Co­mo re­du­zir a in­for­ma­li­da­de?

O Estado de S. Paulo - - Economia - JO­SÉ PASTORE CEL­SO MING. O co­lu­nis­ta vol­ta a es­cre­ver no dia 21/11/2019.

De mo­do prá­ti­co, te­nho con­si­de­ra­do in­for­mal o tra­ba­lho re­a­li­za­do sem pro­te­ções tra­ba­lhis­tas e/ou pre­vi­den­ciá­ri­as. A in­for­ma­li­da­de pre­ju­di­ca as pes­so­as que fi­cam de­sam­pa­ra­das nas si­tu­a­ções de ris­co (do­en­ça, acidente, gra­vi­dez, envelhecim­ento e mor­te). E pre­ju­di­ca as fi­nan­ças pú­bli­cas por­que au­men­tam as des­pe­sas pa­ra a as­sis­tên­cia so­ci­al. Na so­ci­e­da­de, a in­for­ma­li­da­de agra­va a po­bre­za, agra­va a de­si­gual­da­de e de­te­ri­o­ra o te­ci­do so­ci­al.

En­tre nós, o pro­ble­ma pi­o­rou nos úl­ti­mos anos. A mai­or par­te dos in­for­mais é for­ma­da por em­pre­ga­dos de em­pre­sas e de do­mi­cí­li­os e por tra­ba­lha­do­res por con­ta pró­pria. Há, ain­da, os que tra­ba­lham pa­ra pa­ren­tes e até em­pre­ga­do­res. Jun­ta­dos aos de­sem­pre­ga­dos (que per­dem pro­te­ções quan­do per­dem em­pre­go), os in­for­mais che­gam a 50 mi­lhões de bra­si­lei­ros – a me­ta­de da for­ça de tra­ba­lho.

É cla­ro que a for­ma­li­za­ção des­sas pes­so­as es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­da à de­man­da por tra­ba­lho ao vi­gor do cres­ci­men­to econô­mi­co. Mas, mes­mo nes­sa si­tu­a­ção, a in­for­ma­li­da­de tem se man­ti­do.

As me­di­das pa­ra re­du­zir a in­for­ma­li­da­de di­fe­rem. Os em­pre­ga­dos in­for­mais de em­pre­sa ou de do­mi­cí­lio fa­zem jus a pro­te­ções tra­ba­lhis­tas e pre­vi­den­ciá­ri­as. Os “con­ta pró­pria”, só à pre­vi­den­ciá­ria.

Vá­ri­os fa­to­res le­vam um em­pre­ga­dor a con­tra­tar na in­for­ma­li­da­de, en­tre eles o al­to cus­to da con­tra­ta­ção e da des­con­tra­ta­ção. No ca­so de uma in­dús­tria, por exem­plo, os cus­tos de con­tra­ta­ção so­mam 102,43% do sa­lá­rio. Dis­pen­sar um em­pre­ga­do com três anos de fir­ma e que ga­nha R$ 1 mil por mês, por exem­plo, cus­ta pa­ra a em­pre­sa R$ 7.220,00.

Ao fa­zer es­ses cál­cu­los, um em­pre­ga­dor só con­tra­ta for­mal­men­te quan­do tem pe­la frente uma de­man­da for­te e uma pro­du­ti­vi­da­de do tra­ba­lho su­pe­ri­or ao seu cus­to, o que lhe dá com­pe­ti­ti­vi­da­de.

No em­pre­go do­més­ti­co, de­pois da ele­va­ção dos en­car­gos de con­tra­ta­ção e des­con­tra­ta­ção tra­zi­da pe­la PEC 72 (2013), a in­for­ma­li­da­de au­men­tou 14%. Mui­tas fa­mí­li­as tro­ca­ram a em­pre­ga­da fi­xa por fa­xi­nei­ras di­a­ris­tas. Ho­je, mais de 70% das em­pre­ga­das do­més­ti­cas são in­for­mais.

Ain­da que ne­ces­sá­rio, re­du­zir en­car­gos de con­tra­ta­ção e des­con­tra­ta­ção é di­fi­cí­li­mo por­que a mai­or par­te de­cor­re de di­rei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais. Por is­so, há que pro­cu­rar mo­dos de pro­te­ger as pes­so­as em ou­tras mo­da­li­da­des de tra­ba­lho, co­mo o re­a­li­za­do por con­ta pró­pria.

Os “con­ta pró­pria” que se en­qua­dram no Pro­gra­ma do Mi­cro­em­pre­en­de­dor In­di­vi­du­al (MEI) têm bo­as pro­te­ções (apo­sen­ta­do­ria por ida­de e in­va­li­dez, au­xí­lio-do­en­ça, li­cen­ça-ma­ter­ni­da­de, pen­são por mor­te e au­xí­lio-re­clu­são). Co­mo o cus­to dos be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os es­tá ul­tra­pas­san­do em mui­to o va­lor da con­tri­bui­ção (R$ 50,90 men­sais), o MEI pre­ci­sa mu­dar. Além do mais, ape­nas 1/3 dos “con­ta pró­pria” é MEI e con­tri­bui de for­ma ir­re­gu­lar e ins­tá­vel. Os de­mais vi­vem na in­for­ma­li­da­de.

Com os de­sem­pre­ga­dos, os in­for­mais che­gam a 50 mi­lhões de bra­si­lei­ros – a me­ta­de da for­ça de tra­ba­lho

O gru­po dos “con­ta pró­pria” é bas­tan­te he­te­ro­gê­neo. Um ter­ço é for­ma­do por téc­ni­cos, con­sul­to­res, li­be­rais e pro­fis­si­o­nais que tra­ba­lham em ati­vi­da­des vi­a­bi­li­za­das pe­las no­vas tec­no­lo­gi­as que per­mi­tem o tra­ba­lho a dis­tân­cia, con­tí­nu­os ou ca­su­ais, em pla­ta­for­mas, por apli­ca­ti­vos, etc. Pa­ra es­tes, a Pre­vi­dên­cia So­ci­al ofe­re­ce o Pro­gra­ma de Con­tri­bui­ção Vo­lun­tá­ria, que é ca­ro – daí a bai­xa ade­são e a ne­ces­si­da­de de re­for­mu­la­ção.

Cer­ca de 2/3 são pes­so­as de pou­ca qua­li­fi­ca­ção, ren­da bai­xa e ins­tá­vel. Pa­ra pro­te­gê-las, há que cri­ar ou­tros pro­du­tos de pre­vi­dên­cia pri­va­da e se­gu­ros sociais em re­gi­me de ca­pi­ta­li­za­ção com alí­quo­tas ini­ci­ais bai­xas e que so­bem na me­di­da em que as pes­so­as pro­gri­dem na car­rei­ra e na ren­da.

São ino­va­ções que ga­nham ain­da mais for­ça com a re­to­ma­da do cres­ci­men­to econô­mi­co. PRO­FES­SOR DA FEA-USP, MEM­BRO DA ACA­DE­MIA PAU­LIS­TA DE LE­TRAS, É PRE­SI­DEN­TE DO CON­SE­LHO DE EM­PRE­GO E RE­LA­ÇÕES DO TRA­BA­LHO DA FECOMERCIO-SP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.