A ga­ran­tia da de­mo­cra­cia

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Mais do que nun­ca é pre­ci­so re­vi­go­rar a prá­ti­ca jor­na­lís­ti­ca, li­vran­do-a do ime­di­a­tis­mo das re­des so­ci­ais e res­ti­tuin­do-lhe o sen­ti­do de ser­vi­ço pú­bli­co.

O jor­na­lis­mo es­tá sob ata­que em qua­se to­do o mun­do, nu­ma ofen­si­va de pro­por­ções e in­ten­si­da­de iné­di­tas na his­tó­ria. Tra­ta-se de um fenô­me­no par­ti­cu­lar­men­te dra­má­ti­co por ocor­rer não ape­nas em paí­ses com es­cas­sa tra­di­ção de li­ber­da­de, mas tam­bém em na­ções que se or­gu­lham de seu pa­trimô­nio de­mo­crá­ti­co.

Há um sem-nú­me­ro de paí­ses cu­jos go­ver­nan­tes vêm se em­pe­nhan­do em de­sa­cre­di­tar a im­pren­sa e os jor­na­lis­tas de for­ma sis­te­má­ti­ca, nu­ma cam­pa­nha que tem co­mo pro­pó­si­to ani­qui­lar o en­ten­di­men­to co­mum so­bre o que é a ver­da­de e o que é a re­a­li­da­de. O ob­je­ti­vo, a es­ta al­tu­ra ób­vio, é des­qua­li­fi­car as crí­ti­cas aos que exer­cem o po­der e dar a es­ses lí­de­res con­di­ções de cons­truir sua pró­pria “ver­da­de” – com a qual to­dos têm de con­cor­dar, sob pe­na de se­rem con­si­de­ra­dos “ini­mi­gos do po­vo”.

Es­sa ex­pres­são, co­mum em re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os pa­ra ca­lar a opo­si­ção e jus­ti­fi­car a se­gre­ga­ção e a ani­qui­la­ção fí­si­ca dos dis­si­den­tes, foi usa­da pe­lo pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, pa­ra se re­fe­rir a jor­na­lis­tas, co­mo lem­brou, em ar­ti­go pu­bli­ca­do re­cen­te­men­te, o pu­blisher do jor­nal The New York Ti­mes, Arthur Gregg Sulz­ber­ger.

Tal­vez se­ja es­se o as­pec­to mais dra­má­ti­co des­sa ofen­si­va mun­di­al con­tra o jor­na­lis­mo: sua ins­pi­ra­ção vem jus­ta­men­te do país que fez da li­ber­da­de de ex­pres­são e de im­pren­sa o cer­ne de sua de­mo­cra­cia. Mais do que is­so: co­mo es­cre­veu Sulz­ber­ger, os Es­ta­dos Uni­dos sem­pre fo­ram vis­tos co­mo gran­des ex­por­ta­do­res da ideia de que não há de­mo­cra­cia sem jor­na­lis­mo li­vre, mas ago­ra, gra­ças a Trump, pas­sa­ram a ser­vir de mo­de­lo pa­ra au­to­cra­tas dis­pos­tos a ca­lar a im­pren­sa.

O prin­ci­pal al­vo de Trump é a im­pren­sa pro­fis­si­o­nal, cu­jo ob­je­ti­vo é in­for­mar de mo­do in­de­pen­den­te e acu­ra­do. Sis­te­ma­ti­ca­men­te, o pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos acu­sa es­sa im­pren­sa de pu­bli­car men­ti­ras ou dis­tor­ções a res­pei­to de seu go­ver­no, ro­tu­lan­do as no­tí­ci­as co­mo “fa­ke news”. É evi­den­te, co­mo de­mons­tra Sulz­ber­ger, que o ob­je­ti­vo de Trump não é de­nun­ci­ar er­ros de fa­to, mas sim “ti­rar a le­gi­ti­mi­da­de da no­tí­cia re­al, re­jei­tan­do a re­por­ta­gem fac­tu­al e im­par­ci­al co­mo men­ti­ra po­li­ti­ca­men­te mo­ti­va­da”.

As­sim, Trump não des­men­te es­ta ou aque­la re­por­ta­gem por even­tu­ais pro­ble­mas, e sim to­da e qual­quer re­por­ta­gem que apon­te os de­sar­ran­jos de sua ad­mi­nis­tra­ção e re­ve­le as fal­ca­tru­as em que es­te­ve ou es­tá en­vol­vi­do. Des­de a pos­se, se­gun­do in­for­mou Sulz­ber­ger, Trump usou a ex­pres­são “fa­ke news” qua­se 600 ve­zes em sua con­ta no Twit­ter. E de na­da adi­an­ta de­mons­trar que as re­por­ta­gens que Trump de­nun­ci­ou co­mo “fal­sas” eram cor­re­tas e pre­ci­sas. Se­gun­do o pu­blisher, uma pes­qui­sa mos­trou que mais de 80% dos elei­to­res re­pu­bli­ca­nos con­fi­am mais em Trump do que na im­pren­sa.

O pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no tem si­do tão bem-su­ce­di­do em sua ofen­si­va con­tra a im­pren­sa que se tor­nou mo­de­lo pa­ra lí­de­res com vo­ca­ção li­ber­ti­ci­da ao re­dor do mun­do. O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, por exem­plo, usa o mes­mo vo­ca­bu­lá­rio de Trump pa­ra se re­fe­rir aos jor­nais e aos jor­na­lis­tas. Já se re­fe­riu a “par­te da gran­de im­pren­sa” co­mo “ini­mi­ga” e qua­li­fi­ca o no­ti­ciá­rio que lhe é des­fa­vo­rá­vel co­mo “fa­ke news” – no que é eco­a­do por seus fer­vo­ro­sos se­gui­do­res nas re­des so­ci­ais.

Tu­do is­so im­põe enor­mes de­sa­fi­os pa­ra o jor­na­lis­mo pro­fis­si­o­nal e in­de­pen­den­te. An­te a ten­ta­ti­va de Trump e de seus apren­di­zes mun­do afo­ra de re­la­ti­vi­zar a ver­da­de dos fa­tos e de­sa­cre­di­tar aque­les que se de­di­cam a re­por­tá-la de ma­nei­ra ri­go­ro­sa, mais do que nun­ca é pre­ci­so re­vi­go­rar a prá­ti­ca jor­na­lís­ti­ca, li­vran­do-a do ime­di­a­tis­mo su­per­fi­ci­al e ir­res­pon­sá­vel das re­des so­ci­ais e res­ti­tuin­do-lhe o sen­ti­do de ser­vi­ço pú­bli­co. Nas pa­la­vras de Sulz­ber­ger, de­ve-se ir “em bus­ca das his­tó­ri­as que im­por­tam, in­de­pen­den­te­men­te de se­rem ou não ten­dên­cia no Twit­ter”. Mais do que is­so: “Não po­de­mos nos per­mi­tir ser atraí­dos ou aplau­di­dos pa­ra nos tor­nar­mos opo­si­ção ou ‘cla­ques’ de al­guém. Nos­sa le­al­da­de tem de ser pa­ra com os fa­tos, não um par­ti­do ou um lí­der, e te­mos de se­guir a ver­da­de aon­de ela nos le­ve, sem me­do ou fa­vor”. Es­sa de­ter­mi­na­ção cer­ta­men­te se­rá apre­ci­a­da por lei­to­res dis­pos­tos a se in­for­mar por meio do jor­na­lis­mo sé­rio – aque­le que é des­con­for­tá­vel jus­ta­men­te por­que des­faz ilu­sões so­bre os fal­sos Mes­si­as que es­car­ne­cem da de­mo­cra­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.