Prín­ci­pe sau­di­ta ad­mi­te ter cul­pa em morte de jor­na­lis­ta

Moham­med bin Sal­man ne­ga co­nhe­ci­men­to pré­vio de as­sas­si­na­to de Ja­mal Khashog­gi, mas diz que cri­me ocor­reu ‘sob sua guar­da’

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - RIAD AP e REUTERS /

Moham­med bin Sal­man, prín­ci­pe her­dei­ro da Ará­bia Sau­di­ta, sus­pei­to de or­de­nar o as­sas­si­na­to do jor­na­lis­ta Ja­mal Khashog­gi, no ano pas­sa­do, dis­se on­tem ter res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la morte por­que ela acon­te­ceu “sob sua guar­da”. A declaração foi da­da pa­ra um do­cu­men­tá­rio do canal ame­ri­ca­no PBS que vai ao ar na pró­xi­ma se­ma­na. Bin Sal­man, no en­tan­to, ne­ga qual­quer co­nhe­ci­men­to pré­vio ou en­vol­vi­men­to di­re­to no as­sas­si­na­to.

“Acon­te­ceu sob mi­nha guar­da. Eu as­su­mo to­da a res­pon­sa­bi­li­da­de, por­que acon­te­ceu sob mi­nha guar­da”, dis­se o prín­ci­pe, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo MBS, de acor­do com uma pré­via do pro­gra­ma pro­gra­ma­do pa­ra o dia 1.º de ou­tu­bro, vés­pe­ra do ani­ver­sá­rio de um ano da morte do jor­na­lis­ta sau­di­ta.

Khashog­gi era co­lu­nis­ta do jor­nal Washington Post. Ele foi as­sas­si­na­do den­tro do Con­su­la­do da Ará­bia Sau­di­ta em Is­tam­bul, na Tur­quia. O as­sas­si­na­to pro­vo­cou uma vi­o­len­ta re­a­ção mun­di­al con­tra o re­gi­me sau­di­ta, man­chan­do a ima­gem do prín­ci­pe her­dei­ro e ame­a­çan­do os pla­nos do país, o mai­or ex­por­ta­dor de pe­tró­leo do mun­do, de di­ver­si­fi­car sua eco­no­mia.

Após ne­gar ini­ci­al­men­te qual­quer par­ti­ci­pa­ção na morte de Khashog­gi, a nar­ra­ti­va ofi­ci­al sau­di­ta mu­dou e o go­ver­no pas­sou a atri­buir a res­pon­sa­bi­li­da­de a agen­tes que agi­ram sem o co­nhe­ci­men­to da mo­nar­quia – pos­si­bi­li­da­de que mui­tos ana­lis­tas des­car­tam em ra­zão do grau de cen­tra­li­za­ção po­lí­ti­ca que exis­te no país.

Se­gun­do o promotor res­pon­sá­vel pe­lo ca­so, o en­tão vi­ce-di­re­tor dos ser­vi­ços de in­te­li­gên­cia da Ará­bia Sau­di­ta or­de­nou o re­pa­tri­a­men­to de Khashog­gi, que era pró­xi­mo à fa­mí­lia re­al e aca­bou se tor­nan­do um crí­ti­co fer­re­nho do go­ver­no.

Saud al-Qah­ta­ni, ne­go­ci­a­dor prin­ci­pal do go­ver­no sau­di­ta, teria or­de­na­do sua morte após as ne­go­ci­a­ções pa­ra sua vol­ta fra­cas­sa­rem. Qah­ta­ni, ex-con­sul­tor da re­a­le­za, teria da­do or­dens por Sky­pe pa­ra os as­sas­si­nos e in­for­ma­do so­bre as ati­vi­da­des do jor­na­lis­ta an­tes da ope­ra­ção, se­gun­do o pro­cu­ra­dor.

De acor­do com o jor­na­lis­ta Mar­tin Smith, da PBS, que fez a en­tre­vis­ta, quan­do qu­es­ti­o­na­do so­bre co­mo o as­sas­si­na­to po­de­ria ter acon­te­ci­do sem seu co­nhe­ci­men­to, MBS co­lo­cou a cul­pa na bu­ro­cra­cia do Es­ta­do. “Te­mos 20 mi­lhões de ha­bi­tan­tes. Te­mos 3 mi­lhões de fun­ci­o­ná­ri­os do go­ver­no”, afir­mou.

Quan­do Smith per­gun­tou se os as­sas­si­nos po­de­ri­am ter uti­li­za­do ja­tos pri­va­dos do go­ver­no, o prín­ci­pe her­dei­ro tam­bém ter­cei­ri­zou a cul­pa. “Eu te­nho fun­ci­o­ná­ri­os, mi­nis­tros pa­ra acom­pa­nhar as coi­sas e eles são res­pon­sá­veis. Eles têm au­to­ri­da­de pa­ra fa­zer is­so.”

Em ju­nho, um al­to fun­ci­o­ná­rio do go­ver­no dos EUA dis­se que o pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Do­nald Trump, es­ta­va pres­si­o­nan­do a Ará­bia Sau­di­ta por um “pro­gres­so tan­gí­vel” pa­ra que os res­pon­sá­veis pe­lo as­sas­si­na­to fos­sem pu­ni­dos.

Len­ti­dão.

Até ago­ra, 11 sus­pei­tos es­tão sen­do jul­ga­dos sob si­gi­lo, mas ape­nas al­gu­mas audiências fo­ram re­a­li­za­das. Em ju­nho, a ONU di­vul­gou um re­la­tó­rio em que diz ter en­con­tra­do “pro­vas con­fiá­veis” do en­vol­vi­men­to do prín­ci­pe her­dei­ro na morte de Khashog­gi, clas­si­fi­can­do o cri­me co­mo “um as­sas­si­na­to ex­tra­ju­di­ci­al pe­lo qual o Es­ta­do da Ará­bia Sau­di­ta é res­pon­sá­vel sob a lei in­ter­na­ci­o­nal dos di­rei­tos hu­ma­nos.”

Khashog­gi vi­via nos EUA, o que au­men­tou ain­da mais a pres­são pa­ra que Trump ado­tas­se al­gum ti­po de san­ção. O pre­si­den­te, no en­tan­to, pre­fe­riu pre­ser­var os la­ços co­mer­ci­ais com os sau­di­tas. Em 2017, os ame­ri­ca­nos fe­cha­ram um acor­do pa­ra a ven­da de US$110 bi­lhões em ar­mas pa­ra a Ará­bia Sau­di­ta – o va­lor su­bi­ria pa­ra US$ 350 bi­lhões em dez anos.

Khashog­gi, de 59 anos, foi vis­to pe­la úl­ti­ma vez en­tran­do no Con­su­la­do da Ará­bia Sau­di­ta em Is­tam­bul, em 2 de ou­tu­bro, on­de bus­ca­va do­cu­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra que pu­des­se se ca­sar. De acor­do com in­for­ma­ções da po­lí­cia turca, ele foi bru­tal­men­te tor­tu­ra­do an­tes de mor­rer.

Seu cor­po foi des­mem­bra­do, cor­ta­do em pe­da­ços e dis­sol­vi­do em áci­do, se­gun­do in­ves­ti­ga­ções da Tur­quia. O ob­je­ti­vo era não dei­xar ves­tí­gi­os do ca­dá­ver e re­ti­rá-lo com mais fa­ci­li­da­de do pré­dio do con­su­la­do. Seus res­tos mor­tais não fo­ram en­con­tra­dos.

Câ­me­ras de se­gu­ran­ça e re­gis­tros de en­tra­da no ae­ro­por­to de Is­tam­bul iden­ti­fi­ca­ram um co­man­do de apro­xi­ma­da­men­te 15 agen­tes que te­ri­am si­do en­vi­a­dos pe­lo go­ver­no sau­di­ta, a mai­o­ria fa­zia par­te do cír­cu­lo pes­so­al do prín­ci­pe her­dei­ro.

AL-JALOUD / SAUDI ROYAL PALACE / AFP

Pres­são. Moha­med bin Sal­man: en­vol­vi­men­to em as­sas­si­na­to e gra­ve cri­se de ima­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.