Pal­mei­ras go­leia e con­ti­nua na co­la do Fla; San­tos se afas­ta

Al­vi­ver­de faz 6 a 2 no CSA e se man­tém a 3 pon­tos dos ca­ri­o­cas; no Rio, ti­me da Vi­la em­pa­ta com Flu e Gan­so e Oswal­do bri­gam

O Estado de S. Paulo - - Esportes -

O Pal­mei­ras não dá tré­gua ao Fla­men­go na lu­ta pe­la li­de­ran­ça do Bra­si­lei­rão. On­tem, fez 6 a 2 no CSA, no Pa­ca­em­bu, e che­gou a 45 pon­tos, man­ten­do-se três atrás dos ca­ri­o­cas. No Rio, o San­tos va­ci­lou ao fi­car no 1 a 1 com o Flu­mi­nen­se, que te­ve dois za­guei­ros ex­pul­sos, em jo­go que fi­cou mar­ca­do pe­la for­te dis­cus­são en­tre Gan­so e o téc­ni­co Oswal­do de Oliveira. Com 38 pon­tos, o ti­me da Vi­la per­ma­ne­ce em ter­cei­ro, po­rém, bem mais lon­ge na bri­ga pe­la ta­ça.

No Pa­ca­em­bu, o Pal­mei­ras che­gou fa­cil­men­te à quin­ta vi­tó­ria se­gui­da, no quin­to jo­go sob o co­man­do de Ma­no Me­ne­zes. “Quan­do tem mui­tos gols, fa­lam que po­de ter si­do o me­lhor jo­go. O ti­me se por­tou bem, con­tro­lou a bo­la e ma­tou com as opor­tu­ni­da­des que te­ve. Acho que es­ta­mos com uma pos­se boa, fa­zía­mos is­so tam­bém com o Fe­li­pão (ex-trei­na­dor), o ti­me es­tá se en­cai­xan­do mais”, afir­mou Du­du.

“Es­ta­mos mos­tran­do nos­sa iden­ti­da­de, não é ques­tão de jo­gar bo­ni­to, tra­ba­lha­mos no dia a dia, e pon­tu­ar é im­por­tan­te. É dar o má­xi­mo den­tro de cam­po pa­ra fa­zer bons jo­gos e bus­car a vi­tó­ria sem­pre”, dis­se Luiz Adriano, autor de dois gols.

A go­le­a­da não de­mo­rou pa­ra ser cons­truí­da no Pa­ca­em­bu, pal­co do jo­go por­que o Al­li­anz Par­que re­ce­beu show da ban­da Bon Jo­vi. Lo­go aos cin­co mi­nu­tos, Luiz Adriano abriu o pla­car. Mais três gols saí­ram ain­da no pri­mei­ro tem­po, com Wil­li­an, Bruno Hen­ri­que e Gó­mez.

No co­me­ço da eta­pa fi­nal, o CSA mar­cou um go­la­ço: Apo­di man­dou uma bom­ba de lon­ge, a bo­la ba­teu na tra­ve e en­trou. Mas a su­pe­ri­o­ri­da­de do Pal­mei­ras con­ti­nu­ou in­con­tes­te e o ti­me am­pli­ou: Luiz Adriano e Bruno Hen­ri­que mar­ca­ram no­va­men­te. No fim, o CSA ain­da des­con­tou com Ri­car­do Bu­e­no.

No Ma­ra­ca­nã, o San­tos saiu na fren­te com um be­lo gol de So­tel­do, não am­pli­ou no pri­mei­ro tem­po por­que Mu­ri­el fez du­as gran­des de­fe­sas, e aca­bou so­fren­do o em­pa­te quan­do Lu­cas Ve­rís­si­mo fez con­tra no fi­nal da eta­pa.

No se­gun­do tem­po, o Flu te­ve Di­gão ex­pul­so após chu­tar o ros­to de Ma­ri­nho. Fra­zan le­vou car­tão ver­me­lho por fal­ta vi­o­len­ta no ata­can­te (tam­bém aca­ba­ria ex­pul­so, nos acrés­ci­mos). Mas o San­tos a ri­gor só te­ve uma chan­ce de ven­cer, des­per­di­ça­da por Sasha.

No en­tan­to, a eta­pa fi­cou mar­ca­da pe­la bri­ga en­tre Gan­so e Oswal­do. Ao ser subs­ti­tuí­do, aos 18 mi­nu­tos, o meia cha­mou o “bur­ro” e com­ple­tou: “Vo­cê não sa­be na­da”. O téc­ni­co re­tru­cou: “Vo­cê é va­ga­bun­do”. Ti­ve­ram de ser con­ti­dos pa­ra não se agre­di­rem.

“Eu não tra­ba­lho pa­ra o Oswal­do, tra­ba­lho pa­ra o Flu­mi­nen­se. Va­mos con­ver­sar lá den­tro (no ves­tiá­rio) e ver que o vai acon­te­cer”, dis­se Gan­so à saí­da do cam­po.

Na co­le­ti­va, Oswal­do pro­cu­rou man­ter a cal­ma, mas de­fi­niu a ati­tu­de de Gan­so co­mo “inad­mis­sí­vel’’, dis­se ha­ver hi­e­rar­quia, mas que já ha­via re­sol­vi­do a si­tu­a­ção no ves­tiá­rio. “Eu to­mei a ini­ci­a­ti­va na fren­te de to­do mun­do. Cha­mei, dei um abra­ço ne­le e fa­lei que es­sas coi­sas re­sol­ve­mos as­sim. Ele acei­tou’’, de­cla­rou o trei­na­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.