‘A cri­se da Amazô­nia foi des­ne­ces­sá­ria’

Pa­ra fun­da­dor da Ra­ci­o­nal, es­tran­gei­ros gos­tam dos ru­mos da eco­no­mia, mas es­tão em com­pas­so de es­pe­ra

O Estado de S. Paulo - - Economia negócios - Re­née Pe­rei­ra

O se­tor de cons­tru­ção, co­mo se sa­be, foi o prin­ci­pal atin­gi­do pe­la La­va Ja­to. Mes­mo em­pre­sas que não ti­ve­ram qual­quer en­vol­vi­men­to no es­cân­da­lo, co­mo a Ra­ci­o­nal En­ge­nha­ria, so­fre­ram. Fun­da­da em 1971, a cons­tru­to­ra viu seu fa­tu­ra­men­to ir de cer­ca de R$ 2 bi­lhões, em 2013, pa­ra R$ 700 mi­lhões, no ano pas­sa­do. Se­gun­do New­ton Si­mões, pre­si­den­te da Ra­ci­o­nal, há si­nais de me­lho­ria, com o au­men­to da de­man­da de pro­je­tos e es­tu­dos. Só que ruí­dos, prin­ci­pal­men­te cau­sa­dos pe­lo pró­prio go­ver­no, têm atra­pa­lha­do uma re­to­ma­da mais for­te. “Te­nho ou­vi­do de in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais que es­tão ado­ran­do o ca­mi­nho que o País es­tá fa­zen­do (na eco­no­mia), mas di­zem que o con­se­lho pe­de pa­ra es­pe­rar (de­ci­sões de in­ves­ti­men­to)”, diz ele. “A cri­se da Amazô­nia, por exem­plo, foi des­ne­ces­sá­ria. Não con­quis­ta­mos na­da com is­so”. A se­guir, tre­chos da en­tre­vis­ta.

Co­mo a Ra­ci­o­nal tem so­bre­vi­vi­do à cri­se?

En­tra­mos na cri­se de­pois de uma sé­rie de anos po­si­ti­vos, bas­tan­te ca­pi­ta­li­za­dos e sem dí­vi­da. Mas 2015 e 2016 fo­ram mui­to ruins. De­ci­di­mos con­ser­var ao má­xi­mo nos­so ca­pi­tal in­te­lec­tu­al, que é di­fí­cil de re­por. Es­te ano de­ve­mos fe­char em R$ 750 mi­lhões. Tão ce­do não va­mos ter a ren­ta­bi­li­da­de de 2013. Nem pos­so que­rer ter com um mer­ca­do al­ta­men­te de­pri­mi­do co­mo ho­je. Se en­co­lher de­mais, a com­pa­nhia per­de a es­sên­cia. En­tão, sa­cri­fi­ca­mos a ren­ta­bi­li­da­de.

Não há si­nal de re­to­ma­da? Es­ta­mos per­ce­ben­do au­men­to da de­man­da por propostas e es­tu­dos, mas ain­da sem efe­ti­va­ção e con­tra­ta­ção. É uma si­na­li­za­ção, mas ain­da há in­cer­te­zas, es­pe­ci­al­men­te pa­ra o in­ves­ti­dor que vem de fo­ra. A cri­se da Amazô­nia, por exem­plo, foi des­ne­ces­sá­ria. Não es­ta­mos con­quis­tan­do na­da com is­so. Te­nho ou­vi­do de in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais que es­tão ado­ran­do o Bra­sil, o ca­mi­nho do País ru­mo às pri­va­ti­za­ções, mas di­zem que o con­se­lho pe­de pa­ra es­pe­rar. Es­ta­mos fa­zen­do a li­ção de ca­sa no pla­no econô­mi­co e em in­fra­es­tru­tu­ra, mas não ve­jo for­te cres­ci­men­to em 2020 e 2021. A re­to­ma­da se­rá gra­du­al, prin­ci­pal­men­te por­que a mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma é mui­to gran­de.

Em que as­pec­to?

Não te­mos mais re­cur­sos abun­dan­tes do BNDES, do Ban­co do Nor­des­te, etc. A cri­se foi ter­rí­vel pa­ra o nos­so se­tor, mes­mo pa­ra quem não te­ve en­vol­vi­men­to com a La­va Ja­to. As em­pre­sas fi­ca­ram mui­to ma­chu­ca­das, não só as cons­tru­to­ras, mas to­da a ca­deia pro­du­ti­va. Mui­tas em­pre­sas en­tra­ram em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, fe­cha­ram as por­tas ou es­tão tre­men­da­men­te ma­chu­ca­das. Ho­je, te­mos de cui­dar da saúde fi­nan­cei­ra dos nos­sos for­ne­ce­do­res e ar­ru­mar fun­ding (re­cur­sos) pa­ra con­ti­nu­a­rem ope­ran­do. Te­mos fei­to coi­sas que nun­ca fi­ze­mos an­tes. Is­so aí não vai re­to­mar de uma ho­ra pa­ra a ou­tra. Po­de ser que o mer­ca­do co­me­ce a ofe­re­cer mais opor­tu­ni­da­de, mas co­mo va­mos exe­cu­tá-las com uma ca­deia pro­du­ti­va tão ma­chu­ca­da?

O sr. acre­di­ta que a La­va Ja­to re­du­zi­rá a cor­rup­ção no Bra­sil? Mu­dar uma cul­tu­ra de ne­gó­ci­os pra­ti­ca­da há tan­tos anos exi­ge tem­po. O pro­ces­so foi cons­truí­do em ci­ma da ine­fi­ci­ên­cia do Es­ta­do e da ne­ces­si­da­de de ren­ta­bi­li­da­de das em­pre­sas. Se o Es­ta­do não es­tá pre­pa­ra­do pa­ra fa­zer es­sa ges­tão, cria um am­bi­en­te pro­pí­cio pa­ra a de­te­ri­o­ra­ção de va­lo­res éti­cos. Não acho que o Bra­sil vai vi­rar uma Di­na­mar­ca. Não se mu­da cul­tu­ra ra­pi­da­men­te. Cul­tu­ra não dá ca­va­lo de pau. Vo­cê po­de me­xer na le­gis­la­ção, na Cons­ti­tui­ção e fa­zer re­for­mas, mas is­so é a par­te mais fá­cil – exa­ge­ran­do, é cla­ro – da trans­for­ma­ção. Mas os li­mi­tes des­se pro­ces­so fo­ram tão ex­pos­tos que a po­pu­la­ção pas­sou a co­nhe­cer uma coi­sa que não era tão pública. A po­pu­la­ção es­tá mais cons­ci­en­te e os po­lí­ti­cos pre­ci­sam sa­ber in­ter­pre­tar o que o po­vo quer. Es­se é o la­do po­si­ti­vo. Ago­ra não sei di­zer quan­do uma trans­for­ma­ção ocor­re­ria. Sou oti­mis­ta, mas com pé no chão. Não va­mos acre­di­tar em Pa­pai No­el.

Co­mo es­tá a car­tei­ra de pro­je­tos da Ra­ci­o­nal?

Es­ta­mos com um port­fó­lio de oi­to obras, sen­do cin­co pa­ra 2020. São em­ble­má­ti­cas, co­mo o Si­riús (pro­je­to de fon­te de luz sin­cro­ton) e o Cen­tro de En­si­no e Pes­qui­sa do Hos­pi­tal Is­ra­e­li­ta Al­bert Eins­tein. Nos­sa car­tei­ra es­tá em R$ 1,25 bi­lhão. A ex­pec­ta­ti­va é cres­cer 10% nes­te ano. Pa­re­ce pou­co, mas, com um PIB fra­co, é bas­tan­te.

O ju­ro bai­xo po­de aju­dar?

Há uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­mas, com um ce­ná­rio de ju­ros bai­xís­si­mos, in­fla­ção con­tro­la­da e re­for­mas em an­da­men­to. Es­sas re­for­mas são fun­da­men­tais pa­ra trans­for­mar o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os e, prin­ci­pal­men­te, re­sol­ver o en­co­lhi­men­to do Es­ta­do. Es­ta­mos bem po­si­ci­o­na­dos. A Ra­ci­o­nal se mo­de­lou em ci­ma dos atri­bu­tos que co­me­çam a ser mais im­por­tan­tes. Es­ta­mos oti­mis­tas com a no­va con­fi­gu­ra­ção do se­tor pri­va­do na eco­no­mia, ten­do mas pro­ta­go­nis­mo nes­se ci­clo.

É en­ge­nhei­ro ci­vil for­ma­do pe­la Es­co­la Po­li­téc­ni­ca da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP) e com pós gra­du­a­ção em ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sas na Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas. Em 1971, fun­dou a Ra­ci­o­nal En­ge­nha­ria, cons­tru­to­ra que atua no se­tor in­dus­tri­al, de shopping cen­ter e ou­tros em­pre­en­di­men­tos pri­va­dos.

TI­A­GO QU­EI­ROZ/ESTADÃO

Gra­du­al. Pa­ra Si­mões, mu­dar uma cul­tu­ra de ne­gó­ci­os pra­ti­ca­da há anos exi­ge tem­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.