Go­ver­no es­tu­da re­ver isen­ção da ces­ta bá­si­ca

Pro­pos­ta do go­ver­no é re­o­ne­rar pro­du­tos, co­mo sal­mão e fi­lé mig­non, e des­ti­nar re­cur­sos pou­pa­dos pa­ra be­ne­fi­ciá­ri­os do Bol­sa Fa­mí­lia

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Idi­a­na To­ma­zel­li / BRASÍLIA

O Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia pro­põe uma re­vi­são par­ci­al na po­lí­ti­ca de de­so­ne­ra­ção dos pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca pa­ra evi­tar a con­ces­são do be­ne­fí­cio a fa­mí­li­as de al­ta ren­da, con­su­mi­do­ras de pro­du­tos co­mo car­nes no­bres e pei­xes, co­mo sal­mão, ho­je con­tem­pla­dos pe­la isen­ção de tri­bu­tos. A su­ges­tão é que os re­cur­sos pou­pa­dos com o au­men­to da tri­bu­ta­ção de al­guns itens se­jam di­re­ci­o­na­dos a be­ne­fi­ciá­ri­os do pro­gra­ma Bol­sa Fa­mí­lia, o que se­ria mais efi­caz na re­du­ção da po­bre­za no País.

A pro­pos­ta do go­ver­no é re­o­ne­rar pro­du­tos co­mo quei­jos (do gor­gon­zo­la ao chan­tilly), io­gur­tes light e di­et, lei­te con­den­sa­do, cre­me de lei­te, cap­puc­ci­no em pó so­lú­vel, fi­lé de al­guns ti­pos de pei­xe (in­cluin­do sal­mão), pe­ru, pa­to e até ovo de ja­ca­ré. To­dos es­ses itens são ho­je de­so­ne­ra­dos por­que fa­zem par­te da cha­ma­da “ces­ta bá­si­ca” se­gun­do a le­gis­la­ção, a um cus­to anu­al de R$ 1,17 bi­lhão.

Ao pou­par es­ses re­cur­sos, o go­ver­no po­de­ria pa­gar R$ 6,81 a mais por mês a ca­da uma das 13,8 mi­lhões de fa­mí­li­as be­ne­fi­ciá­ri­as do Bol­sa Fa­mí­lia. A pro­pos­ta tem po­ten­ci­al pa­ra re­ti­rar 117 mil pes­so­as da po­bre­za, es­ti­ma o mi­nis­té­rio.

A su­ges­tão de re­vi­são cons­ta no Bo­le­tim Men­sal so­bre os Sub­sí­di­os da União, pu­bli­ca­do pe­la Se­cre­ta­ria de Ava­li­a­ção, Pla­ne­ja­men­to, Ener­gia e Lo­te­ria. A ava­li­a­ção dos téc­ni­cos é que o no­vo ar­ran­jo se­ria mais efi­ci­en­te no com­ba­te à de­si­gual­da­de de ren­da do que o de­se­nho atu­al da po­lí­ti­ca.

A de­so­ne­ra­ção da ces­ta bá­si­ca con­su­miu ao to­do R$ 15,9 bi­lhões em 2018, mas só R$ 1,6 bi­lhão des­se va­lor é gas­to com os 20% mais po­bres do País. Os 20% mais ri­cos, por sua vez, fi­cam com R$ 4,5 bi­lhões do be­ne­fí­cio. Além dis­so, a po­lí­ti­ca de de­so­ne­ra­ção par­te do pres­su­pos­to de que as em­pre­sas re­pas­sam in­te­gral­men­te o be­ne­fí­cio, mas nem sem­pre is­so ocor­re. Co­mo os pro­du­tos bá­si­cos são de­man­da­dos mes­mo em mo­men­to de al­ta de pre­ços (di­fe­ren­te­men­te de su­pér­flu­os), não há in­cen­ti­vo pa­ra re­du­ção dos va­lo­res. O be­ne­fí­cio po­de aca­bar sen­do ab­sor­vi­do pe­las em­pre­sas em for­ma de lu­cro. “Em con­tras­te, a dis­tri­bui­ção dos re­cur­sos do pro­gra­ma Bol­sa Fa­mí­lia é bas­tan­te pro­gres­si­va. Des­ta­ca-se que 69,6% dos re­cur­sos do pro­gra­ma são apro­pri­a­dos pe­los 20% mais po­bres e que 86,7% são apro­pri­a­dos por pes­so­as com ren­da do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta de até meio sa­lá­rio mí­ni­mo (ho­je R$ 499)”, apon­ta es­tu­do.

Se­gun­do as es­ti­ma­ti­vas do go­ver­no, o au­men­to da tri­bu­ta­ção da lis­ta se­le­ci­o­na­da al­can­ça­ria 2,3% do con­su­mo de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca dos 20% mais po­bres, an­te 11,2% da ces­ta dos 20% mais ri­cos.

Te­to de gas­tos. A im­ple­men­ta­ção da mu­dan­ça, po­rém, de­pen­de da re­vi­são no pa­ga­men­to do se­gu­ro-de­fe­so – pa­go, em te­se, a pes­ca­do­res ar­te­sa­nais no pe­río­do em que a pes­ca é proi­bi­da.

O go­ver­no pre­ci­sa abrir es­pa­ço no te­to de gas­tos (me­ca­nis­mo que li­mi­ta o avan­ço das des­pe­sas à in­fla­ção) pa­ra que o re­pas­se ao Bol­sa Fa­mí­lia se­ja am­pli­a­do. Co­mo a de­so­ne­ra­ção da ces­ta bá­si­ca é uma re­nún­cia de re­cei­ta, ho­je ela não é con­ta­bi­li­za­da no te­to. O es­pa­ço no li­mi­te de des­pe­sas vi­ria da re­vi­são no pa­ga­men­to do se­gu­ro-de­fe­so. Se­gun­do o mi­nis­té­rio, há “in­dí­ci­os” de que cer­ca de 60% dos be­ne­fí­ci­os pa­gos po­de­ri­am es­tar ir­re­gu­la­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.