Pa­ten­tes e saúde

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - JO­SÉ SER­RA SE­NA­DOR (PSDB-SP)

OCon­gres­so vem dis­cu­tin­do al­guns aper­fei­ço­a­men­tos na le­gis­la­ção bra­si­lei­ra so­bre di­rei­tos e obri­ga­ções re­la­ti­vos à pro­pri­e­da­de in­dus­tri­al – con­den­sa­dos na Lei de Pro­pri­e­da­de In­dus­tri­al (LPI). O de­ba­te en­vol­ve dis­po­si­ti­vos que com­pro­me­tem a sus­ten­ta­bi­li­da­de econô­mi­ca das po­lí­ti­cas de aqui­si­ção de me­di­ca­men­tos es­tra­té­gi­cos do Mi­nis­té­rio da Saúde. Um de­les é o pa­rá­gra­fo úni­co do ar­ti­go 40 da LPI, que per­mi­te a con­ces­são de pa­ten­tes no Bra­sil por um pra­zo de vi­gên­cia su­pe­ri­or ao que é es­ta­be­le­ci­do em ou­tros paí­ses e nos acor­dos in­ter­na­ci­o­nais so­bre di­rei­tos de pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al re­la­ci­o­na­dos ao co­mér­cio (Trips).

A ques­tão cen­tral des­sa agen­da é en­con­trar a equa­ção que ga­ran­ta um cer­to equi­lí­brio en­tre o aces­so uni­ver­sal e sus­ten­tá­vel aos me­di­ca­men­tos e a ne­ces­si­da­de de es­ti­mu­lar a pes­qui­sa por meio da con­ces­são de pa­ten­tes. No ca­so do se­tor far­ma­cêu­ti­co, sem dú­vi­da, a con­ces­são de uma pa­ten­te pre­ci­sa le­var em con­ta di­fe­ren­tes as­pec­tos da saúde da po­pu­la­ção.

Pa­ra co­me­çar, a de­man­da por re­mé­di­os não se re­duz (ou mui­to pou­co) di­an­te do au­men­to dos pre­ços – é re­la­ti­va­men­te ine­lás­ti­ca, co­mo di­zem os eco­no­mis­tas. Em mui­tos ca­sos, per­de-se a saúde ou a pró­pria vi­da pe­la fal­ta de aces­so a de­ter­mi­na­do me­di­ca­men­to. Há gran­de as­si­me­tria de in­for­ma­ções en­tre consumidor­es e pro­du­to­res na saúde: aque­les de­pen­dem des­tes pa­ra ob­ter pres­cri­ção so­bre o ti­po e frequên­cia de uso dos me­di­ca­men­tos.

Os eco­no­mis­tas mais li­ga­dos à cor­ren­te li­be­ral, com o aus­tría­co Fri­e­dri­ch Hayek à frente, pos­tu­la­ram sem­pre que pa­ten­tes ten­dem a cri­ar ine­fi­ci­en­tes mo­no­pó­li­os. Num mun­do de es­cas­sez ma­te­ri­al, o mer­ca­do li­vre oti­mi­za­ria a alo­ca­ção de re­cur­sos com po­ten­ci­ais ga­nhos de efi­ci­ên­cia. Ao ga­ran­ti­rem di­rei­tos de pa­ten­tes, os go­ver­nos in­cen­ti­vam mo­no­pó­li­os, que são con­tra­di­tó­ri­os com os prin­cí­pi­os de mer­ca­do, pro­vo­can­do ine­fi­ci­ên­cia econô­mi­ca nos se­to­res pro­te­gi­dos.

Se­ria acei­tá­vel a su­pres­são tem­po­rá­ria da li­vre con­cor­rên­cia pa­ra es­ti­mu­lar ino­va­ções, des­de que as nor­mas que re­gem a con­ces­são de pa­ten­tes se­jam con­tor­na­das por cer­tos re­qui­si­tos. Os pa­drões mí­ni­mos de pro­te­ção ad­mi­nis­tra­ti­va e ju­di­ci­al da pro­pri­e­da­de in­dus­tri­al es­tão de­fi­ni­dos no acor­do Trips, que con­so­li­dou en­ten­di­men­tos ob­ti­dos nas ro­da­das de ne­go­ci­a­ção da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC), ini­ci­a­das em 1986 no Uruguai, e acei­tos pe­las de­le­ga­ções de paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to li­de­ra­das por Bra­sil e Ín­dia.

É pre­ci­so le­var em con­ta, po­rém, que a le­gis­la­ção bra­si­lei­ra ex­tra­po­la em al­guns as­pec­tos as nor­mas es­ta­be­le­ci­das no Trips, a des­pei­to de o Bra­sil tê­lo ra­ti­fi­ca­do com a edi­ção do De­cre­to Le­gis­la­ti­vo n.º 30, em 1994. De acor­do com os ter­mos acor­da­dos na OMC, o pra­zo má­xi­mo de uma pa­ten­te de­ve­ria ser 20 anos. O ar­ti­go 40 da nos­sa lei so­bre pro­pri­e­da­de in­dus­tri­al tam­bém es­ta­be­le­ce es­se pra­zo má­xi­mo. No en­tan­to, e aqui co­me­ça o pro­ble­ma, o pa­rá­gra­fo úni­co des­se mes­mo ar­ti­go cri­ou um pe­río­do mí­ni­mo de vi­gên­cia das pa­ten­tes de dez anos que co­me­ça a con­tar a par­tir da con­ces­são da pa­ten­te pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pro­pri­e­da­de In­dus­tri­al (In­pi).

Es­se pa­rá­gra­fo úni­co vi­rou a re­gra. O ca­put, a ex­ce­ção. Quan­do o pro­ces­so de con­ces­são de uma determinad­a pa­ten­te de­mo­ra mais de dez anos pa­ra ser con­cluí­do pe­lo In­pi, o pe­río­do de 20 anos, pre­vis­to no Acor­do Trips, é ex­tra­po­la­do. Is­so se ve­ri­fi­ca em 92% dos ca­sos. Por is­so mes­mo a ex­ce­ção ten­deu qua­se sem­pre a vi­rar re­gra.

Um pra­zo mai­or de vi­gên­cia das pa­ten­tes for­ta­le­ce efei­tos an­ti­com­pe­ti­ti­vos e lu­cros ex­tra­or­di­ná­ri­os pa­ra a in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca, sem con­tra­par­ti­da jus­ta pa­ra a so­ci­e­da­de. O alar­ga­men­to dos di­rei­tos de pro­pri­e­da­de in­dus­tri­al im­pe­de o lan­ça­men­to de me­di­ca­men­tos ge­né­ri­cos, em fa­vor da po­pu­la­ção, que pre­ci­sa de re­mé­di­os con­fiá­veis a pre­ços aces­sí­veis. Ti­ve uma ex­pe­ri­ên­cia in­ten­sa nes­sa ma­té­ria quan­do no Mi­nis­té­rio da Saúde.

Re­cen­te pes­qui­sa da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro ana­li­sou os cus­tos po­ten­ci­ais pa­ra o Sis­te­ma Úni­co de Saúde (SUS) as­so­ci­a­dos às pa­ten­tes de me­di­ca­men­tos que ti­ve­ram vi­gên­cia mai­or que 20 anos. A par­tir de uma ava­li­a­ção de­ta­lha­da das com­pras de no­ve me­di­ca­men­tos de 2014 a 2018 pe­lo Mi­nis­té­rio da Saúde, o es­tu­do apon­ta que o go­ver­no des­per­di­çou no pe­río­do R$ 3,8 bi­lhões, ad­qui­rin­do pro­du­tos pa­ten­te­a­dos com pre­ços mais ele­va­dos que os pra­ti­ca­dos no mer­ca­do.

Re­pre­sen­tan­tes da in­dús­tria po­de­ri­am até ar­gu­men­tar que a de­mo­ra na con­clu­são dos pro­ces­sos de pe­di­do de pa­ten­tes jus­ti­fi­ca­ria pra­zo su­pe­ri­or a 20 anos. Mas es­sa te­se é du­vi­do­sa, uma vez que o pe­di­do re­gis­tra­do já ga­ran­te de cer­ta for­ma a ex­clu­si­vi­da­de na ex­plo­ra­ção co­mer­ci­al do pro­du­to a ser de­sen­vol­vi­do. Bas­ta ob­ser­var que nos­sa le­gis­la­ção as­se­gu­ra ao ti­tu­lar da pa­ten­te o di­rei­to de re­ce­ber in­de­ni­za­ção pe­la ex­plo­ra­ção in­de­vi­da de seu ob­je­to em re­la­ção à ex­plo­ra­ção re­a­li­za­da en­tre a da­ta da pu­bli­ca­ção do pe­di­do e a da con­ces­são da pa­ten­te.

Sem dú­vi­da, não é es­se pra­zo adi­ci­o­nal que ga­ran­ti­rá mai­or di­vul­ga­ção de co­nhe­ci­men­to nem in­tro­du­ção de mais pro­du­tos ino­va­do­res, em es­pe­ci­al na nos­sa in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca, que re­pre­sen­ta o sex­to mai­or mer­ca­do do mun­do. A re­vo­ga­ção do pra­zo adi­ci­o­nal de pa­ten­tes pre­vis­to na LPI cer­ta­men­te não fa­ria o in­ven­tor es­tran­gei­ro de­sis­tir de pa­ten­te­ar pro­du­tos far­ma­cêu­ti­cos num dos mai­o­res mer­ca­dos do pla­ne­ta – até por­que o Bra­sil tem bai­xa par­ti­ci­pa­ção nos de­pó­si­tos de pa­ten­tes so­li­ci­ta­das ao In­pi.

O Con­gres­so tem con­su­mi­do boa par­te do tem­po ava­li­an­do me­di­das pa­ra a re­to­ma­da do cres­ci­men­to econô­mi­co e de ajus­te fis­cal. Sem dú­vi­da, a so­ci­e­da­de apoia es­sas ten­ta­ti­vas. No en­tan­to, con­ti­nua de­man­dan­do tam­bém me­di­ca­men­tos es­sen­ci­ais pa­ra a saúde e o bem-es­tar so­ci­al. Es­sa de­man­da de re­mé­di­os ten­de a au­men­tar ain­da mais se as es­ta­tís­ti­cas que fun­da­men­ta­ram a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia com­pro­van­do o envelhecim­ento da po­pu­la­ção es­ti­ve­rem cor­re­tas. Nes­se sen­ti­do, pa­ten­tes e saúde pública tam­bém de­vem ocu­par par­te pri­o­ri­tá­ria da agen­da do Po­der Le­gis­la­ti­vo.

É pre­ci­so equi­li­brar o aces­so uni­ver­sal a me­di­ca­men­tos e o es­tí­mu­lo à pes­qui­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.