O mun­do aos pés de Mes­si pe­la 6ª vez

Ar­gen­ti­no le­va prê­mio de me­lhor da tem­po­ra­da e su­pe­ra Cris­ti­a­no Ronaldo; ame­ri­ca­na Ra­pi­noe vence en­tre as mulheres

O Estado de S. Paulo - - Esportes - MI­LÃO

Em uma ce­rimô­nia de ga­la pro­mo­vi­da pe­la Fifa na Itá­lia, o ar­gen­ti­no Li­o­nel Mes­si foi elei­to on­tem pe­la sex­ta vez co­mo o me­lhor do mun­do. As­sim, ele vol­ta a con­quis­tar o prê­mio após uma la­cu­na de qua­tro anos e se iso­la co­mo o mai­or ven­ce­dor do tro­féu en­tre os ho­mens, com uma ta­ça a mais que o português Cris­ti­a­no Ronaldo, que sur­pre­en­deu o mun­do ao se au­sen­tar da pre­mi­a­ção. A bra­si­lei­ra Mar­ta já foi pre­mi­a­da seis ve­zes en­tre as mulheres.

Na pre­mi­a­ção, Mes­si su­pe­rou Cris­ti­a­no Ronaldo, que jo­ga na Ju­ven­tus de Tu­rim, e o za­guei­ro ho­lan­dês Vir­gil Van Dijk, do Liverpool. “Na ver­da­de, eu sem­pre di­go que o prê­mio in­di­vi­du­al é se­cun­dá­rio, o mais im­por­tan­te é o co­le­ti­vo. Mas ho­je é es­pe­ci­al pa­ra mim, ti­ve a opor­tu­ni­da­de de es­tar ao la­do da mi­nha mu­lher e de dois dos meus três filhos. O Thi­a­go já veio aqui, mas era mui­to pe­que­no, e ho­je vê-los ali não tem pre­ço. São dois apai­xo­na­dos por fu­te­bol, e es­tão ado­ran­do ver tan­tos jo­ga­do­res aqui, não sa­bem se pe­dem au­tó­gra­fos, es­tão tí­mi­dos e felizes com es­sa opor­tu­ni­da­de. Por is­so que eu di­go que pa­ra mim é uma noi­te e um dia ex­tra­or­di­ná­ri­os... Mui­tís­si­mo obri­ga­do a to­dos”, dis­se.

Mes­si esteve no to­po do mun­do em 2009, 2010, 2011, 2012, 2015 e ago­ra em 2019. A tem­po­ra­da do ar­gen­ti­no foi aci­ma da mé­dia. Ele aju­dou o Bar­ce­lo­na a con­quis­tar o Cam­pe­o­na­to Es­pa­nhol e foi o Chu­tei­ra de Ou­ro da Europa, com 36 gols no torneio. Tam­bém foi o ar­ti­lhei­ro da Li­ga dos Cam­peões, com 12 gols.

Do­no de cin­co prê­mi­os de me­lhor do mun­do, o as­tro português Cris­ti­a­no Ronaldo não com­pa­re­ceu ao even­to – se­gun­do o jor­nal es­pa­nhol Mar­ca, o cra­que não foi a Mi­lão por “in­com­pa­ti­bi­li­da­de de agen­das”, já que a Ju­ven­tus en­fren­ta o Bres­cia ho­je pe­lo Cam­pe­o­na­to Ita­li­a­no. Mas mui­tos jor­na­lis­tas des­con­fi­a­vam so­bre o ver­da­dei­ro mo­ti­vo da au­sên­cia – Cris­ti­a­no Ronaldo tam­bém não foi ao even­to no ano pas­sa­do, quan­do o cro­a­ta Lu­ka Mo­dric foi elei­to o me­lhor da tem­po­ra­da.

Em re­cen­te en­tre­vis­ta a um pro­gra­ma bri­tâ­ni­co, o português afir­mou que de­se­ja ter­mi­nar sua car­rei­ra com mais prê­mi­os do que Mes­si, pois se acha “me­re­ce­dor”. “Mes­si es­tá na história do fu­te­bol, mas pen­so que de­vo ter seis, se­te ou oi­to (prê­mi­os) pa­ra ficar aci­ma de­le. Gos­ta­ria mui­to que is­so acon­te­ces­se, me­re­ço is­so”, afir­mou o jo­ga­dor na oca­sião.

En­ga­ja­men­to. A me­lhor jo­ga­do­ra do mun­do na pre­mi­a­ção Fifa The Best foi a ame­ri­ca­na Me­gan Ra­pi­noe, cam­peã mun­di­al com os Es­ta­dos Uni­dos na Co­pa da Fran­ça, dis­pu­ta­da em ju­nho. “Mui­to obri­ga­da a to­das as jogadoras com quem jo­guei no pas­sa­do. Foi um ano in­crí­vel pa­ra o fu­te­bol, a Fe­de­ra­ção Fran­ce­sa e a Fifa fi­ze­ram uma gran­de Co­pa, fa­zer par­te dis­so foi in­des­cri­tí­vel”, dis­se.

Na Co­pa, Ra­pi­noe se des­ta­cou tam­bém pe­la atu­a­ção en­ga­ja­da fo­ra de cam­po. Ela cri­ti­cou o pre­si­den­te Do­nald Trump e afir­mou que não iria à Ca­sa Bran­ca em ca­so de con­quis­ta do tí­tu­lo, o que aca­bou se con­fir­man­do. De­fen­so­ra da igual­da­de ra­ci­al e de gê­ne­ro, ela, que é aber­ta­men­te gay, não can­ta o hi­no de seu país an­tes das par­ti­das co­mo for­ma de pro­tes­to. Em seu dis­cur­so, Ra­pi­noe cri­ti­cou o ra­cis­mo e a ho­mo­fo­bia.

“Uma das his­tó­ri­as que me ins­pi­ra­ram mui­to es­te ano foi de Rahe­em Ster­ling e Kou­li­baly. Eles fi­ze­ram gran­des his­tó­ri­as no cam­po, mas a ma­nei­ra co­mo en­ca­ra­ram o ra­cis­mo es­te ano e pro­va­vel­men­te em to­da a sua vi­da... A tor­ce­do­ra ira­ni­a­na que co­lo­cou fogo no pró­prio cor­po ape­nas por ter ido a um jo­go, as jogadoras LGBT que lu­tam con­tra a ho­mo­fo­bia. Se to­do mun­do se po­si­ci­o­nas­se con­tra o ra­cis­mo co­mo to­das es­sas pes­so­as se po­si­ci­o­na­ram, se to­dos se po­si­ci­o­nas­sem con­tra a ho­mo­fo­bia co­mo as jogadoras LGBT fa­zem pa­ra jo­gar fu­te­bol”, afir­mou Ra­pi­noe.

“Te­mos gran­des opor­tu­ni­da­des, te­mos gran­de su­ces­so, uma gran­de pla­ta­for­ma. Te­mos a opor­tu­ni­da­de de usar es­se jo­go lindo pa­ra re­al­men­te mu­dar es­se mun­do pa­ra me­lhor”, afir­mou a ata­can­te.

MAR­CO BER­TO­REL­LO/AFP

Tro­féus. O ar­gen­ti­no Li­o­nel Mes­si e a nor­te­a­me­ri­ca­na Me­gan Ra­pi­noe: os me­lho­res jo­ga­do­res do mun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.