Ne­gó­ci­os de tu­ris­mo lu­cram com ni­chos

Mu­lhe­res, ido­sos, ne­gros e gays são o fo­co de star­tups de vi­a­gens que nas­ce­ram a par­tir da ‘dor’ de seus fun­da­do­res

O Estado de S. Paulo - - PME - Mi­le­na Tei­xei­ra ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

A de­sig­ner Jus­sa­ra Bo­te­lho en­fren­tou pe­lo me­nos três epi­só­di­os de as­sé­dio se­xu­al em vi­a­gens. O em­pre­sá­rio Car­los Humberto te­ve que li­dar com ra­cis­mo em ho­téis e na sua pró­pria ca­sa. Já a tu­ris­mó­lo­ga Sil­ma­ra Lei­te per­ce­beu que os ido­sos não fi­ca­vam à von­ta­de em in­ter­câm­bi­os pa­ra es­tu­dar idi­o­mas. Com ba­se em si­tu­a­ções co­mo es­sas, os três re­sol­ve­ram cri­ar star­tups de tu­ris­mo pa­ra pú­bli­cos de­fi­ni­dos, pa­ra aten­der as ne­ces­si­da­des de quem com­par­ti­lha da mes­ma dor que eles, co­mo mu­lhe­res, ne­gros e ido­sos. É o ca­so de Sis­terWa­ve, Di­as­po­ra.Black e Vi­vên­cia.

No ca­so da Sis­terWa­ve, fun­da­da em de­zem­bro de 2018, a pla­ta­for­ma reú­ne an­fi­triãs que dis­po­ni­bi­li­zam quar­tos ou ca­sas in­tei­ras pa­ra vi­a­jan­tes mu­lhe­res. Foi cri­a­da por Jus­sa­ra Bo­te­lho – ao la­do dos só­ci­os Fre­de­ri­co Dib e Re­bec­ca Ci­ri­no – de­pois que ela per­ce­beu que ou­tras mu­lhe­res tam­bém ti­nham me­do de vi­a­jar so­zi­nhas.

A pla­ta­for­ma atua em to­do o Bra­sil e, em um ano de atu­a­ção, con­ta com 249 an­fi­triãs em 89 ci­da­des bra­si­lei­ras. A ex­pec­ta­ti­va é che­gar ao to­tal de 200 mu­ni­cí­pi­os no pró­xi­mo ano, ain­da sem pla­nos in­ter­na­ci­o­nais.

“É tris­te ver o tan­to de mu­lher que se pri­va de vi­a­jar por cau­sa des­sas ques­tões de se­gu­ran­ça. A gen­te cri­ou a Sis­terWa­ve pa­ra di­mi­nuir es­ses obs­tá­cu­los”, ex­pli­ca Jus­sa­ra, que em ju­lho con­se­guiu uma va­ga en­tre as 10 star­tups da quar­ta tur­ma do pro­gra­ma de ace­le­ra­ção da Es­ta­ção Hack, ini­ci­a­ti­va do Fa­ce­bo­ok e da Ar­te­mi­sia.

Tam­bém foi de uma dor que Car­los Humberto aju­dou a fun­dar, em 2017, a Diás­po­ra.Black, pla­ta­for­ma vol­ta­da pa­ra a po­pu­la­ção ne­gra. Ao la­do dos só­ci­os Antonio Luz e An­dré Ri­bei­ro, Car­los cri­ou a star­tup pa­ra ofe­re­cer dois ti­pos de ser­vi­ço: aco­mo­da­ções com­par­ti­lha­das e ex­pe­ri­ên­ci­as tu­rís­ti­cas com ba­se na cul­tu­ra ne­gra. “Eu pas­sa­va por si­tu­a­ções de ra­cis­mo quan­do vi­a­ja­va a tra­ba­lho e até em ca­sa, quan­do re­ce­bi pes­so­as com es­se ser­vi­ço. Te­ve um mo­men­to em que eu en­ten­di, co­mo ne­gro e con­su­mi­dor, que não po­de­ria usar um pro­du­to que me dis­cri­mi­na­va.” Ho­je, a Diás­po­ra.Black tem 4 mil ca­das­tros (an­fi­triões e usuá­ri­os) em 135 ci­da­des de 45 paí­ses.

De acor­do com a con­sul­to­ra de ino­va­ção e tec­no­lo­gia do Se­brae Ro­ber­ta So­dré, pro­ble­mas pró­pri­os ou de ou­tras pes­so­as es­ti­mu­lam no­vos ne­gó­ci­os. “Ele nas­ce pa­ra so­lu­ci­o­nar um pro­ble­ma. Pri­mei­ro, a pes­soa vai sen­tir a dor, de­pois vai sa­ber se a dor afe­ta mais pes­so­as. Aí vai bus­car uma solução.”

No ca­so de Sil­ma­ra Lei­te, a ins­pi­ra­ção pa­ra a Vi­vên­cia, star­tup de vi­a­gens e ex­pe­ri­ên­ci­as pa­ra pes­so­as aci­ma dos 50 anos, veio de uma ob­ser­va­ção du­ran­te uma tem­po­ra­da pa­ra es­tu­dar in­glês na In­gla­ter­ra. “Eu es­ta­va em um in­ter­câm­bio e per­ce­bi que um se­nhor es­ta­va des­lo­ca­do por­que o man­da­ram pa­ra uma re­pú­bli­ca es­tu­dan­til. Eu me in­co­mo­dei com aqui­lo.”

A Vi­vên­cia foi fun­da­da há seis me­ses. Até ago­ra, a star­tup só tem atu­a­ção em São Pau­lo, fa­zen­do a cu­ra­do­ria de vi­a­gens e pas­sei­os den­tro do Es­ta­do, com pla­nos de am­pli­a­ção. “Ano que vem es­ta­mos pla­ne­jan­do uma vi­a­gem pa­ra o Chi­le. Te­nho cli­en­tes de até 74 anos.”

JF DIORIO/ES­TA­DÃO

En­tre mu­lhe­res. A fun­da­do­ra da pla­ta­for­ma de vi­a­gens Sis­terWa­ve, Jus­sa­ra Bo­te­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.