Ga­ro­ta de 11 anos é ba­le­a­da; ro­ti­na de ti­ro­tei­os as­sus­ta co­mu­ni­da­des

Es­co­las can­ce­lam au­las e fa­mí­li­as evi­tam sair de ca­sa em dia de ação po­li­ci­al. ‘Sen­sa­ção é de im­po­tên­cia’, diz pro­fes­so­ra

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Mar­cio Dol­zan / RIO

“A gen­te can­ce­la as au­las em di­as de ope­ra­ções po­li­ci­ais jus­ta­men­te pa­ra evi­tar que os alu­nos cor­ram ris­cos. Es­sa ques­tão das ações com di­ver­sas for­ças po­li­ci­ais tem fei­to com que mui­tas cri­an­ças não con­si­gam ir à es­co­la.”

Ali­ne Xa­vi­er

PRO­FES­SO­RA DE BALÉ DE ÁGATHA

Qua­tro di­as após a mor­te de Ágatha Fé­lix, no Com­ple­xo do Ale­mão, na zo­na nor­te do Rio, uma me­ni­na de 11 anos foi ba­le­a­da quan­do vol­ta­va da es­co­la, no Mor­ro da Mi­nei­ra, no Ca­tum­bi, re­gião cen­tral da ci­da­de, no iní­cio da tar­de de on­tem. É a 17.ª cri­an­ça ba­le­a­da na re­gião me­tro­po­li­ta­na do Rio nes­te ano. Mo­ra­do­res de fa­ve­las ca­ri­o­cas con­vi­vem com o me­do de ti­ro­tei­os.

Atin­gi­da em uma das per­nas, Vi­tó­ria Fer­rei­ra da Cos­ta foi le­va­da ao Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal Sou­za Agui­ar. Se­gun­do a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Saú­de, o es­ta­do da me­ni­na era “es­tá­vel” no iní­cio da noi­te. Não há informaçõe­s so­bre au­to­res do dis­pa­ro. Na mes­ma re­gião, uma mu­lher tam­bém foi ba­le­a­da on­tem.

O me­do da vi­o­lên­cia já al­te­ra a ro­ti­na da au­xi­li­ar de ser­vi­ços ge­rais An­dreia Re­gi­na de Oli­vei­ra, de 48 anos. To­dos os di­as, ela ten­ta sair de ca­sa, no Com­ple­xo do Ale­mão, às 5h30, pa­ra tra­ba­lhar. Nos úl­ti­mos me­ses, diz, os ti­ro­tei­os têm ocor­ri­do com mais frequên­cia. “Quan­do tem ope­ra­ção (po­li­ci­al), a es­sa ho­ra já se es­cu­tam os ti­ros”, dis­se. “Aí pre­ci­so es­pe­rar acal­mar. Só en­tão vou pa­ra o tra­ba­lho.”

Quem mo­ra no Ale­mão, re­gião do­mi­na­da por fac­ções, re­la­ta o re­cru­des­ci­men­to, des­de o iní­cio do ano, dos ti­ro­tei­os. O mo­ti­vo é o au­men­to das ações po­li­ci­ais, com con­fron­tos, às ve­zes de dia e em lo­cais mo­vi­men­ta­dos. Os efei­tos che­gam a ou­tras áre­as da ci­da­de. A es­co­la on­de Ágatha dan­ça­va balé fi­cou fe­cha­da em du­as quar­tas-fei­ras nes­te mês por cau­sa de ti­ro­tei­os no Ale­mão. A uni­da­de fi­ca em Inhaú­ma, mas boa par­te de seus fre­quen­ta­do­res vem do com­ple­xo de fa­ve­las. “A sen­sa­ção é de im­po­tên­cia”, dis­se Ali­ne Xa­vi­er, pro­fes­so­ra de balé da me­ni­na e di­re­to­ra do Cen­tro de Dan­ças e Lu­tas Pró-Ar­te. Ágatha ti­nha au­las às quar­tas.

A es­co­la fun­ci­o­na há 15 anos, com pre­ços po­pu­la­res – a men­sa­li­da­de é de R$ 60. Nos úl­ti­mos tem­pos, Ali­ne per­ce­be au­men­to no nú­me­ro de ti­ro­tei­os no Ale­mão. Em ou­tro con­jun­to de fa­ve­las da zo­na nor­te, o au­men­to nos ti­ro­tei­os tam­bém é per­ce­bi­do pe­los mo­ra­do­res. “No úl­ti­mo ano, pi­o­rou mui­to. Tem mais vi­o­lên­cia, mais ope­ra­ção, ti­ro­teio to­dos os di­as. São ope­ra­ções sem pé nem ca­be­ça. A im­pres­são que te­nho é que en­tram na fa­ve­la sem sa­ber o que fa­zer”, diz Yvon­ne Be­zer­ra de Mel­lo, fun­da­do­ra do Pro­je­to Ue­rê, no Com­ple­xo da Ma­ré.

Cer­ca de 300 cri­an­ças e ado­les­cen­tes em si­tu­a­ção de ris­co fre­quen­tam as ati­vi­da­des do Ue­rê, ori­en­ta­dos por 22 fun­ci­o­ná­ri­os – me­ta­de de­les da Ma­ré. Em maio, os res­pon­sá­veis pe­lo pro­je­to co­lo­ca­ram uma pla­ca no te­to. “Es­co­la. Não ati­re. Pro­je­to Ue­rê”, di­zia a men­sa­gem, vol­ta­da pa­ra he­li­cóp­te­ros da po­lí­cia em di­as de ope­ra­ção.

Yvon­ne la­men­tou a mor­te de Ágatha. “Is­so acon­te­ce to­dos os di­as”, diz. Con­tan­do com Vi­tó­ria, atin­gi­da na per­na on­tem, ao me­nos 17 cri­an­ças fo­ram ba­le­a­das na re­gião me­tro­po­li­ta­na do Rio, se­gun­do a pla­ta­for­ma Fo­go Cru­za­do, que mo­ni­to­ra ti­ro­tei­os. “Não tem co­mo não ter fe­ri­dos ou mor­tos (nas ope­ra­ções), tan­to na po­lí­cia quan­to na po­pu­la­ção”, diz Yvon­ne.

A Se­cre­ta­ria de Po­lí­cia Mi­li­tar in­for­mou que as ope­ra­ções se­guem pla­ne­ja­men­to e são exe­cu­ta­das “com a pre­o­cu­pa­ção de pre­ser­var vi­das”. Res­sal­tou, po­rém, que mui­tas ve­zes “os cri­mi­no­sos fa­zem op­ção pe­lo en­fren­ta­men­to”. Se­gun­do o ór­gão, a mis­são é pri­mor­di­al­men­te a pri­são de cri­mi­no­sos e apre­en­são de ar­mas e dro­gas.

SERGIO MORAES/REUTERS-23/9/2019

Me­mo­ri­al. Pro­fes­so­ra de balé per­ce­be al­ta nos ti­ro­tei­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.