Pre­vi­dên­cia pa­ra no Se­na­do e go­ver­no te­me pre­juí­zos

Cho­que de po­de­res. Vo­ta­ção na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça foi adiada on­tem em re­a­ção à ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral que te­ve co­mo al­vo o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho; pre­si­den­te da Ca­sa, po­rém, des­car­ta atra­so no cro­no­gra­ma

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Adri­a­na Fer­nan­des Da­ni­el We­ter­man / BRASÍLIA

Em re­a­ção à ope­ra­ção da PF que te­ve co­mo al­vo o lí­der do go­ver­no, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-PE), o Se­na­do adi­ou pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na a vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. O go­ver­no age pa­ra evi­tar mais pre­juí­zos e ga­ran­tir que o con­teú­do da pro­pos­ta não so­fra mo­di­fi­ca­ções.

Após o Se­na­do adi­ar mais uma vez a vo­ta­ção da re­for­ma Pre­vi­dên­cia, em re­ta­li­a­ção à ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral que te­ve co­mo al­vo o lí­der do go­ver­no na Ca­sa, a equi­pe econô­mi­ca te­ve de en­trar em cam­po pa­ra bus­car uma blin­da­gem do tex­to. A vo­ta­ção, que se­ria ho­je no ple­ná­rio, fi­cou pa­ra a se­ma­na que vem.

O ris­co que ain­da per­ma­ne­ce no ra­dar é que a “in­sur­rei­ção” das li­de­ran­ças do Se­na­do, acer­ta­da em jan­tar na se­gun­da-fei­ra na re­si­dên­cia do pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), re­du­za a eco­no­mia pre­vis­ta no tex­to da re­for­ma que aguar­da vo­ta­ção na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção de Jus­ti­ça (CCJ) an­tes de ir a ple­ná­rio. Se­gun­do es­ti­ma­ti­vas do go­ver­no, a atu­al re­da­ção da PEC prin­ci­pal ge­ra­ria eco­no­mia de R$ 876,7 bi­lhões em 10 anos.

A ope­ra­ção da PF que atri­buiu “es­que­ma cri­mi­no­so” a Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-PE), lí­der do go­ver­no no Se­na­do, foi au­to­ri­za­da pe­lo mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), e le­vou ao le­van­te dos se­na­do­res ao que cha­mam pe­jo­ra­ti­va­men­te de “la­va­ja­tis­mo” na ação do Ju­di­ciá­rio.

O pri­mei­ro al­vo da re­ta­li­a­ção foi o cro­no­gra­ma da vo­ta­ção, mas se­na­do­res ou­vi­dos pe­lo Es­ta­do, que fa­la­ram na con­di­ção de ano­ni­ma­to, não des­car­tam no­vos atra­sos por­que o cli­ma ain­da é bas­tan­te de­li­ca­do e de mui­ta in­cer­te­za em re­la­ção aos des­do­bra­men­tos.

O Es­ta­do apu­rou que o se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de Pre­vi­dên­cia, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, pro­cu­rou ain­da na noi­te de se­gun­da-fei­ra o lí­der Fer­nan­do Co­e­lho pa­ra ter a ga­ran­tia de que a re­for­ma não se­ria atin­gi­da. Ou­viu que o con­teú­do não se­ria afe­ta­do. Ma­ri­nho, que é o prin­ci­pal ne­go­ci­a­dor do go­ver­no pa­ra a re­for­ma, tam­bém foi até ao Se­na­do on­tem, on­de con­ver­sou com o pre­si­den­te da Ca­sa, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), e ou­tros seis se­na­do­res pa­ra acer­tar o no­vo cro­no­gra­ma e ga­ran­tir que não ha­ve­ria re­ta­li­a­ções.

No en­tan­to, a cri­se re­a­cen­deu a es­pe­ran­ça de par­la­men­ta­res da opo­si­ção pa­ra de­si­dra­tar a pro­pos­ta. Eles que­rem re­ti­rar as res­tri­ções ao aces­so ao abo­no sa­la­ri­al (be­ne­fí­cio de um sa­lá­rio mí­ni­mo que ho­je é pa­go pa­ra quem ga­nha até dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos) a quem ga­nha até R$ 1,4 mil. A li­mi­ta­ção, apro­va­da pe­los de­pu­ta­dos, ga­ran­te uma eco­no­mia de R$ 90 bi­lhões em dez anos.

Al­co­lum­bre ga­ran­tiu a vo­ta­ção em se­gun­do tur­no do subs­ti­tu­ti­vo do re­la­tor, Tas­so Je­reis­sat­ti (PSDB-CE), pa­ra a pri­mei­ra quin­ze­na de ou­tu­bro. Mas evi­tou se com­pro­me­ter com a da­ta de 10 de ou­tu­bro, pre­vis­ta em ca­len­dá­rio fe­cha­do com lí­de­res pa­ra con­cluir a vo­ta­ção em ple­ná­rio. A vo­ta­ção na CCJ e no ple­ná­rio da Ca­sa em pri­mei­ro tur­no foi acer­ta­da pa­ra a pró­xi­ma ter­ça-fei­ra, 1°.

De­pois que a re­for­ma foi apro­va­da na Câ­ma­ra no pri­mei­ro tur­no, o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, afir­mou que o go­ver­no es­pe­ra­va a con­clu­são da vo­ta­ção do se­gun­do tur­no da re­for­ma no Se­na­do en­tre 9 e 15 de se­tem­bro.

“Não há adi­a­men­to da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. É en­gra­ça­do que fi­ca a in­for­ma­ção ou a apa­ren­te in­for­ma­ção de que uma reu­nião do Con­gres­so, dos lí­de­res par­ti­dá­ri­os no STF pa­ra res­ta­be­le­cer a har­mo­nia e a in­de­pen­dên­cia en­tre os Po­de­res pa­re­ce que es­sa reu­nião atra­sa o ca­len­dá­rio da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia”, co­men­tou Al­co­lum­bre. “Se pu­der­mos fa­zer até 10 de ou­tu­bro, óti­mo. Se não, con­ti­nua o ca­len­dá­rio da pri­mei­ra quin­ze­na de ou­tu­bro.”

Após a cos­tu­ra dos bas­ti­do­res, Ma­ri­nho de­mons­trou tran­qui­li­da­de com o adi­a­men­to da vo­ta­ção. “Con­tan­to que o cro­no­gra­ma original se­ja res­pei­ta­do, es­tá tu­do bem”, dis­se ao BR Po­lí­ti­co.

Mer­ca­do. A luz ama­re­la pa­ra as su­ces­si­vas di­fi­cul­da­des en­con­tra­das na vo­ta­ção do Se­na­do aze­dou o hu­mor on­tem dos in­ves­ti­do­res, que ini­ci­al­men­te pre­vi­am uma tra­mi­ta­ção mais tran­qui­la na Ca­sa, após vo­ta­ção com fol­ga no ple­ná­rio da Câ­ma­ra. No iní­cio da tra­mi­ta­ção no Se­na­do, o cro­no­gra­ma era de que a fa­tu­ra es­ta­ria fe­cha­da até o dia 24 de se­tem­bro. Se­gun­do ana­lis­tas do mer­ca­do fi­nan­cei­ro, o adi­a­men­to da vo­ta­ção do pri­mei­ro tur­no da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia no Se­na­do foi a prin­ci­pal cau­sa do re­cuo da Bol­sa bra­si­lei­ra on­tem. O Ibo­ves­pa fe­chou em qu­e­da de 0,7%, a 103.875 pon­tos.

DIDA SAMPAIO / ES­TA­DÃO

Ope­ra­ção. Se­na­do­res, li­de­ra­dos por Al­co­lum­bre, e pre­si­den­te do STF, Di­as Tof­fo­li, tra­ta­ram da ope­ra­ção con­tra Be­zer­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.