‘Ahhhhh bons tem­pos’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - RO­BER­TA MARTINELLI E-MAIL: RO­BER­[email protected]

“Na mi­nha épo­ca era as­sim”, ou “ahhhhh bons tem­pos” são fra­ses que to­dos es­cu­ta­mos mui­to e pro­me­ti que nun­ca fa­la­ria is­so com o ob­je­ti­vo de di­mi­nuir al­go que acon­te­ce ago­ra. E não o fa­rei. Afi­nal, a mi­nha épo­ca é sem­pre o ago­ra. Mas (com li­cen­ça) bons tem­pos quan­do eu fre­quen­ta­va às ter­ças o Sesc Pom­peia com shows gra­tui­tos de uma ge­ra­ção que es­ta­va co­me­çan­do a gra­var e lan­çar dis­co. As­sis­ti lá a al­guns no­mes ain­da sem dis­co lan­ça­do: Thi­a­go Pethit, Jo­nas Sá, Fi­li­pe Cat­to, Bi­xi­ga 70 tan­tos ou­tros. Ahhhhhh bons tem­pos. Ape­sar de to­dos os re­tro­ces­sos que es­ta­mos pas­san­do, bom tem­po é ho­je tam­bém. Com tan­tos pas­sos pa­ra trás, ve­jo ar­tis­tas se po­si­ci­o­nan­do, mui­ta gen­te nas ma­ni­fes­ta­ções e ar­ti­cu­la­ções pa­ra en­ten­der­mos o que nos acon­te­ce.

Nis­so tu­do, o Sesc faz um tra­ba­lho fun­da­men­tal pa­ra as ar­tes em São Paulo. FUN­DA­MEN­TAL mes­mo.

E den­tre tan­tas coi­sas que fez e faz, a boa-no­va é que o pro­je­to cha­ma­do Prata da Ca­sa es­tá de vol­ta ao Sesc Pom­peia no ano em que com­ple­ta du­as dé­ca­das de ati­vi­da­des.

O Prata da Ca­sa, es­sa ini­ci­a­ti­va que se­le­ci­o­na­va ar­tis­tas com até um tra­ba­lho au­to­ral lan­ça­do, pa­rou por três anos e ago­ra po­de­mos co­me­mo­rar a re­to­ma­da com al­gu­mas al­te­ra­ções. O novo Prata fun­ci­o­na as­sim: os ar­tis­tas po­de­rão se ins­cre­ver en­tre os di­as 26 de se­tem­bro e 3 de ou­tu­bro no si­te sescsp.org/pra­ta­da­ca­sa, uma co­mis­são cu­ra­do­ra irá ava­li­ar as ban­das e os se­le­ci­o­na­dos to­ca­rão na Co­me­do­ria do Sesc Pom­peia em uma ter­ça à noi­te, de gra­ça, e com tu­do cus­te­a­do pe­lo Sesc. Uma opor­tu­ni­da­de e tan­to.

Es­se pro­je­to foi mui­to im­por­tan­te pa­ra a música bra­si­lei­ra e vol­ta em boa ho­ra. Tan­tos ar­tis­tas pas­sa­ram por es­se pal­co: Va­nes­sa da Ma­ta, Ro­mu­lo Fróes, Ia­ra Ren­nó, Marcelo Je­ne­ci, Rus­so Pas­sa­pu­so. Fa­bi­a­na Coz­za des­cre­ve co­mo foi pa­ra ela: “Foi a pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de que eu ti­ve de can­tar pa­ra um pú­bli­co gran­de, pa­ra uma pla­teia que já ti­nha cer­ta frequên­cia no Sesc Pom­peia. Is­so me mar­cou, por ser mi­nha es­treia em um es­pa­ço on­de eu desejava mui­to can­tar e em que, de­pois, ti­ve a opor­tu­ni­da­de de me apre­sen­tar mui­tas ve­zes. Si­go acre­di­tan­do que o Prata da Ca­sa des­ve­le uma sé­rie de ta­len­tos que me­re­cem ser co­nhe­ci­dos”.

Nem sei quan­tas pri­mei­ras ve­zes eu vi nes­se pal­co... Fo­ram mui­tos ar­tis­tas que ho­je cir­cu­lam pe­lo País e são par­te da história da música bra­si­lei­ra. Abrir es­pa­ço e fo­men­tar a ar­te. Cui­dar da cul­tu­ra é cui­dar do nos­so país, que an­da bem ma­chu­ca­do. Fe­liz de ver o Prata da Ca­sa de vol­ta en­quan­to tan­tos in­cen­ti­vos são ame­a­ça­dos e obras são cen­su­ra­das. Mais uma pro­va da enor­me con­tri­bui­ção do Sesc pa­ra a cul­tu­ra do nos­so país. Va­mos ocu­par es­ses es­pa­ços.

TAGUA TAGUA

Fi­li­pe Cat­to. Prata da Ca­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.