Pro­je­to que am­plia isen­ção de PMs em mortes é bar­ra­do

Su­ge­ri­da por Mo­ro, pos­si­bi­li­da­de de re­du­ção ou fim de pe­na a po­li­ci­al, o cha­ma­do ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de, não avan­ça na Câ­ma­ra

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Ma­ri­a­na Hau­bert / BRA­SÍ­LIA

O gru­po de de­pu­ta­dos que analisa um dos pro­je­tos do pa­co­te an­ti­cri­me do mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sérgio Mo­ro, re­ti­rou do tex­to a cha­ma­da ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de, ou se­ja, a pos­si­bi­li­da­de de re­du­ção ou mes­mo isen­ção de pe­na a po­li­ci­ais que cau­sa­rem mor­te du­ran­te a ati­vi­da­de ou pa­ra ci­vis que co­me­te­rem ex­ces­sos sob o pre­tex­to de es­cu­sá­vel me­do, sur­pre­sa ou vi­o­len­ta emo­ção. O tre­cho foi der­ru­ba­do por 9 vo­tos a 5.

A me­di­da foi pro­me­ti­da pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro ain­da na cam­pa­nha elei­to­ral. Ela foi in­cluí­da pe­lo mi­nis­tro da Jus­ti­ça em seu pa­co­te an­ti­cri­me, ao la­do de uma sé­rie de al­te­ra­ções na le­gis­la­ção que vi­sa­va a en­du­re­cer o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de. O pro­je­to foi apre­sen­ta­do em fe­ve­rei­ro à Câ­ma­ra.

A po­lê­mi­ca em tor­no des­sa ques­tão vol­tou à to­na após o as­sas­si­na­to da me­ni­na Ágatha Vi­tó­ria Sa­les Fé­lix, de 8 anos, ba­le­a­da no Com­ple­xo do Ale­mão, no Rio de Ja­nei­ro, na se­ma­na pas­sa­da. Fa­mi­li­a­res acu­sa­ram po­li­ci­ais de te­rem da­do o ti­ro fa­tal. No fim de se­ma­na, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), afir­mou que a ques­tão de­ve­ria ser tra­ta­da com cui­da­do e cri­té­rio. “É um ins­tru­men­to pe­ri­go­so.”

O gru­po vi­nha dis­cu­tin­do uma al­ter­na­ti­va ao tex­to pro­pos­to por Mo­ro pa­ra am­pli­ar as ga­ran­ti­as le­gais aos po­li­ci­ais em ca­sos de con­fron­to, mas sem cor­rer o ris­co de “dar um che­que em bran­co” pa­ra ma­tar, mas após o ca­so do fim de se­ma­na, par­la­men­ta­res con­si­de­ra­ram im­pos­sí­vel abran­dar a ques­tão. A der­ru­ba­da da ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de já era da­da co­mo cer­ta até por de­fen­so­res da me­di­da, co­mo o re­la­tor do pro­je­to, Ca­pi­tão Au­gus­to (PL-SP). Ele acre­di­ta que a ques­tão po­de­rá ser re­to­ma­da na vo­ta­ção em ple­ná­rio “por am­pla mai­o­ria”. Já o de­pu­ta­do Or­lan­do Sil­va (PC­doB-SP) dis­se du­vi­dar des­sa pos­si­bi­li­da­de e ga­ran­tiu que a mai­o­ria dos par­la­men­ta­res da Ca­sa man­te­rá a de­ci­são.

Au­tor da emen­da apro­va­da pa­ra su­pri­mir o tre­cho so­bre a ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de, o de­pu­ta­do Mar­ce­lo Frei­xo (Psol-RJ) afir­mou du­ran­te a dis­cus­são que a ques­tão va­le­ria tan­to pa­ra po­li­ci­ais qu­an­to pa­ra ci­vis. “Qual a con­tri­bui­ção que da­ría­mos à so­ci­e­da­de ao apro­var is­so? A le­gis­la­ção atu­al já dá se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca aos po­li­ci­ais.”

O de­pu­ta­do Ca­pi­tão Au­gus­to (PL-SP) fez um ape­lo aos co­le­gas pa­ra que o tre­cho fos­se man­ti­do no pro­je­to. “É pa­ra que, quem agiu em le­gí­ti­ma de­fe­sa, que é a ví­ti­ma, que ele não se­ja pu­ni­do pe­lo ex­ces­so.”

Os de­pu­ta­dos tam­bém re­ti­ra­ram a pos­si­bi­li­da­de de se con­si­de­rar co­mo le­gí­ti­ma de­fe­sa os ca­sos em que um agen­te de se­gu­ran­ça, em con­fli­to ar­ma­do ou em ris­co imi­nen­te de con­fli­to ar­ma­do, pre­vi­ne in­jus­ta e imi­nen­te agressão a di­rei­to seu ou de ou­tra pes­soa. Os par­la­men­ta­res, po­rém, man­ti­ve­ram a prer­ro­ga­ti­va de le­gí­ti­ma de­fe­sa pa­ra o agen­te de se­gu­ran­ça pública que re­pe­lir agressão ou ris­co de agressão à ví­ti­ma man­ti­da re­fém du­ran­te a prá­ti­ca de cri­mes. Pe­la lei atu­al, o po­li­ci­al de­ve aguar­dar uma ame­a­ça con­cre­ta ou o iní­cio do cri­me pa­ra en­tão re­a­gir. Pa­ra Mo­ro, a pro­pos­ta di­mi­nui a sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça na atu­a­ção po­li­ci­al.

REILA MARIA AGENCIA CAMARA

Emen­da. Gru­po dis­cu­tia al­ter­na­ti­va ao tex­to, mas mu­dou de po­si­ção após a mor­te no Rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.