Va­len­tia não as­sus­ta

O Estado de S. Paulo - - Política - E-MAIL: [email protected] TWITTER: @VERAMAGALH­AES POLITICA.ESTADAO.COM.BR/COLUNAS/VERA-MAGALHAES/

Jair Bol­so­na­ro e Do­nald Trump até pa­re­ci­am ter en­sai­a­do os dis­cur­sos que fi­ze­ram na As­sem­bleia-Ge­ral da ONU. A ex­pres­são usa­da por Ma­ri­na Silva foi pre­ci­sa ao es­ta­be­le­cer a ana­lo­gia com a or­dem dos pra­tos em um ban­que­te glo­bal: o pre­si­den­te bra­si­lei­ro foi o cou­vert ar­re­ma­ta­do de­pois por uma re­fei­ção pe­sa­da do ído­lo nor­te-ame­ri­ca­no.

Bem fa­rá Bol­so­na­ro se, além de emu­lar a re­tó­ri­ca tão his­tri­ô­ni­ca quan­to va­zia de Trump ao bra­dar con­tra o fan­tas­ma do so­ci­a­lis­mo e con­tra o tal glo­ba­lis­mo, ob­ser­var que nem tu­do são flo­res na re­la­ção do pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos com as ins­ti­tui­ções. O que mos­tra que, nu­ma de­mo­cra­cia, não adi­an­ta im­pos­tar a voz e fa­lar gros­so, por­que o sis­te­ma de frei­os e con­tra­pe­sos tra­ta de equa­li­zar as fa­las e as ações quan­do elas se des­vi­am – ou mes­mo dão in­dí­ci­os de que po­dem ter se des­vi­a­do – dos pre­cei­tos le­gais e cons­ti­tu­ci­o­nais.

Em ple­na cam­pa­nha à re­e­lei­ção, Trump se vê às vol­tas com os pri­mei­ros pas­sos pa­ra a aber­tu­ra de um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment con­tra si. Sim, o pro­ces­so foi ini­ci­a­do pe­la de­mo­cra­ta Nancy Pe­lo­si, ad­ver­sá­ria de Trump. Sim, exis­te a pos­si­bi­li­da­de de que o pro­ces­so não pro­gri­da. E tam­bém é ver­da­de que exis­te um elei­to­ra­do fi­el ao re­pu­bli­ca­no e in­di­fe­ren­te a es­sas vi­cis­si­tu­des.

Mas a re­a­ção da Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes mos­tra o vi­gor da de­mo­cra­cia dos Es­ta­dos Uni­dos mes­mo em tem­pos de ra­di­ca­li­za­ção po­lí­ti­ca, em que o pre­si­den­te se mo­ve no ta­bu­lei­ro in­ter­na­ci­o­nal com a su­ti­le­za de um ele­fan­te nu­ma lo­ja de cris­tais, de­cla­ran­do gu­er­ra co­mer­ci­al à Chi­na e es­ta­be­le­cen­do re­la­ções sus­pei­tas com a Rús­sia e a Ucrâ­nia, pa­ra fi­car ape­nas em al­guns exem­plos.

Ao do­brar a apos­ta no tom de con­fron­to em sua fa­la na ONU, Bol­so­na­ro se mi­ra em Trump e de­mons­tra ter a ilu­são de que es­tá em con­di­ções de can­tar de ga­lo pe­ran­te o mun­do. Mon­ta­do nu­ma eco­no­mia pu­jan­te, an­co­ra­do nu­ma si­tu­a­ção de ple­no em­pre­go e sen­do a mai­or po­tên­cia po­lí­ti­ca e mi­li­tar do mun­do, Trump po­de até fa­zer is­so, e ain­da as­sim en­fren­tan­do re­a­ções co­mo a que ago­ra as­sis­ti­mos. O “bom ho­mem” que in­sis­te em ba­ju­lá-lo, não.

Bol­so­na­ro fa­la em “de­mo­cra­cia oci­den­tal” e en­xer­ga ape­nas os Es­ta­dos Uni­dos, se es­que­cen­do de que a Eu­ro­pa é um par­cei­ro im­por­tan­te do Bra­sil, com o qual o Mer­co­sul aca­ba de se­lar um acor­do que ain­da pre­ci­sa de chan­ce­la do par­la­men­to eu­ro­peu e dos Con­gres­sos dos paí­ses sul-ame­ri­ca­nos.

A iro­nia e a for­ma des­res­pei­to­sa com que tra­tou par­cei­ros eu­ro­peus po­dem co­brar um pre­ço do Bra­sil nos pró­xi­mos pas­sos des­sas tra­ta­ti­vas mul­ti­la­te­rais e tam­bém le­var fun­dos eu­ro­peus e com­pra­do­res das com­mo­di­ti­es bra­si­lei­ras a re­a­va­li­a­rem in­ves­ti­men­tos e ne­gó­ci­os com o País. Era es­se ti­po de te­mor que de­mons­tra­vam ges­to­res de fun­dos, ana­lis­tas de ban­cos e ges­to­res de em­pre­sas bra­si­lei­ros on­tem de­pois da res­sa­ca da fa­la pas­sa­dis­ta de Bol­so­na­ro na ONU.

Não é só Trump que de­ve ser­vir de exem­plo a Bol­so­na­ro de que nem só de re­tó­ri­ca in­fla­ma­da e ca­be­los de­sa­li­nha­dos pros­pe­ra um po­lí­ti­co da di­rei­ta po­pu­lis­ta. Bo­ris John­son mal foi al­ça­do a pri­mei­ro-mi­nis­tro da In­gla­ter­ra e achou que po­dia fe­char o Par­la­men­to e fa­zer o Bre­xit na mar­ra. A Su­pre­ma Cor­te bri­tâ­ni­ca tra­tou de lhe mos­trar, por una­ni­mi­da­de de seus 12 in­te­gran­tes, que não é as­sim que a ban­da to­ca.

Em sua fa­la, Bol­so­na­ro dei­xa sub­ja­cen­te uma cren­ça que o acom­pa­nha des­de que ven­ceu a elei­ção: a de que o Bra­sil su­bi­ta­men­te vi­rou um País evan­gé­li­co, con­ser­va­dor ao ex­tre­mo, de di­rei­ta e dis­pos­to a tu­do con­tra o es­pan­ta­lho do co­mu­nis­mo. Is­so é uma fan­ta­sia que já soa ca­fo­na pa­ra os con­ver­ti­dos das re­des so­ci­ais.

Di­to em voz al­ta pe­ran­te o mun­do, e ten­do co­mo con­tra­pon­to a re­a­li­da­de en­fren­ta­da por ou­tros ex­perts em nar­ra­ti­vas ro­cam­bo­les­cas, es­se bla­bla­blá soa ain­da mais ri­dí­cu­lo.

Mo­men­to de Trump e John­son mos­tra a Bol­so­na­ro di­fe­ren­ça en­tre re­tó­ri­ca e re­a­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.