Uma in­dí­ge­na ‘you­tu­ber’ do Xin­gu na co­mi­ti­va bra­si­lei­ra

Levada por co­mi­ti­va de Bol­so­na­ro à As­sem­blei­aGe­ral da ONU, Ysa­ni há seis anos exal­ta­va Ra­o­ni, al­vo do atu­al go­ver­no

O Estado de S. Paulo - - Política - Fer­nan­da Bol­drin Lu­cas Bó­li­co ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO / CUI­A­BÁ / CO­LA­BO­ROU CA­MI­LA TURTELLI

Pou­co mais de seis anos se­pa­ram o dis­cur­so do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro du­ran­te a aber­tu­ra da 74.ª As­sem­bleia-Ge­ral da ONU da par­ti­ci­pa­ção de Ysa­ni Ka­la­pa­lo em ses­são na Câ­ma­ra pa­ra ho­me­na­ge­ar os po­vos in­dí­ge­nas. An­te­on­tem, Ysa­ni foi ci­ta­da no pro­nun­ci­a­o­men­to de Bol­so­na­ro co­mo uma li­de­ran­ça in­dí­ge­na emer­gen­te, de­pois de o pre­si­den­te ata­car o ca­ci­que Ra­o­ni, do po­vo Cai­a­pó. “Aca­bou o mo­no­pó­lio do se­nhor Ra­o­ni”, dis­se Bol­so­na­ro, que con­vi­dou Ysa­ni pa­ra in­te­grar a co­mi­ti­va do go­ver­no em No­va York. Em abril de 2013, fa­lan­do da tri­bu­na da Câ­ma­ra, Ysa­ni exal­tou jus­ta­men­to a li­de­ran­ça de Ra­o­ni.

Co­mo os in­te­gran­tes tra­di­ci­o­nais de sua cul­tu­ra não con­tam a ida­de nem co­me­mo­ram ani­ver­sá­rio, Ysa­ni cal­cu­la ter 28 anos. Ela nas­ceu nu­ma fa­mí­lia com seis ir­mãos na al­deia de Tehuhun­gu, no Al­to Xin­gu (MT), e ga­nhou projeção de­pois de fun­dar e pre­si­dir o Mo­vi­men­to In­dí­ge­nas em Ação. Mas a po­pu­la­ri­da­de veio com seu canal no You­Tu­be, que con­ta ho­je com 280 mil ins­cri­tos. Ela se au­to­de­fi­ne co­mo “a in­dí­ge­na do sé­cu­lo 21” e usa o canal pa­ra fa­lar so­bre “a cu­ri­o­si­da­de in­dí­ge­na e ou­tras coi­sas que os ou­vin­tes pe­dem”.

No co­me­ço, as pos­ta­gem abor­da­vam o co­ti­di­a­no nas al­dei­as e fo­ram se po­li­ti­zan­do com o tem­po. Seus pri­mei­ros ví­de­os mos­tram dan­ças dos Kui­ku­ros e ima­gens pes­so­ais, co­mo na pu­bli­ca­ção “Ín­dia Ysa­ni ba­gun­çan­do os ca­be­los”. De­pois dis­so, já opi­nou so­bre a biografia de Car­los Ma­righel­la e o re­gi­me de Ni­co­lás Ma­du­ro na Ve­ne­zu­e­la e en­tre­vis­tou Bol­so­na­ro pa­ra seu canal.

Em pu­bli­ca­ção fei­ta no úl­ti­mo dia 17, an­te­ce­den­do a vi­a­gem a No­va York, ela es­co­lheu Ra­o­ni co­mo al­vo. “Tem um cer­to ca­ci­que que a gen­te vê mui­to na mí­dia. Um cer­to ca­ci­que que se diz re­pre­sen­tan­te de to­dos os po­vos do Xin­gu. O que não é ver­da­de”, afir­mou. “O ca­ci­que Ra­o­ni é ca­ci­que da al­deia de­le. Ele fi­ca lá no bai­xo Xin­gu, não no al­to Xin­gu, não é le­gal vo­cê fa­lar por to­do o Xin­gu”, dis­se a lí­der.

Dois di­as an­tes, Ysa­ni fez co­men­tá­ri­os so­bre as quei­ma­das na Amazô­nia – que ren­deu uma cri­se en­tre Bol­so­na­ro e go­ver­nos eu­ro­peus, que cri­ti­cam a atu­al po­lí­ti­ca am­bi­en­tal do go­ver­no. A lí­der isen­tou o go­ver­no de res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo fo­go no flo­res­ta. Se­gun­do ela, “nes­ta épo­ca do ano, os po­vos in­dí­ge­nas fa­zem ro­ças nas al­dei­as, quei­mam pa­ra ‘lim­par a ter­ra’ e de­pois plan­tar”. “Por ve­zes, no en­tan­to, o ven­to aca­ba le­van­do o fo­go pa­ra ou­tros lu­ga­res”, de­cla­rou.

‘Pres­tí­gio’. Bol­so­na­ro usou boa par­te do seu dis­cur­so na ONU pa­ra re­ba­ter crí­ti­cas de paí­ses es­tran­gei­ros à po­lí­ti­ca am­bi­en­tal do go­ver­no, di­zen­do ver in­te­res­ses fi­nan­cei­ros nes­ses ques­ti­o­na­men­tos. Du­ran­te a fa­la, apro­vei­tou pa­ra ci­tar Ysa­ni, que, se­gun­do o pre­si­den­te, “go­za da con­fi­an­ça e do pres­tí­gio das li­de­ran­ças in­dí­ge­nas in­te­res­sa­das em de­sen­vol­vi­men­to, em­po­de­ra­men­to e pro­ta­go­nis­mo”.

No en­tan­to, sua es­co­lha pa­ra in­te­grar a de­le­ga­ção bra­si­lei­ra fi­cou lon­ge de ser con­sen­so. Em car­ta pública, li­de­ran­ças de 16 po­vos ha­bi­tan­tes do pró­prio Xin­gu de­cla­ra­ram en­xer­gar des­res­pei­to à au­to­no­mia das or­ga­ni­za­ções dos po­vos in­dí­ge­nas na in­di­ca­ção de­la co­mo re­pre­sen­tan­te em even­tos na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais.

“O go­ver­no bra­si­lei­ro, não se con­ten­tan­do com os ata­ques aos po­vos in­dí­ge­nas do Bra­sil, ago­ra quer le­gi­ti­mar sua po­lí­ti­ca an­ti-in­dí­ge­na usan­do uma fi­gu­ra in­dí­ge­na sim­pa­ti­zan­te de su­as ide­o­lo­gi­as ra­di­cais com a in­ten­ção de con­ven­cer a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal de sua po­lí­ti­ca co­lo­ni­a­lis­ta e et­no­ci­da”, diz o do­cu­men­to.

An­tes de se apro­xi­mar do bol­so­na­ris­mo, ela te­ve boa re­la­ção com po­lí­ti­cos da es­quer­da. No mes­mo ano em que de­fen­deu Ra­o­ni na Câ­ma­ra, elo­gi­ou o en­tão de­pu­ta­do Je­an Wyllys, du­ran­te o 10.º Se­mi­ná­rio LGBT no Con­gres­so Na­ci­o­nal. “Acom­pa­nho a lu­ta de­le há mui­to tem­po”, dis­se a in­dí­ge­na, com­pa­ran­do o pre­con­cei­to a ho­mos­se­xu­ais ao so­fri­men­to de in­dí­ge­nas du­ran­te a co­lo­ni­za­ção do País.

Con­gres­so. On­tem, Ysa­ni e Ra­o­ni fo­ram re­ce­bi­dos na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. Par­la­men­ta­res da opo­si­ção ao go­ver­no le­va­ram o ca­ci­que pa­ra um en­con­tro com o pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ). Já o lí­der do go­ver­no, de­pu­ta­do Ma­jor Vi­tor Hu­go (PSLGO), re­ce­beu Ysa­ni.

No Con­gres­so, Ysa­ni de­fen­deu Bol­so­na­ro. “Acei­tei es­se con­vi­te de Bol­so­na­ro (pa­ra ir à ONU) pa­ra mos­trar o ou­tro la­do que mui­tos não co­nhe­cem, que são os po­vos in­dí­ge­nas do sé­cu­lo 21.” Pa­ra ela, os in­dí­ge­nas têm di­rei­to de que­rer sua in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra.

Ra­o­ni, por sua vez, re­ba­teu de­cla­ra­ção do pre­si­den­te fei­ta na ONU, se­gun­do a qual o ca­ci­que ser­ve de “pe­ça da ma­no­bra por go­ver­nos es­tran­gei­ros na guer­ra in­for­ma­ci­o­nal pa­ra avan­çar seus in­te­res­ses na Amazô­nia”. “O Bol­so­na­ro fa­lou que eu não sou uma li­de­ran­ça, mas é ele quem não é uma li­de­ran­ça e tem de sair”, afir­mou o ca­ci­que.

INS­TA­GRAM/ YSA­NI KA­LA­PA­LO

ONU. Lí­der Ysa­ni Ka­la­pa­lo com Edu­ar­do Bol­so­na­ro, mi­nis­tros e a pri­mei­ra-da­ma Mi­chel­le

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.