Ní­vel do mar au­men­ta 2,5 ve­zes mais ra­pi­da­men­te, diz re­la­tó­rio

Do­cu­men­to da ONU alerta pa­ra ris­cos das mu­dan­ças cli­má­ti­cas; po­pu­la­ções cos­tei­ras são as mais vul­ne­rá­veis

O Estado de S. Paulo - - Metrópole -

O ní­vel dos oce­a­nos au­men­tou 2,5 ve­zes mais ra­pi­da­men­te no iní­cio do sé­cu­lo 21, se com­pa­ra­do ao rit­mo de ele­va­ção do sé­cu­lo an­te­ri­or. Es­sa é uma das con­clu­sões de re­la­tó­rio do Pai­nel In­ter­go­ver­na­men­tal so­bre Mu­dan­ças Cli­má­ti­cas (IPCC, na si­gla em in­glês), apre­sen­ta­do on­tem. Pe­que­nas ilhas ame­a­ça­das de sub­mer­gir e ge­lei­ras que de­sa­pa­re­ce­ram são al­guns dos im­pac­tos das mu­dan­ças cli­má­ti­cas, já con­si­de­ra­das “ir­re­ver­sí­veis” pe­lo gru­po de es­pe­ci­a­lis­tas em cli­ma da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) res­pon­sá­vel pe­lo re­la­tó­rio.

Se­gun­do o es­tu­do, o ní­vel do mar po­de­rá su­bir mais de 1 me­tro até o ano de 2100 se for man­ti­do o atu­al au­men­to das tem­pe­ra­tu­ras glo­bais. Dois di­as de­pois da Cú­pu­la do Cli­ma, em No­va York, o re­la­tó­rio en­fa­ti­zou que as me­di­das pa­ra re­du­zir as emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa po­dem fa­zer gran­de di­fe­ren­ça. Ao re­du­zir es­sas emis­sões, as mu­dan­ças pre­ju­di­ci­ais aos oce­a­nos não pa­ra­ri­am su­bi­ta­men­te, mas di­mi­nui­ri­am. Des­sa for­ma, “ha­ve­ria mais pos­si­bi­li­da­des de con­ser­var ecos­sis­te­mas e per­mi­tir que se ga­nhas­se tem­po”, dis­se a cli­ma­to­lo­gis­ta Va­lé­rie Mas­son-Del­mot­te, que par­ti­ci­pou da ela­bo­ra­ção do do­cu­men­to do IPCC.

Se­gun­do o in­for­me, até me­a­dos do sé­cu­lo, mais de 1 bi­lhão de pes­so­as vi­ve­rão em áre­as cos­tei­ras bai­xas, vul­ne­rá­veis a inun­da­ções e ou­tros even­tos ex­tre­mos, po­ten­ci­a­li­za­dos pe­la ele­va­ção do ní­vel do mar e pe­las al­te­ra­ções cli­má­ti­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.