‘Ad As­tra’. No fil­me que es­treia ho­je, Brad Pitt vai ao es­pa­ço pa­ra re­a­va­li­ar a vi­da.

Ci­ne­ma. Em ‘Ad As­tra – Ru­mo às Es­tre­las’, es­treia de ho­je, Brad Pitt vai ao es­pa­ço pa­ra re­a­va­li­ar sua vi­da

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ann Hor­na­day THE WASHING­TON POST TRA­DU­ÇÃO DE TE­RE­ZI­NHA MARTINO /

Um olhar de ad­mi­ra­ção apa­re­ce no ros­to de Brad Pitt quan­do ele ou­ve Ja­mes Gray fa­lar. O ator e o di­re­tor vi­si­ta­ram Washing­ton pa­ra a es­treia de Ad As­tra – que en­tra em car­taz nes­ta quin­ta, 26, no Bra­sil – um fil­me de fic­ção ci­en­tí­fi­ca em que ele vi­ve as­tro­nau­ta en­vi­a­do a Ne­tu­no pa­ra res­ga­tar seu pai, que su­pos­ta­men­te es­tá mor­to.

Ja­mes Gray con­ce­beu seu lon­ga em 2011, mas dei­xou-o na ga­ve­ta até Pitt pro­du­zi-lo, em 2016. O fil­me mu­dou mui­to nos anos se­guin­tes e se tor­nou tan­to uma me­di­ta­ção so­bre a de­si­lu­são da meia-ida­de co­mo um olhar es­pe­cu­la­ti­vo so­bre o fu­tu­ro na era es­pa­ci­al.

Em uma con­ver­sa rá­pi­da, Pitt e Gray fa­la­ram so­bre a re­cen­te vi­a­gem pu­bli­ci­tá­ria de Brad à Ásia até a si­tu­a­ção do ci­ne­ma mo­der­no. Os dois são ami­gos des­de os anos 1990 e ve­em Ad As­tra – Ru­mo às Es­tre­las co­mo uma ma­nei­ra de exa­mi­nar idei­as re­tró­gra­das so­bre mas­cu­li­ni­da­de que vêm sen­do ques­ti­o­na­das. “Te­mos de re­de­fi­nir is­so”, diz Pitt, fa­lan­do da ima­gem do he­rói cool, emo­ci­o­nal­men­te dis­tan­te. Na ver­da­de, quan­do o ator se des­cre­ve co­mo uma pes­soa fe­cha­da, ele po­de es­tar fa­lan­do do per­so­na­gem. O co­man­dan­te Roy McB­ri­de é com­pul­si­va­men­te au­to­con­tro­la­do.

Há ce­nas óti­mas de vi­a­gens no es­pa­ço no fil­me, co­mo tam­bém ma­no­bras as­som­bro­sas, uma ba­ta­lha com pi­ra­tas na lua e um en­con­tro ter­rí­vel nu­ma na­ve de pes­qui­sa bi­o­mé­di­ca. Mas o efei­to es­pe­ci­al mais im­pres­si­o­nan­te po­de ser o pró­prio Brad Pitt, com um de­sem­pe­nho cui­da­do­sa­men­te ca­li­bra­do co­mo um ho­mem que pas­sa por uma ca­tar­se que mu­da sua vi­da.

Vin­do lo­go de­pois de um tra­ba­lho si­mi­lar­men­te bem-su­ce­di­do no fil­me de Qu­en­tin Ta­ran­ti­no, Era Uma Vez em Hollywood, a in­ter­pre­ta­ção de Pitt co­mo o co­man­dan­te em

Ad As­tra é ain­da mais im­po­nen­te por ser con­ti­da e su­til. Ver McB­ri­de cul­ti­var o iso­la­men­to e de­pois rom­per com ele po­de nos le­var a com­pa­ra­ções com a pró­pria fa­ma ex­tre­ma de Pitt. Em­bo­ra o ator de 55 anos di­ga que não é uma pes­soa fe­cha­da co­mo seu per­so­na­gem, ele re­co­nhe­ce que há pa­ra­le­los na es­ma­ga­do­ra so­li­dão das ce­le­bri­da­des.

“No co­me­ço da car­rei­ra eu me sen­tia per­di­do”, diz ele, lem­bran­do seu mo­men­to de­ci­si­vo na car­rei­ra no fil­me Thel­ma & Loui­se, de 1991. “Sem­pre achei que foi um ti­po de pre­pa­ra­ção do que sig­ni­fi­ca­va es­se ti­po de li­ber­da­de, ser anô­ni­mo na rua.”

Re­lem­bran­do as ima­gens de mas­cu­li­ni­da­de da sua ju­ven­tu­de no Mis­sou­ri, ele diz: “É a ima­gem do es­toi­co Ho­mem Marl­bo­ro com a qual eu cres­ci, meu pai a cul­ti­va­va. E acho que é is­so que vo­cê iden­ti­fi­ca quan­do che­ga a um cer­to mo­men­to na sua vi­da e pen­sa, ‘is­so não fun­ci­o­na mais’. Te­nho de ver qual é a mi­nha par­te nis­so”. Pitt e Gray con­cor­dam que, se ti­ves­sem re­a­li­za­do Ad As­tra 20 ou 10 anos atrás, se­ria uma aven­tu­ra es­pa­ci­al mais con­ven­ci­o­nal so­bre um su­jei­to cool. Em vez dis­so é um fil­me que fa­la so­bre um ho­mem na meia-ida­de, cheio de in­cer­te­zas e dor.

“Com­pre­en­der nos­so pas­sa­do, é nis­so que nos apro­fun­da­mos. O que tor­na a jor­na­da de Roy aos pon­tos mais dis­tan­tes do sis­te­ma so­lar uma chan­ce pa­ra olhar pa­ra o seu pas­sa­do, an­tes de avan­çar pa­ra ter mais li­ber­da­de.” E is­so nu­ma épo­ca em que é com­pli­ca­do ser um su­jei­to bran­co pri­vi­le­gi­a­do, es­pe­ci­al­men­te em Hollywood.

“Vo­cê tem de ter o mi­to pa­ra des­truí-lo”, diz Gray, ex­pli­can­do que foi cru­ci­al es­co­lher uma pes­soa com o sim­bo­lis­mo ico­no­grá­fi­co de Pitt, o ído­lo de ci­ne­ma al­to e loi­ro, pa­ra que­brar o mi­to. “É a des­trui­ção do Marl­bo­ro Man.” Gray cha­ma es­se arqué­ti­po de “mui­to bi­zar­ro, tó­xi­co, pe­ri­go­so”. “Foi al­go ter­rí­vel pa­ra a his­tó­ria do mun­do. Pro­cu­ra­mos des­fa­zer um pou­co is­so.”

Pitt não es­tá só in­te­res­sa­do em re­de­fi­nir a ima­gem do ma­cho, mas es­tá in­ves­tin­do tam­bém na re­de­fi­ni­ção do ci­ne­ma ame­ri­ca­no. Ele fun­dou a pro­du­to­ra Plan B e pro­mo­veu ci­ne­as­tas co­mo Ste­ve MCQu­e­en ( 12 Anos de Es­cra­vi­dão), Bar­ry Jen­kins (Mo­on­light) e Ava DuVer­nay (Sel­ma).

No que mui­tos ve­em co­mo uma ten­ta­ti­va de Pitt de usar seu pri­vi­lé­gio de ho­mem bran­co pa­ra o bem, ele in­sis­te que é só apoio a nar­ra­ti­vas co­ra­jo­sas. Não há dú­vi­da que ele se dis­põe a mu­dar o fo­co do se­tor in­fes­ta­do por idei­as es­trei­tas. “A lu­ta não é pa­ra o ci­ne­ma em gran­de es­ca­la. É a lu­ta pe­lo seu pro­je­to”, afir­ma. E, já se le­van­tan­do pa­ra sair, acres­cen­ta: “E, a pro­pó­si­to, são lu­tas”, diz com sor­ri­so irô­ni­co.

Lu­ta “Di­zem que ‘os fil­mes sem­pre es­ta­rão por aqui’. Mas vo­cê tem de lu­tar por is­so” Ja­mes Gray

DI­RE­TOR

FO­TOS 20TH CEN­TURY FOX

O as­tro. Co­mo o as­tro­nau­ta Roy McB­ri­de: en­tre as in­cer­te­zas da meia-ida­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.