No­vo pro­cu­ra­dor-ge­ral re­for­ça pa­pel de ‘fis­cal da lei’ do MPF

O Estado de S. Paulo - - Política - Clau­dio Lan­groi­va Pe­rei­ra PRO­FES­SOR DE DI­REI­TO CONS­TI­TU­CI­O­NAL NA PUC-SP

Em sua sa­ba­ti­na no Se­na­do, Au­gus­to Aras não te­ve re­ceio de en­fren­tar os pro­ble­mas gra­ves que exis­tem no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Apon­tou a ne­ces­si­da­de de cor­re­ções na Ope­ra­ção La­va Ja­to, o que faz par­te do pa­pel ins­ti­tu­ci­o­nal do pró­prio Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Co­mo “fis­cal da lei”, o MPF tem por obri­ga­ção ze­lar pa­ra que to­dos os seus in­te­gran­tes, in­clu­si­ve os da for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to, não in­cor­ram em ile­ga­li­da­des e ir­re­gu­la­ri­da­des, sen­do a cor­re­ção de dis­tor­ções e ex­ces­sos an­ti­de­mo­crá­ti­cos uma obri­ga­ção do che­fe da ins­ti­tui­ção.

A co­ra­gem de as­su­mir e cor­tar na “pró­pria car­ne”, quan­do des­ta­ca a exis­tên­cia de um sis­te­ma con­ta­mi­na­do por “fi­si­o­lo­gis­mo, cli­en­te­lis­mo e o ‘to­ma lá, dá cá’”, no pró­prio Mi­nis­té­rio Pú­bli­co já de­mons­tra que po­de­mos es­pe­rar mu­dan­ças nos “ho­lo­fo­tes”, que tan­to ser­vi­ram aos in­te­gran­tes da La­va Ja­to. An­dou bem o no­vo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca quan­do de­cla­rou apoio à der­ru­ba­da dos ve­tos pre­si­den­ci­ais à Lei de Abu­so de Au­to­ri­da­de, com des­ta­que à sua po­si­ção con­trá­ria à mu­dan­ça nas ex­clu­den­tes de ili­ci­tu­de. Is­so de­mons­tra in­de­pen­dên­cia e se­gu­ran­ça, o que se es­pe­ra de to­das as au­to­ri­da­des su­jei­tas à pró­pria lei em ques­tão.

Co­mo era es­pe­ra­do, se­guiu de­fen­den­do a atu­a­ção do MP jun­to ao Co­af, ape­sar de sa­ber que exa­ta­men­te es­ta for­ma de atu­ar ge­rou a sus­pen­são de to­dos os pro­ces­sos e inqué­ri­tos des­se ti­po de ca­so, em ra­zão de ques­ti­o­na­men­tos de ile­ga­li­da­de e in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de atu­al­men­te em julgamento no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

Não exis­te ir­re­gu­la­ri­da­de ou ile­ga­li­da­de na in­di­ca­ção de Aras pa­ra o car­go, mes­mo ao não cons­tar na lis­ta trí­pli­ce elei­ta. A in­di­ca­ção é um ato de li­vre es­co­lha do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. A lis­ta trí­pli­ce é uma su­ges­tão da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca, ba­se­a­da em pre­vi­sões que exis­tem pa­ra o pre­en­chi­men­to de car­gos em ou­tros Po­de­res. Não é o ca­so do MPF, que faz par­te do Po­der Exe­cu­ti­vo.

A es­co­lha de Aras foi um ato de fo­ro ín­ti­mo, e o pre­si­den­te es­tá li­vre pa­ra fa­zê-la. Es­se é um dos cus­tos da de­mo­cra­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.