Pai e fi­lho, nu­ma bus­ca cós­mi­ca en­tre Cop­po­la e Ku­brick

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - CRÍ­TI­CA: Luiz Car­los Mer­ten

To­dos os fil­mes de Ja­mes Gray con­tam his­tó­ri­as so­bre afe­tos, e/ou fa­mí­li­as. A Ci­da­de Per­di­da de

Z é so­bre pai e fi­lho na imen­si­dão da sel­va. Ad As­tra – Ru­mo às Es­tre­las é de no­vo so­bre pai e fi­lho, ago­ra na imen­si­dão do es­pa­ço. Brad Pitt vi­a­ja aos con­fins do sis­te­ma so­lar em bus­ca do pai, que de­sa­pa­re­ceu, era con­si­de­ra­do mor­to, mas es­tá vi­vo – e po­de es­tar por trás das tem­pes­ta­des mag­né­ti­cas que ame­a­çam a Ter­ra.

Lem­bra al­gu­ma coi­sa? A bus­ca, por Mar­tin She­en, do co­ro­nel Kurtz, que ope­ra de uma ba­se no Cam­bo­ja e tam­bém es­tá de­trás da des­trui­ção que os ame­ri­ca­nos pro­mo­vem no Su­des­te Asiá­ti­co. Apo­calyp­se Now. Fran­cis Ford Cop­po­la. Não ape­nas. A bus­ca pe­lo pai, Tommy Lee Jo­nes, dis­pen­sa o mo­no­li­to ne­gro, mas tam­bém car­re­ga in­ter­ro­ga­ções me­ta­fí­si­cas. Deus, tec­no­lo­gia. O si­lên­cio an­gus­ti­an­te de Deus. Um tan­ti­nho de Ing­mar Berg­man, mas, prin­ci­pal­men­te, Stan­ley Ku­brick. 2001, Uma Odisseia no Es­pa­ço.

Em en­tre­vis­tas ao Es­ta­do, e ao re­pór­ter, um pon­to co­mum nas con­ver­sas sem­pre foi o mes­tre ita­li­a­no Lu­chi­no Vis­con­ti. Roc­co e Seus Ir­mãos. O mai­or fil­me so­bre fa­mí­lia? Co­mo um no­va-ior­qui­no, des­cen­den­te de ucra­ni­a­nos, po­de sen­tir/en­ten­der a pas­si­o­na­li­da­de e pos­ses­si­vi­da­de das fa­mí­li­as de san­gue la­ti­no? Ja­mes Gray sem­pre en­ten­deu. O as­tro­nau­ta Brad Pitt é um ho­mem no con­tro­le das si­tu­a­ções – e dos ba­ti­men­tos car­día­cos. Ra­ci­o­nal, equi­li­bra­do, cen­tra­do. Só o pai o de­ses­ta­bi­li­za. O pai que en­lou­que­ceu na sua bus­ca. Ca­mi­nhos Sem Vol­ta, o tí­tu­lo de um dos pri­mei­ros lon­gas do di­re­tor. O pai ator­men­ta-se por­que não con­se­gue res­pos­tas do es­pa­ço. Não per­ce­be o que es­tá tão per­to, o afe­to. O fi­lho de­ci­fra o enig­ma da vi­da, an­tes que se­ja tar­de de­mais.

Ad As­tra é épi­co, so­bre a con­quis­ta do es­pa­ço, e in­ti­mis­ta, so­bre a jor­na­da de um ho­mem em bus­ca de si mes­mo, e do au­to­co­nhe­ci­men­to. Gray já fez gran­des fil­mes, mas es­se tal­vez se­ja o mai­or de to­dos. Há mais de 50 anos, Arthur C. Clar­ke, fun­da­men­tal na en­gre­na­gem de 2001, já es­ta­be­le­ce­ra cer­tas leis. Pa­ra su­pe­rar os li­mi­tes do pos­sí­vel é pre­ci­so aden­trar o im­pos­sí­vel. Não exis­te tec­no­lo­gia avan­ça­da in­des­li­gá­vel da ma­gia. Tu­do is­so ani­ma o per­so­na­gem de Pitt e le­va à lá­gri­ma do ho­mem que, fi­nal­men­te, po­de vol­tar pa­ra ca­sa. A ca­sa, a mu­lher. Liv Ty­ler. Sua be­le­za rou­ba­da, no fil­me de Ber­nar­do Ber­to­luc­ci, é, mes­mo que se­ja pa­ra pou­cos, um cul­to imor­re­dou­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.