O NO­VO FAZ-TU­DO DO PRE­SI­DEN­TE

Ex-pre­fei­to de NY vi­rou es­cu­dei­ro de Trump

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - / NYT e WPOST

Os úl­ti­mos es­cân­da­los de Do­nald Trump co­lo­ca­ram sob os ho­lo­fo­tes seu ad­vo­ga­do pes­so­al do pre­si­den­te, Ru­dolph Giu­li­a­ni. Des­de o co­me­ço do ano, Giu­li­a­ni se tor­nou uma es­pé­cie de Mi­cha­el Cohen, ex-ad­vo­ga­do e faz-tu­do que rom­peu com o pre­si­den­te.

Giu­li­a­ni é res­pon­sá­vel por ex­plo­rar o re­la­ci­o­na­men­to dos EUA com a Ucrâ­nia, se­gun­do fun­ci­o­ná­ri­os do go­ver­no ame­ri­ca­no. Vá­ri­os as­ses­so­res de­mons­tra­ram pre­o­cu­pa­ção com o ca­mi­nho da re­la­ção en­tre os dois paí­ses após re­por­ta­gens e en­tre­vis­tas em que Giu­li­a­ni, de­fen­de opi­niões que não são par­te da po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça dos EUA.

Giu­li­a­ni pa­re­ce ter iden­ti­fi­ca­do em Vo­lo­di­mir Ze­lens­ki, pre­si­den­te ucra­ni­a­no, um neó­fi­to po­lí­ti­co, um po­ten­ci­al ali­a­do pa­ra en­con­trar mu­ni­ção con­tra o ex-vi­ce-pre­si­den­te Joe Bi­den. Após a con­clu­são da in­ves­ti­ga­ção do pro­cu­ra­dor es­pe­ci­al, Ro­bert Mu­el­ler, so­bre o pa­pel da Rús­sia nas elei­ções de 2016, Giu­li­a­ni vol­tou sua aten­ção pa­ra a Ucrâ­nia.

Ele ti­nha seus pró­pri­os emis­sá­ri­os que es­ta­vam se reu­nin­do com au­to­ri­da­des, or­ga­ni­zan­do reu­niões pa­ra ele e en­vi­an­do in­for­ma­ções que ele po­de­ria usar nos EUA. A embaixador­a ame­ri­ca­na na Ucrâ­nia, Ma­rie Yo­va­no­vit­ch, tor­nou-se o prin­ci­pal al­vo de Giu­li­a­ni. Fun­ci­o­ná­ria de car­rei­ra do De­par­ta­men­to de Es­ta­do, ela foi acu­sa­da de di­vul­gar in­for­ma­ções com­pro­me­te­do­ras so­bre mem­bros do go­ver­no com ne­gó­ci­os na Ucrâ­nia – co­mo o ex-che­fe de cam­pa­nha Paul Ma­na­fort.

Giu­li­a­ni ma­no­brou pa­ra re­ti­rar Yo­va­no­vit­ch de Ki­ev. Pou­cos di­as de­pois de sua que­da, em 9 de maio, o ad­vo­ga­do de Trump as­su­miu um pa­pel di­plo­má­ti­co não au­to­ri­za­do, anun­ci­an­do pla­nos de vi­a­jar pa­ra a Ucrâ­nia pa­ra pres­si­o­nar por in­ves­ti­ga­ções que “se­ri­am mui­to úteis” pa­ra o pre­si­den­te. Giu­li­a­ni can­ce­lou a vi­a­gem em meio às re­a­ções ne­ga­ti­vas, mas se en­con­trou com um dos prin­ci­pais as­ses­so­res de Ze­lens­ki em Ma­dri e pres­si­o­nou pe­la aju­da da Ucrâ­nia con­tra Bi­den.

Em Washing­ton, fun­ci­o­ná­ri­os do go­ver­no, de fo­ra do cír­cu­lo mais pró­xi­mo de Trump, es­ta­vam cons­ter­na­dos com a de­po­si­ção de Yo­va­no­vit­ch e re­a­gi­ram com cres­cen­te alar­me às ati­vi­da­des de Giu­li­a­ni. O en­tão con­se­lhei­ro de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal John Bol­ton fi­cou in­dig­na­do com o que cha­mou de “ter­cei­ri­za­ção de um re­la­ci­o­na­men­to com um país que lu­ta pa­ra so­bre­vi­ver à agressão rus­sa”.

Em en­tre­vis­ta à Fox News, na ter­ça-fei­ra, Giu­li­a­ni dis­se que ha­via si­do re­cru­ta­do pe­lo De­par­ta­men­to de Es­ta­do pa­ra in­ter­vir na ques­tão da Ucrâ­nia. “Vo­cê sa­be o que eu fiz e a pe­di­do de quem? O De­par­ta­men­to de Es­ta­do”, dis­se ele, se­gu­ran­do o ce­lu­lar pa­ra in­di­car que os re­gis­tros de cha­ma­das apoi­a­ri­am sua afir­ma­ção.

ANGELA WEISS / AFP

Apoio. Giu­li­a­ni: li­nha de frente da de­fe­sa do pre­si­den­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.