John­son re­jei­ta pe­dir no­va da­ta pa­ra o Bre­xit

Par­la­men­to apro­va lei que obri­ga pre­miê a ne­go­ci­ar no­va da­ta se não hou­ver pac­to pa­ra saí­da da UE

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - LON­DRES /

Em um dis­cur­so ao Par­la­men­to bri­tâ­ni­co – que re­to­mou su­as ati­vi­da­des on­tem por de­ci­são da Su­pre­ma Cor­te, após ser sus­pen­so pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro – Bo­ris John­son dis­se que não bus­ca­rá um adi­a­men­to do Bre­xit mes­mo com a lei apro­va­da que o for­ça a fa­zê-lo.

O dis­cur­so mar­cou in­co­e­rên­cia com de­cla­ra­ções an­te­ri­o­res do pre­miê, nas quais ele pro­me­tia cum­prir a lei e o Rei­no Uni­do dei­xa­ria a União Eu­ro­peia na da­ta pre­vis­ta – 31 de ou­tu­bro. Se­gun­do a le­gis­la­ção apro­va­da pe­los par­ti­dos de opo­si­ção an­tes da sus­pen­são do Par­la­men­to, o go­ver­no é obri­ga­do a pe­dir um adi­a­men­to se um acor­do de se­pa­ra­ção não for al­can­ça­do com Bru­xe­las até o dia 19 de ou­tu­bro. Qu­es­ti­o­na­do no Par­la­men­to se ele po­de­ria bus­car ex­ten­são pa­ra o dia 31 de ja­nei­ro, ele res­pon­deu que não.

Na ten­sa ses­são no Par­la­men­to, um pri­mei­ro-mi­nis­tro ir­re­du­tí­vel de­sa­fi­ou os gri­tos de “re­nún­cia” de seus ad­ver­sá­ri­os. En­tre gri­tos, ges­tos rai­vo­sos e re­pe­ti­das cha­ma­das de “or­dem” na Câ­ma­ra dos Co­muns, John­son de­fen­deu en­fa­ti­ca­men­te seus es­for­ços pa­ra re­ti­rar o Rei­no Uni­do do blo­co co­mo pre­vis­to, com ou sem acor­do.

“Eu di­go que é ho­ra de fa­zer acon­te­cer o Bre­xit”, de­cla­rou, acu­san­do seus opo­nen­tes de ten­tar frus­trar o de­se­jo dos bri­tâ­ni­cos, que em 2016 vo­ta­ram em mai­o­ria – 51% – a fa­vor de dei­xar o blo­co.

O lí­der do prin­ci­pal par­ti­do de opo­si­ção, o Tra­ba­lhis­ta, Je­remy Corbyn, afir­mou que John­son não es­tá mais ap­to pa­ra go­ver­nar e de­ve­ria ter a “hon­ra de re­nun­ci­ar”.

Em um mo­men­to du­ran­te seu in­fla­ma­do dis­cur­so, John­son re­cor­reu à me­mó­ria da de­pu­ta­da tra­ba­lhis­ta Jo Cox, as­sas­si­na­da uma se­ma­na an­tes do re­fe­ren­do do Bre­xit, em 2016. Na épo­ca, o ne­o­na­zis­ta Tho­mas Mair, de 53 anos, ati­rou e es­fa­que­ou a po­lí­ti­ca de 41 anos, mãe de dois fi­lhos pe­que­nos, no dis­tri­to elei­to­ral de­la em um cri­me que cho­cou o Rei­no Uni­do. O as­sas­si­no foi con­de­na­do à pri­são per­pé­tua. “A me­lhor ma­nei­ra de hon­rar a me­mó­ria de Jo Cox e unir o país de no­vo é re­a­li­zan­do o Bre­xit”, dis­se John­son, so­bre a par­la­men­tar, que fa­zia cam­pa­nha pe­la per­ma­nên­cia de seu país no blo­co. A re­fe­rên­cia à de­pu­ta­da ir­ri­tou ain­da mais seus co­le­gas da opo­si­ção.

Os mem­bros do Par­la­men­to acu­sam o pre­miê de des­res­pei­to às re­gras ju­rí­di­cas e de en­ga­nar a rai­nha Eli­za­beth II quan­do pe­diu que ela au­to­ri­zas­se a sus­pen­são do Par­la­men­to. Des­de en­tão, eles têm pres­si­o­na­do John­son pa­ra que se des­cul­pe, o que tem si­do com­ple­ta­men­te ig­no­ra­do pe­lo pre­miê. Ele dis­se dis­cor­dar do en­ten­di­men­to da Su­pre­ma Cor­te que con­si­de­rou a sus­pen­são do Par­la­men­to ile­gal.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro de­fen­de que uma no­va elei­ção é a úni­ca ma­nei­ra de des­blo­que­ar o “pa­ra­li­sa­do Par­la­men­to bri­tâ­ni­co”. “O Par­la­men­to de­ve­ria sair do ca­mi­nho e dei­xar es­se go­ver­no re­sol­ver o Bre­xit ou vo­tar uma mo­ção de con­fi­an­ça e fa­zer um acer­to de con­tas com os elei­to­res”, dis­se.

Uma mo­ção de não con­fi­an­ça der­ru­ba­ria o go­ver­no ape­nas dois me­ses após seu iní­cio e le­va­ria a no­vas elei­ções. Mas a opo­si­ção e al­guns con­ser­va­do­res re­bel­des afir­mam que apoi­a­rão no­vas elei­ções ape­nas se não hou­ver um acor­do com Bru­xe­las.

John­son quer con­vo­car elei­ções le­gis­la­ti­vas an­te­ci­pa­das, pois per­deu a mai­o­ria ab­so­lu­ta após a re­be­lião de 21 de seus de­pu­ta­dos con­ser­va­do­res. O pri­mei­ro-mi­nis­tro afir­ma ter in­ten­si­fi­ca­do as ne­go­ci­a­ções com a UE em bus­ca de um acor­do, mas os lí­de­res eu­ro­peus di­zem que o Rei­no Uni­do não apre­sen­tou ne­nhu­ma pro­pos­ta viá­vel.

JESSICA TAY­LOR/AP

Pres­são. Pre­miê discursou em meio a gri­tos de ‘re­nún­cia’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.