‘Dis­cur­so não foi ofen­si­vo’, diz Bol­so­na­ro

O Estado de S. Paulo - - Política - Ju­lia Lind­ner / BRASÍLIA

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de­mons­trou incô­mo­do on­tem com as crí­ti­cas que re­ce­beu por seu dis­cur­so na As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das, na ter­ça-fei­ra, em No­va York. Ele afir­mou ter as­sis­ti­do ao pró­prio pro­nun­ci­a­men­to e não con­si­de­rou su­as po­si­ções agres­si­vas. “Qu­e­ri­am al­guém lá que fos­se pa­ra fa­lar abo­bri­nha, en­xu­gar ge­lo e pas­sar o pa­no?”, dis­se.

“Não fui ofen­si­vo com nin­guém. As­sis­ti ao que eu fa­lei. Se­ria mui­to mais cô­mo­do eu fa­zer um dis­cur­so pa­ra ser aplau­di­do, mas não teria coragem de olhar pa­ra a ca­ra de vo­cês aqui”, dis­se Bol­so­na­ro a apoi­a­do­res no Palácio da Al­vo­ra­da.

Em sua es­treia na As­sem­bleia-Ge­ral da ONU, Bol­so­na­ro fez um dis­cur­so no qual clas­si­fi­cou co­mo “fa­lá­cia” a te­se de que a Amazô­nia “é pa­trimô­nio da hu­ma­ni­da­de” e cri­ti­cou o que cha­mou de “es­pí­ri­to co­lo­ni­a­lis­ta” de paí­ses que re­cen­te­men­te ques­ti­o­na­ram o com­pro­mis­so do País com a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te.

“Foi um dis­cur­so pa­trió­ti­co, di­fe­ren­te de ou­tros pre­si­den­tes que me an­te­ce­de­ram, que iam lá pa­ra ser aplau­di­dos e na­da além dis­so”, afir­mou Bol­so­na­ro on­tem no Al­vo­ra­da.

Con­fron­to. Du­ran­te sua fa­la na tri­bu­na da ONU, re­che­a­da de re­fe­rên­ci­as re­li­gi­o­sas, Bol­so­na­ro rom­peu a tra­di­ção ao não ado­tar um tom con­ci­li­a­dor. Ele re­for­çou o dis­cur­so mais ide­o­ló­gi­co ao afir­mar que o Bra­sil es­te­ve “à bei­ra do so­ci­a­lis­mo” e ata­car ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos e paí­ses co­mo Cu­ba e Ve­ne­zu­e­la.

On­tem Bol­so­na­ro vol­tou a ques­ti­o­nar a po­si­ção de li­de­ran­ça in­dí­ge­na do ca­ci­que Ra­o­ni. “Ele não fa­la a nos­sa lín­gua”, de­cla­rou. Na ONU, o pre­si­den­te dis­se que Ra­o­ni é “usa­do co­mo pe­ça de ma­no­bra”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.