Fa­ce­bo­ok põe as mãos na re­a­li­da­de vir­tu­al

Em­pre­sa re­ve­la tec­no­lo­gia que ras­treia as mãos; ao ‘Es­ta­do’, Mark Zuc­ker­berg diz mi­rar pla­ta­for­ma que subs­ti­tua smartpho­nes e PCs O JOR­NA­LIS­TA VI­A­JOU A MENLO PARK (EUA) A CON­VI­TE DO FA­CE­BO­OK

O Estado de S. Paulo - - Economia - Bru­no Ca­pe­las EN­VI­A­DO A MENLO PARK (EUA)

“Qu­an­to mais gen­te co­lo­car as mãos na re­a­li­da­de vir­tu­al, mais rá­pi­do a tec­no­lo­gia vai atin­gir mas­sa crí­ti­ca”

Mark Zuc­ker­berg

PRE­SI­DEN­TE EXE­CU­TI­VO DO FA­CE­BO­OK

O Fa­ce­bo­ok deu on­tem um im­por­tan­te pas­so pa­ra po­pu­la­ri­zar a re­a­li­da­de vir­tu­al: na aber­tu­ra da Ocu­lus Con­nect, even­to de­di­ca­do à tec­no­lo­gia em San Jo­sé, EUA, a em­pre­sa anun­ci­ou o de­sen­vol­vi­men­to de uma fer­ra­men­ta ca­paz de ras­tre­ar as mãos dos usuá­ri­os e in­se­ri-las den­tro de ex­pe­ri­ên­ci­as de imer­são. Quan­do a tec­no­lo­gia che­gar ao dis­po­si­ti­vo Ocu­lus Qu­est, no iní­cio de 2020, os usuá­ri­os po­de­rão in­te­ra­gir com as pró­pri­as mãos na re­a­li­da­de vir­tu­al, pres­cin­din­do de con­tro­les – o

que não era pos­sí­vel até aqui.

“É uma for­ma de in­te­ra­ção mais na­tu­ral”, diz Mark Zuc­ker­berg, pre­si­den­te exe­cu­ti­vo do Fa­ce­bo­ok, em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va ao Es­ta­do. A ideia é sim­ples: pa­ra mui­tas pes­so­as, co­lo­car ócu­los de re­a­li­da­de vir­tu­al na ca­ra e se­gu­rar con­tro­les chei­os de bo­tões po­de ser in­ti­mi­da­dor. Ao ser ca­paz de ras­tre­ar os mo­vi­men­tos das mãos e in­se­ri-los na ex­pe­ri­ên­cia de imer­são, o Fa­ce­bo­ok re­duz es­sa bar­rei­ra pe­la me­ta­de.

“Qu­an­to mais gen­te co­lo­car as mãos na re­a­li­da­de vir­tu­al, mais rá­pi­do a tec­no­lo­gia vai atin­gir mas­sa crí­ti­ca”, dis­se Zuc­ker­berg du­ran­te o even­to. Com mais consumidor­es, mais de­sen­vol­ve­do­res se in­te­res­sa­rão em cri­ar apli­ca­ções pa­ra a tec­no­lo­gia – que, por sua vez, atrai­rão mais consumidor­es. Es­se é um uni­ver­so ain­da pe­que­no: se­gun­do o Fa­ce­bo­ok, US$ 100 mi­lhões fo­ram gas­tos com con­teú­do des­de que a pla­ta­for­ma Ocu­lus foi lan­ça­da em 2016.

Além dis­so, a cap­tu­ra de ges­tos das mãos po­de fa­ci­li­tar a ado­ção da re­a­li­da­de vir­tu­al por em­pre­sas, uma vez que re­duz a quan­ti­da­de de dis­po­si­ti­vos ne­ces­sá­ri­os pa­ra trei­nar um fun­ci­o­ná­rio, por exem­plo.

Pas­so im­por­tan­te. Po­der en­ten­der os ges­tos das mãos do usuá­rio é um pas­so im­por­tan­te pa­ra o fu­tu­ro que o Fa­ce­bo­ok al­me­ja – o de cons­truir uma no­va pla­ta­for­ma de com­pu­ta­ção, ba­se­a­da “na pre­sen­ça e na in­te­ra­ção en­tre as pes­so­as”, e não mais em apli­ca­ti­vos ou ta­re­fas.

Ao Es­ta­do, Mark Zuc­ker­berg dis­se acre­di­tar que a re­a­li­da­de vir­tu­al e, prin­ci­pal­men­te, a re­a­li­da­de au­men­ta­da po­de­rão ser es­se no­vo sis­te­ma, ca­paz de su­plan­tar PCs e smartpho­nes.

É al­go, po­rém, que ain­da es­tá lon­ge de acon­te­cer: sem dar prazos es­pe­cí­fi­cos, An­drew Bosworth, que li­de­ra a área de re­a­li­da­de vir­tu­al e au­men­ta­da da em­pre­sa, con­fir­mou que a em­pre­sa tra­ba­lha no de­sen­vol­vi­men­to de ócu­los de re­a­li­da­de au­men­ta­da. Por eles, o usuá­rio po­de­rá en­xer­gar não só o mun­do à sua vol­ta, mas tam­bém uma ca­ma­da com­pu­ta­ci­o­nal pe­las len­tes – uma vi­são fu­tu­ris­ta, por exem­plo, se­ria en­xer­gar um te­cla­do vir­tu­al e um blo­co de no­tas à sua frente, pa­ra fa­zer ano­ta­ções du­ran­te uma reu­nião.

Se­gun­do ru­mo­res, a em­pre­sa co­me­çou a fa­zer par­ce­ri­as com fa­bri­can­tes de len­tes, mas mi­ra o lan­ça­men­to de um dis­po­si­ti­vo co­mer­ci­al em tor­no de 2025. Até lá, tam­bém se­rá pre­ci­so dar con­ta de in­cluir não só as mãos das pes­so­as, mas tam­bém um cor­po in­tei­ro.

“Ho­je já fa­ze­mos ava­ta­res em ho­lo­gra­mas a par­tir de fo­tos, mas ain­da te­mos al­guns de­sa­fi­os pa­ra não fa­zê-los pa­re­cer zum­bis”, ex­pli­cou Zuc­ker­berg. “É o ti­po de in­ves­ti­men­to que ne­nhu­ma ou­tra gran­de em­pre­sa de tec­no­lo­gia es­tá fa­zen­do.”

FA­CE­BO­OK

No­vi­da­de. Usuá­rio po­de­rá in­te­ra­gir com as pró­pri­as mãos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.