do que fos­sem re­a­ber­tas as in­ves­ti­ga­ções so­bre Hun­ter co­mo meio de en­la­me­ar Joe.

Tu­do is­so é um pou­co ro­ma­nes­co e tur­vo. Mas Trump nos acos­tu­mou a es­ses ares. Lan­ça acusações ou em­prei­ta­das tão bi­zar­ras, tão ro­cam­bo­les­cas, que os paí­ses ob­ser­va­do­res não o le­vam a sé­rio. Só um pou­co de­pois, per­ce­be­mos que as acusações ou as exi­gên­ci­as de Trump não eram tão ex­tra­va­gan­tes as­sim. É nes­se sen­ti­do que sem­pre se per­gun­ta se Trump é um gran­de de­sa­jei­ta­do ou não, em­bo­ra ele pro­va­vel­men­te nun­ca te­nha li­do O Prín­ci­pe, de Ma­qui­a­vel, e se­ja um dis­cí­pu­lo dis­tan­te, en­ge­nho­so e um tan­to pri­mi­ti­vo do gê­nio po­lí­ti­co da Flo­ren­ça dos Mé­di­ci. /

Pre­si­den­te dos EUA te­ria pe­di­do ao ucra­ni­a­no pa­ra in­ves­ti­gar fi­lho de Joe Bi­den

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.