The Eco­no­mist

O com­por­ta­men­to do pre­si­den­te ame­ri­ca­no pre­ci­sa ser in­ves­ti­ga­do com a se­ri­e­da­de que o ca­so me­re­ce

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

A pro­mes­sa e os pe­ri­gos do pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment.

Os EUA qua­se não ti­ve­ram um pre­si­den­te. Os ho­mens que che­ga­ram à con­ven­ção cons­ti­tu­ci­o­nal de 1787 tra­zi­am um hor­ror da mo­nar­quia. Não fos­se uma fi­gu­ra com a es­ta­tu­ra de Ge­or­ge Washington e o jo­vem país po­de­ria ter ado­ta­do um sis­te­ma de go­ver­no par­la­men­tar.

Mas, ten­do cri­a­do a fun­ção, os fun­da­do­res pre­ci­sa­ram con­ce­ber uma ma­nei­ra de re­mo­ver os pre­si­den­tes que abu­sam da sua po­si­ção – nem to­dos são um Ge­or­ge Washington. E de­fi­ni­ram o me­ca­nis­mo: um vo­to de im­pe­a­ch­ment na Câ­ma­ra, se­gui­do por um pro­ces­so no Se­na­do. O que exa­ta­men­te le­va­ria um pre­si­den­te a ser des­ti­tuí­do – trai­ção, su­bor­no ou ou­tros cri­mes e de­li­tos gra­ves – foi dei­xa­da pa­ra o Con­gres­so.

Por­tan­to, em­bo­ra o im­pe­a­ch­ment se­ja uma cláu­su­la cons­ti­tu­ci­o­nal, é tam­bém uma cam­pa­nha po­lí­ti­ca. Es­sa cam­pa­nha co­me­çou se­ri­a­men­te es­ta se­ma­na quan­do Nancy Pe­lo­si de­ter­mi­nou os de­pu­ta­dos de­mo­cra­tas ini­ci­as­sem audiências pa­ra o im­pe­a­ch­ment de Do­nald Trump.

O pro­ces­so es­tá re­ple­to de ris­cos pa­ra os dois la­dos. O que é cer­to é que ele au­men­ta­rá ain­da mais a di­vi­são de um país que já se vol­tou con­tra si mes­mo. Pe­lo­si to­mou es­sa me­di­da cru­ci­al por­que acre­di­ta que o com­por­ta­men­to do pre­si­den­te com re­la­ção ao go­ver­no da Ucrâ­nia pas­sou do li­mi­te.

Se es­ta pa­re­ce uma ra­zão obs­cu­ra pa­ra con­tem­plar a des­ti­tui­ção de um pre­si­den­te, lem­bre-se de que o pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment de Ri­chard Ni­xon te­ve sua ori­gem no ar­rom­ba­men­to da se­de do Co­mi­tê Na­ci­o­nal do Par­ti­do De­mo­cra­ta, 17 de ju­nho de 1972. E, no ca­so de Bill Clin­ton, o pro­ces­so foi aber­to em ra­zão de um ca­so ex­tra­con­ju­gal com uma es­ta­giá­ria.

Trump pa­re­ce ter avi­sa­do ao go­ver­no da Ucrâ­nia que as re­la­ções do país com os EUA, in­cluin­do a aju­da mi­li­tar, de­pen­di­am de os ucra­ni­a­nos in­ves­ti­ga­rem a fa­mí­lia de um po­lí­ti­co ri­val – o que é um fa­to mais gra­ve do que um ar­rom­ba­men­to ou uma aven­tu­ra amorosa. Sig­ni­fi­ca­ria que o pre­si­den­te sub­ver­teu o in­te­res­se na­ci­o­nal com ob­je­ti­vo de vingança po­lí­ti­ca.

O go­ver­no com frequên­cia faz pro­mes­sas de aju­da a po­tên­ci­as es­tran­gei­ras em tro­ca de al­gu­ma coi­sa que os EUA pre­ci­sam. O ca­so da Ucrâ­nia é di­fe­ren­te. Os EUA têm in­te­res­se em ga­ran­tir que a Ucrâ­nia se­ja ca­paz de se de­fen­der con­tra a agres­são rus­sa, e é por es­ta ra­zão que o Con­gres­so apro­vou um pa­co­te de aju­da mi­li­tar de US$ 391 mi­lhões pa­ra o país re­cen­te­men­te.

Trump agiu con­tra o in­te­res­se na­ci­o­nal ao co­lo­car em sus­pen­so es­sa aju­da e pres­si­o­nar o pre­si­den­te ucra­ni­a­no, Vo­lo­di­mir Ze­lens­ki, pa­ra in­ves­ti­gar Hun­ter Bi­den, que man­tém ne­gó­ci­os na Ucrâ­nia e é fi­lho de Joe Bi­den, que dis­pu­ta a can­di­da­tu­ra de­mo­cra­ta pa­ra as elei­ções pre­si­den­ci­ais. Se não es­ti­ves­se cla­ro o bas­tan­te, Trump tam­bém en­vi­ou seu ad­vo­ga­do par­ti­cu­lar pa­ra se reu­nir com um as­ses­sor de Ze­lens­ki e re­a­fir­mar a men­sa­gem.

Num país tão cor­rup­to e vul­ne­rá­vel co­mo a Ucrâ­nia, o elo en­tre o apoio ame­ri­ca­no e uma in­ves­ti­ga­ção de mem­bros da fa­mí­lia Bi­den – vo­cê nos for­ne­ce in­for­ma­ções so­bre “ati­vi­da­des ilí­ci­tas” de Joe e eu lhe da­rei ar­mas e dinheiro – não pre­ci­sa ser mais ex­plí­ci­to pa­ra ser en­ten­di­do. “Quero tam­bém ga­ran­tir que le­va­re­mos mui­to a sé­rio o ca­so e tra­ba­lha­re­mos na in­ves­ti­ga­ção”, Ze­lens­ki

dis­se a Trump no te­le­fo­ne­ma de 25 de ju­lho.

Vo­cê de­ve ter pen­sa­do que a in­ves­ti­ga­ção de Ro­bert Mu­el­ler so­bre re­la­ções da cam­pa­nha de Trump com a Rús­sia dei­xa­ram o pre­si­den­te te­me­ro­so de fler­tar com go­ver­nos es­tran­gei­ros. Mas não. Sua con­du­ta pa­re­ce mui­to mais su­bor­no e ex­tor­são. E usar fun­dos do con­tri­buin­te e a for­ça do Es­ta­do ame­ri­ca­no pa­ra per­se­guir um ini­mi­go po­lí­ti­co cons­ti­tui abu­so de po­der.

Os fun­da­do­res dos EUA qu­e­ri­am que o im­pe­a­ch­ment fos­se uma op­ção prá­ti­ca e não teó­ri­ca. Do con­trá­rio, o pre­si­den­te es­ta­ria aci­ma da lei, um mo­nar­ca sen­ta­do no tro­no du­ran­te qua­tro ou oi­to anos. Re­jei­tar um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment de Trump es­ta­be­le­ce­ria um pre­ce­den­te pa­ra fu­tu­ros pre­si­den­tes: qual­quer coi­sa se­ria ra­zoá­vel.

Os par­ti­dá­ri­os re­pu­bli­ca­nos de­vem ava­li­ar a que pro­fun­de­zas um fu­tu­ro pre­si­den­te po­de­ria des­cer. E si­na­li­za­ria tam­bém pa­ra os ali­a­dos e ini­mi­gos dos EUA que bis­bi­lho­tar ame­ri­ca­nos in­flu­en­tes se­ria uma ma­nei­ra óti­ma pa­ra ob­ter fa­vo­res de um pre­si­den­te. E sem ne­nhu­ma ne­ces­si­da­de de al­gu­ma ati­vi­da­de es­cu­sa ser ver­da­dei­ra. Rús­sia e Chi­na, es­tão ou­vin­do?

Es­ses são os ris­cos do im­pe­a­ch­ment. Mas os ris­cos do ou­tro la­do são gran­des tam­bém. Os elei­to­res es­pe­ram que o im­pe­a­ch­ment se­ja uma me­di­da de úl­ti­mo re­cur­so, não uma ar­ti­ma­nha de um par­ti­do pa­ra re­mo­ver um pre­si­den­te por ou­tro ou um meio de os per­de­do­res de uma elei­ção frus­tra­rem seu re­sul­ta­do.

Os de­mo­cra­tas da Câ­ma­ra cor­rem o ris­co de pa­re­ce­rem au­to­com­pla­cen­tes e, em vez de pro­cu­ra­rem re­sol­ver os pro­ble­mas de in­fra­es­tru­tu­ra ou do sis­te­ma de saú­de, se obs­ti­nam com mi­nú­ci­as das co­mu­ni­ca­ções in­ter­nas da Ca­sa Bran­ca. As audiências po­dem sair do con­tro­le e os de­mo­cra­tas pas­sa­rem uma ima­gem de ine­fi­ci­en­tes e ob­ce­ca­dos.

As audiências tam­bém po­de­rão ser con­fu­sas e ran­co­ro­sas pa­ra a so­ci­e­da­de acom­pa­nhar.

Mes­mo se a Câ­ma­ra de­ci­dir pe­la des­ti­tui­ção de Trump é bas­tan­te im­pro­vá­vel que ele se­ja con­de­na­do no Se­na­do, on­de os re­pu­bli­ca­nos de­têm 53 dos 100 as­sen­tos. Le­gal­men­te, as su­pos­tas ati­vi­da­des do fi­lho de Bi­den na Ucrâ­nia não di­zem se Trump abu­sou do car­go. Mas, po­li­ti­ca­men­te, os dois fa­tos es­tão li­ga­dos por­que dão aos se­na­do­res re­pu­bli­ca­nos dis­pos­tos a de­fen­der Trump uma sé­rie de ar­gu­men­tos úteis.

Um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment fra­cas­sa­do po­de até aju­dar Trump – ou um fu­tu­ro pre­si­den­te que po­de ale­gar que foi ino­cen­ta­do de­pois de uma ca­ça às bru­xas ini­ci­a­da por de­mo­cra­tas ven­ci­dos. Até es­ta se­ma­na, es­te era cál­cu­lo de Pe­lo­si. Não es­tá cla­ro que a opi­nião pú­bli­ca mu­dou o su­fi­ci­en­te pa­ra al­te­rar o qua­dro. Ape­sar das bra­va­tas, a equi­pe de cam­pa­nha de Trump sem­pre in­sis­tiu que, quan­to mais os de­mo­cra­tas fa­lam de im­pe­a­ch­ment, me­lho­res são as chan­ces do pre­si­den­te se re­e­le­ger em 2020.

Ao se de­fron­tar com uma op­ção as­sus­ta­do­ra, Pe­lo­si até ago­ra es­ta­va he­si­tan­te. Mas Trump vem se tor­nan­do mais des­ca­ra­do à me­di­da que a re­e­lei­ção se apro­xi­ma. O com­por­ta­men­to do pre­si­den­te pre­ci­sa ser in­ves­ti­ga­do com a au­to­ri­da­de ex­tra que o pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment con­fe­re. As­sim, é me­lhor pen­der pa­ra o prin­cí­pio e não pa­ra o prag­ma­tis­mo. Mas es­te é um ca­mi­nho ar­ro­ja­do e pe­ri­go­so.

© 2018 THE ECO­NO­MIST NEWSPAPER LIMITED. DI­REI­TOS RESERVADOS. PU­BLI­CA­DO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ES­TÁ EM WWW.ECO­NO­MIST.COM

ANDREW CABALLERO-REYNOLDS/AFP

Ris­co. Nancy Pe­lo­si, lí­der de­mo­cra­ta: cer­co ao pre­si­den­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.