A re­cu­pe­ra­ção do em­pre­go

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Da­dos são aus­pi­ci­o­sos por­que va­gas for­mais ofe­re­cem mais ga­ran­ti­as e re­mu­ne­ra­ção mais al­ta pa­ra o tra­ba­lha­dor.

Com a ge­ra­ção de 121.387 pos­tos no mês pas­sa­do, o mer­ca­do de tra­ba­lho for­mal apre­sen­tou o me­lhor re­sul­ta­do pa­ra o mês de agos­to des­de 2013. É o quin­to mês con­se­cu­ti­vo que cres­ce o nú­me­ro de em­pre­ga­dos no mer­ca­do for­mal. No ano, de acor­do com o Ca­das­tro Ge­ral de Em­pre­ga­dos e De­sem­pre­ga­dos (Ca­ged) man­ti­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, o sal­do é po­si­ti­vo em 593.467 no­vos pos­tos de tra­ba­lho for­mais, re­sul­ta­do me­lhor do que o ob­ser­va­do nos pri­mei­ros oi­to me­ses de 2018, quan­do fo­ram cri­a­das 568.551 va­gas. É um da­do par­ti­cu­lar­men­te aus­pi­ci­o­so por­que são em­pre­gos que ofe­re­cem mais ga­ran­ti­as pa­ra o tra­ba­lha­dor e, em ge­ral, re­mu­ne­ra­ção mais al­ta e me­lho­res con­di­ções de tra­ba­lho.

O re­sul­ta­do foi co­me­mo­ra­do pe­lo go­ver­no. “O Ca­ged si­na­li­za a re­cu­pe­ra­ção gra­da­ti­va do em­pre­go e do cres­ci­men­to econô­mi­co, após um pri­mei­ro se­mes­tre re­ple­to de de­sa­fi­os”, dis­se, em no­ta, o se­cre­tá­rio de Tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, Bruno Dal­col­mo. De fa­to, ou­tro in­di­ca­dor, bem mais am­plo que o Ca­ged e com pe­río­dos de afe­ri­ção di­fe­ren­tes, igual­men­te vem mos­tran­do al­gu­ma me­lho­ra no mer­ca­do de tra­ba­lho. Tra­ta-se da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­lio (Pnad) Con­tí­nua, do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), que afe­re a si­tu­a­ção de to­do o mer­ca­do, tan­to o for­mal co­mo o in­for­mal, bem co­mo con­tém da­dos que per­mi­tem ava­li­ar a qua­li­da­de do em­pre­go. Na Pnad Con­tí­nua, po­rém, a me­lho­ra é mais len­ta e se de­ve ba­si­ca­men­te à ex­pan­são do mer­ca­do in­for­mal. Ou se­ja, a re­cu­pe­ra­ção nu­mé­ri­ca vem acom­pa­nha­da de al­gum grau de per­da de qua­li­da­de do em­pre­go.

No ca­so do Ca­ged, há bons si­nais que me­re­cem ser des­ta­ca­dos. Dos oi­to ra­mos da eco­no­mia em que o mer­ca­do de tra­ba­lho é di­vi­di­do, seis re­gis­tra­ram au­men­to no nú­me­ro de em­pre­ga­dos, o que mos­tra a abran­gên­cia da re­cu­pe­ra­ção. Um dos que re­gis­tra­ram que­da, o de ser­vi­ços in­dus­tri­ais de uti­li­da­de pú­bli­ca, te­ve per­da de 77 em­pre­gos for­mais em agos­to, va­ri­a­ção pró­xi­ma da es­ta­bi­li­da­de. Hou­ve fe­cha­men­to de 3.341 pos­tos na agro­pe­cuá­ria, con­sequên­cia so­bre­tu­do das de­mis­sões lí­qui­das no cul­ti­vo de ca­fé.

Dos ra­mos que re­gis­tra­ram au­men­to no nú­me­ro de em­pre­ga­dos for­mais, o des­ta­que foi o de ser­vi­ços, com a aber­tu­ra de 61.730 pos­tos, prin­ci­pal­men­te nos seg­men­tos de edu­ca­ção (em ra­zão do iní­cio do se­mes­tre le­ti­vo) e de ad­mi­nis­tra­ção de imó­veis (es­te por cau­sa do au­men­to do nú­me­ro de lan­ça­men­tos, es­ti­mu­la­dos pe­la mai­or ofer­ta de cré­di­to e pe­la mai­or con­fi­an­ça das fa­mí­li­as). O se­gun­do me­lhor re­sul­ta­do por ra­mo de ati­vi­da­de foi o do co­mér­cio, com a aber­tu­ra de 23.626 va­gas, qua­se to­das no va­re­jo, o que in­di­ca a vol­ta do con­su­mi­dor às com­pras.

A ge­ra­ção de 19.517 pos­tos pe­la in­dús­tria de trans­for­ma­ção em agos­to su­ge­re a re­cu­pe­ra­ção da ati­vi­da­de em um seg­men­to da eco­no­mia du­ra­men­te atin­gi­do nos úl­ti­mos anos. De­ve-se, no en­tan­to, ava­li­ar com al­gu­ma cau­te­la es­se nú­me­ro, pois o pe­río­do de agos­to a ou­tu­bro con­cen­tra as con­tra­ta­ções tem­po­rá­ri­as da in­dús­tria pa­ra o aten­di­men­to das en­co­men­das pa­ra o fim de ano. É pre­ci­so es­pe­rar os pró­xi­mos re­sul­ta­dos, so­bre­tu­do os dos dois úl­ti­mos me­ses do ano, pa­ra ter mais se­gu­ran­ça so­bre a evo­lu­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho in­dus­tri­al.

Além de tu­do, é pre­ci­so ver o qua­dro ge­ral mos­tra­do pe­la Pnad Con­tí­nua pa­ra ter uma vi­são pre­ci­sa da si­tu­a­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho. E es­se qua­dro, em­bo­ra ve­nha me­lho­ran­do, con­ti­nua pre­o­cu­pan­te – na ver­da­de, som­brio pa­ra mi­lhões de bra­si­lei­ros.

O nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res sem ne­nhu­ma ocu­pa­ção di­mi­nuiu 609 mil no tri­mes­tre mó­vel en­cer­ra­do em ju­lho na com­pa­ra­ção com o tri­mes­tre an­te­ri­or. Mas ain­da há 12,6 mi­lhões de tra­ba­lha­do­res sem ne­nhu­ma ocu­pa­ção, de acor­do com a Pnad Con­tí­nua. A po­pu­la­ção su­bu­ti­li­za­da é for­ma­da por 28,1 mi­lhões de pes­so­as. São os tra­ba­lha­do­res de­sem­pre­ga­dos, su­bo­cu­pa­dos ou que com­põem a cha­ma­da for­ça de tra­ba­lho po­ten­ci­al, que in­cluiu os de­sa­len­ta­dos. Es­tes es­tão fo­ram do mer­ca­do, mas dis­pos­tos a tra­ba­lhar se en­con­tra­rem ocu­pa­ção con­di­zen­te com sua for­ma­ção ou ida­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.