‘Down­ton Ab­bey’ es­tá de vol­ta, ago­ra em fil­me

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Je­an­net­te Cat­sou­lis THE NEW YORK TI­MES / TRA­DU­ÇÃO DE RO­BER­TO MUNIZ

“É co­mo nos ve­lhos tem­pos”, diz or­gu­lho­sa­men­te Co­ra Cra­wley, con­des­sa de Grantham (Eli­za­beth McGo­vern), en­quan­to Down­ton Ab­bey – O Fil­me, com pre­vi­são de es­treia pa­ra 29 de no­vem­bro, reú­ne to­dos os rostos fa­mi­li­a­res nu­ma agi­ta­da pre­pa­ra­ção pa­ra uma vi­si­ta re­al. O pú­bli­co que viu nas seis tem­po­ra­das as su­a­ves atri­bu­la­ções do clã Cra­wley não pre­ci­sa que eu o en­co­ra­je.

Os ve­lhos tem­pos são, é cla­ro, o que Down­ton ven­de – a mag­ní­fi­ca fan­ta­sia de uma aris­to­cra­cia gen­til, de ser­vos agra­de­ci­dos. Re­to­man­do a história em 1927, pou­co de­pois da épo­ca do fim da sé­rie, o fil­me en­con­tra a man­são se pre­pa­ran­do pa­ra um jan­tar e baile em hon­ra do rei Ge­or­ge V e da rai­nha Mary. Em meio ao bur­bu­ri­nho, lady Co­ra dis­tri­bui seus cos­tu­mei­ros olha­res se­re­nos e or­dens dis­cre­tas. Lady Mary (Mi­chel­le Doc­kery) con­ti­nua fa­lan­do dos pro­ble­mas fi­nan­cei­ros da pro­pri­e­da­de. E Vi­o­let, a ma­tri­ar­ca viú­va (Mag­gie Smith), faz in­tri­gas pa­ra ga­ran­tir uma he­ran­ça de fa­mí­lia.

En­tre a cri­a­da­gem, Daisy (Sophie McShe­ra) fler­ta com um en­ca­na­dor e, com a ca­sa sem mor­do­mo, o con­fiá­vel Car­son (Jim Car­ter) é ba­ju­la­do pa­ra sair da apo­sen­ta­do­ria. Ocor­rem al­guns pe­que­nos fur­tos, uma rá­pi­da ten­ta­ti­va de as­sas­si­na­to e pro­ble­mas com um aque­ce­dor. O te­ma das con­ver­sas é a po­lí­ti­ca e o es­cân­da­lo de um clu­be gay clan­des­ti­no. Com pou­co en­re­do pa­ra avan­çar, a mai­o­ria dos personagen­s tem pe­que­na par­ti­ci­pa­ção. Na fal­ta das sa­bo­ro­sas tra­mas do pas­sa­do, das li­ga­ções en­tre cul­tu­ras e do in­con­ve­ni­en­te ca­dá­ver en­con­tra­do nos apo­sen­tos de lady Mary, o fil­me é de bai­xo te­or ca­ló­ri­co.

O ro­tei­ris­ta, Ju­li­an Fel­lowes (cri­a­dor da sé­rie de TV), sa­be que su­as his­tó­ri­as sem­pre se sus­ten­ta­ram me­nos em pa­la­vras do que nos lo­oks que apa­re­cem nas reu­niões so­ci­ais.

Co­mo sem­pre, Down­ton Ab­bey se atém ao sta­tus quo. Lady Mary se ques­ti­o­na so­bre o fu­tu­ro da aris­to­cra­cia e é re­as­se­gu­ra­da – por um criado – de que ela e seus pa­res são não só re­le­van­tes, mas es­sen­ci­ais. E, quan­do a gre­ve ge­ral de 1926 é men­ci­o­na­da, ser­ve só pa­ra Vi­o­let lem­brar que sua cri­a­da fi­cou “ru­de” na oca­sião. En­tre­tan­to, ser­vin­do num sis­te­ma de clas­ses tão rí­gi­do, a cri­a­da­gem de Down­ton é tão de­vo­ta­da aos pa­trões que mes­mo quan­do en­saia uma re­be­lião é pa­ra ne­gar a si mes­ma uma fol­ga.

É ad­mi­rá­vel a ha­bi­li­da­de de Fel­lowes em trans­for­mar os in­gre­di­en­tes amar­gos da opres­são e de­si­gual­da­de em uma re­fei­ção agra­dá­vel. As­sim, quan­do Henry Tal­bot (Matthew Go­o­de) co­me­ça a val­sar, pou­co an­tes do fim do fil­me, com lady Mary, e ga­ran­te a ela que Down­ton vai exis­tir pa­ra sem­pre, os es­pec­ta­do­res fiéis vão se sen­tir tão ali­vi­a­dos quan­to a aris­to­cra­ta.

JAAP BUITENDIJK/FO­CUS FEATURES/AP

Lady Vi­o­let e Lady Mary. Mag­gie Smith e Mi­chel­le Doc­kery

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.