Me­tal à la Genghis Khan

Ban­da Ni­ne Tre­a­su­re, da Mon­gó­lia, to­ca na aber­tu­ra do Rock in Rio.

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ju­lio Ma­ria

Eles são da Mon­gó­lia, mais pre­ci­sa­men­te de uma re­gião cha­ma­da Mon­gó­lia In­te­ri­or, con­tro­la­da pe­la Chi­na, e fa­zem um rock pe­sa­do, batizado de folk me­tal. Há uma sé­rie de im­pro­ba­bi­li­da­des a quem es­pe­ra os lu­ga­res-co­muns de um meio con­ser­va­dor, o me­tal, mas al­gu­ma es­tra­nhe­za só de­ve exis­tir até os pri­mei­ros dois ou três se­gun­dos de au­di­ção do sur­pre­en­den­te Ni­ne Tre­a­su­res. O gru­po batizado as­sim pa­ra evo­car os no­ve te­sou­ros da Mon­gó­lia se­rá uma das atra­ções da área Rock Stre­et Ásia, um es­pa­ço co­man­da­do pe­lo pro­du­tor Toy Li­ma que faz o Rock in Rio va­ler a pe­na pa­ra quem pro­cu­ra sair dos lu­ga­res co­muns.

Os shows se­rão des­ta sex­ta (27) a do­min­go (29), e di­vi­di­rão o pal­co com atra­ções co­mo os tam­bo­res ja­po­ne­ses do Wa­dai­ko Sho e o gru­po folk ucra­ni­a­no Dakha­brakha. O vo­ca­lis­ta e gui­tar­ris­ta Askhan Avag­chu­ud res­pon­deu às per­gun­tas do Es­ta­do na tar­de de quarta-fei­ra (25).

So­bre seus pri­mei­ros anos na Mon­gó­lia, e de co­mo o gru­po foi for­ma­do, ele ri: “É uma lon­ga his­tó­ria, mas brin­ca­mos co­mo cri­an­ças nor­mais, sem­pre cor­ren­do com os vi­zi­nhos”. E con­ta: “Eu en­trei no rock quan­do es­tu­da­va no en­si­no mé­dio e ou­vi pe­la pri­mei­ra vez uma fi­ta cas­se­te de ban­das ame­ri­ca­nas, es­se foi meu co­me­ço.”

O quin­te­to cri­a­do em 2010 lem­bra a pro­pos­ta do Se­pul­tu­ra, dei­xan­do bai­xo, gui­tar­ra e ba­te­ria cri­a­rem uma pa­re­de só­li­da pa­ra a en­tra­da de ins­tru­men­tos re­gi­o­nais. Org to­ca bai­xo e can­ta; Ding Kai é ba­te­ris­ta; Askhan Avag­chu­ud faz gui­tar­ra e vo­cais; Sai­na to­ca ba­la­lai­ca; e Tsog res­pon­de pe­los sons do mo­rin khu­ur, um ins­tru­men­to de du­as cor­das, to­ca­do por um ar­co.

Os no­ve te­sou­ros são ma­te­ri­ais ce­le­bra­dos em an­ti­gos po­e­mas. Ou­ro, prata, bron­ze, fer­ro, ága­ta, âm­bar, ja­de, pé­ro­la e co­ral. O pri­mei­ro EP saiu em 2015, Gal­lo­ping Whi­te Hor­se, e, al­guns di­as de­pois, veio Li­ve in Bei­jing, gra­va­do em um show em Pe­quim, on­de são mui­to co­nhe­ci­dos. Eles evi­tam as­sun­tos po­lí­ti­cos, não fa­zem crí­ti­cas ao go­ver­no chi­nês nem en­tram em as­sun­tos re­li­gi­o­sos. A re­gião pos­sui du­as re­li­giões prin­ci­pais: a tra­di­ci­o­nal chi­ne­sa e mon­gol (80%) e o bu­dis­mo ti­be­ta­no (12,1%).

Askhan pre­fe­re fa­lar de mú­si­ca: “Um dos ins­tru­men­tos tra­di­ci­o­nais que to­ca­mos é cha­ma­do mo­ri­nhu­ur, pa­re­ce um vi­o­li­no, é a al­ma do gru­po, e é mui­to po­pu­lar”. Ele es­pe­ci­fi­ca mais. “É co­mo a ba­la­lai­ca na Rús­sia. Mui­tas ban­das eu­ro­pei­as usam ins­tru­men­tos tra­di­ci­o­nais, e, ven­do is­so, pen­sei por que não po­de­ría­mos fa­zer o mes­mo com nos­sas tra­di­ções?”

So­bre o me­tal na Chi­na, um mer­ca­do ima­gi­na­do sem­pre co­mo avas­sa­la­dor por seu ta­ma­nho de pú­bli­co em po­ten­ci­al, ele lem­bra que até os anos 1990 não ha­via mui­tas ban­das de rock. “O rock não sig­ni­fi­ca­va um gran­de mo­vi­men­to, mas sin­to que, de­pois da dé­ca­da de 90, ele co­me­çou a sur­gir com mais for­ça. Ho­je já po­de se ou­vir rock and roll em to­dos os lu­ga­res.” O me­tal, con­tu­do, uma fren­te me­nos po­pu­lar do que os gê­ne­ros al­guns tons mais le­ves, co­mo o hard rock e o punk, não po­de ain­da ser cha­ma­do de fe­bre. “Es­te ve­rão ti­ve­mos dois pro­gra­mas de TV com con­cur­sos de rock, mas o me­tal é sem­pre pe­que­no. Te­mos cer­ca de 500 ban­das na Chi­na e pou­cas de­las usam ins­tru­men­tos co­mo nós, pou­cas são cha­ma­das de folk me­tal.”

O Ni­ne Tre­a­su­res é sua pri­mei­ra ban­da. “Eu me mu­dei em 2010 pa­ra Pe­quim, on­de fi­ze­mos nos­so pri­mei­ro show e aca­ba­mos gra­van­do três dis­cos. Ain­da é di­fí­cil sa­ber quan­tas pes­so­as es­tão in­te­res­sa­das em nos­sa mú­si­ca, mas te­mos ido bem no YouTu­be.” Ele re­co­nhe­ce que che­ga ao Bra­sil ain­da na con­di­ção de gru­po des­co­nhe­ci­do, de um lu­gar sem tra­di­ção com os rocks mais pe­sa­dos. “No ex­te­ri­or, nos­sa pro­mo­ção não é su­fi­ci­en­te, tal­vez te­re­mos mais vi­si­bi­li­da­de no ano que vem. É a nos­sa pri­mei­ra vez na Amé­ri­ca do Sul e pos­so di­zer que che­ga­mos bem. Co­nhe­ce­mos o Se­pul­tu­ra, di­vi­di­mos o pal­co com eles em 2014, em um fes­ti­val per­to de Pe­quim. Sa­be­mos tam­bém do Soul­fly, eu os vi na Chi­na, mas sei que nin­guém no Bra­sil, ex­ce­to o An­der­son Sil­va, os co­nhe­ce.”

NTPRODUCTI­ONS

Quin­te­to asiá­ti­co. In­te­gran­tes mo­ram na Chi­na, mas can­tam em mon­gol

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.