Os sem-sa­ne­a­men­to

O Estado de S. Paulo - - Economia - •✽ CLÁUDIO R. FRISCHTAK

Apo­pu­la­ção mais po­bre do Bra­sil ar­ca com os ele­va­dos cus­tos do es­ta­do las­ti­má­vel do sa­ne­a­men­to no País, do­mi­na­do por em­pre­sas que, com pou­cas ex­ce­ções, não aten­dem ao bá­si­co: ga­ran­tir abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel e co­le­ta e tra­ta­men­to de es­go­to. Tal­vez não ha­ja in­ves­ti­men­to de mai­or re­tor­no pa­ra es­sa po­pu­la­ção.

Da­dos do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de In­for­ma­ção de Sa­ne­a­men­to (Snis) re­fe­ren­tes a 2017 (úl­ti­mo ano dis­po­ní­vel) in­di­cam que 83,3% da po­pu­la­ção vi­ve em do­mi­cí­li­os li­ga­dos à re­de de abas­te­ci­men­to. Por se­rem au­to­de­cla­ra­tó­ri­as e sem afe­ri­ção ex­ter­na, desconfia-se de que ha­ja dis­tor­ções nes­sas es­ta­tís­ti­cas. Por exem­plo, po­de ha­ver a li­ga­ção, mas a água nem sem­pre es­tá na tor­nei­ra, pois fal­ta pres­são, as bom­bas são ob­so­le­tas ou da­ni­fi­ca­das e ou­tras ve­zes a água é in­su­fi­ci­en­te, re­quer ma­no­bras pa­ra re­dis­tri­buí-la en­tre bair­ros. Es­ti­ma­se, ain­da, que 48% da po­pu­la­ção es­te­ja em do­mi­cí­li­os sem co­ne­xão à re­de de co­le­ta de es­go­tos, e que, do es­go­to co­le­ta­do, só 45% se­jam tra­ta­dos. Re­sul­ta­do: 3/4 do es­go­to pro­du­zi­do são des­pe­ja­dos in na­tu­ra nas vi­e­las, ru­as, cór­re­gos e cor­pos d’água.

Mais: de acor­do com o Cen­so Es­co­lar 2018 (Inep), das 181,9 mil es­co­las de edu­ca­ção bá­si­ca, 49% não es­tão li­ga­das à re­de de es­go­to e 26% não têm aces­so à água en­ca­na­da. No mes­mo ano, 34,7% dos mu­ni­cí­pi­os no País re­gis­tra­ram epi­de­mi­as ou en­de­mi­as por fal­ta de sa­ne­a­men­to (den­gue, chi­kun­gunya, zi­ka, além de di­ar­reia, ver­mi­no­ses, etc.). O im­pac­to é par­ti­cu­lar­men­te dra­má­ti­co na saú­de e no apren­di­za­do das cri­an­ças, mas afe­ta tam­bém os cus­tos do SUS e do INSS, au­men­ta o ab­sen­teís­mo e mi­na a pro­du­ti­vi­da­de dos tra­ba­lha­do­res. Ape­nas a tí­tu­lo de ilus­tra­ção: em Uru­guai­a­na, de 2012 a 2018 a co­ber­tu­ra de es­go­to im­pul­si­o­na­da por in­ves­ti­men­tos pri­va­dos cres­ceu de 9% pa­ra 94% e as in­ter­na­ções por di­ar­rei­as e do­en­ças en­té­ri­cas caí­ram de 3.002 pa­ra 106!

Não só a ini­qui­da­de, mas a ine­fi­ci­ên­cia do sis­te­ma é bru­tal: jo­gam-se fo­ra mais de 38% da água pro­du­zi­da pron­ta pa­ra ser dis­tri­buí­da por cau­sa de má ges­tão e in­ves­ti­men­tos in­su­fi­ci­en­tes que le­vam a va­za­men­tos, er­ros de lei­tu­ra, rou­bo e frau­des. As per­das se es­ten­dem à ine­fi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca: mais uma vez, in­ves­ti­men­tos par­cos e mal exe­cu­ta­dos, fal­ta de ma­nu­ten­ção e ou­tras ma­ze­las au­men­tam des­ne­ces­sa­ri­a­men­te o con­su­mo de um sis­te­ma res­pon­sá­vel em 2016 por 2,56% da car­ga to­tal do País.

Por que o Bra­sil apre­sen­ta um qua­dro de atra­so, com efei­tos tão ad­ver­sos so­bre o bem-es­tar da po­pu­la­ção? O mu­ni­cí­pio é o po­der con­ce­den­te, sem ter os re­cur­sos fi­nan­cei­ros e téc­ni­cos pa­ra en­tre­gar os ser­vi­ços e re­gu­lar ade­qua­da­men­te. De um to­tal de 5.570 mu­ni­cí­pi­os, só 2.216 (38,2%) ti­nham uma po­lí­ti­ca de sa­ne­a­men­to bá­si­co. A re­gu­la­ção é frag­men­ta­da (49 agên­ci­as), frá­gil e su­jei­ta a con­fli­tos de in­te­res­se na sua apli­ca­ção. É um se­tor do­mi­na­do por em­pre­sas pú­bli­cas não sub­me­ti­das a con­tra­tos vin­cu­lan­tes, à re­gu­la­ção rí­gi­da nem à com­pe­ti­ção pe­los ati­vos, e na mai­or par­te das ve­zes cap­tu­ra­das pe­las cor­po­ra­ções ou ins­tru­men­ta­li­za­das po­li­ti­ca­men­te. Já as em­pre­sas pri­va­das têm ain­da um pa­pel mui­to li­mi­ta­do em fa­ce das bar­rei­ras à en­tra­da.

Uma aná­li­se do de­sem­pe­nho das 26 em­pre­sas pú­bli­cas es­ta­du­ais en­tre 2014 e 2017, com ba­se nos da­dos de­cla­ra­dos ao Snis, mos­tra que em 10 ca­sos os au­men­tos das ta­ri­fas fo­ram

Se­rá des­ta vez que o Con­gres­so Na­ci­o­nal con­se­gui­rá rom­per o ‘sta­tus quo’ do atra­so?

trans­fe­ri­dos pa­ra au­men­tos sa­la­ri­ais, en­quan­to os in­ves­ti­men­tos se re­du­zi­ram de for­ma re­le­van­te; e em ou­tros 10 o au­men­to das des­pe­sas por em­pre­ga­do foi su­pe­ri­or ou mui­to su­pe­ri­or ao au­men­to dos in­ves­ti­men­tos; ou a que­da das des­pe­sas foi in­fe­ri­or à que­da dos in­ves­ti­men­tos. E em 15 ca­sos hou­ve am­pli­a­ção das per­das de água no pe­río­do. O com­por­ta­men­to ad­ver­so in­cluiu to­das que fi­ze­ram IPO no pas­sa­do, mas cu­jo con­tro­le per­ma­ne­ceu na mão dos Es­ta­dos.

Pe­la ter­cei­ra vez em um ano o Con­gres­so tenta rom­per o sta­tus quo do atra­so, ago­ra com o Pro­je­to de Lei 3.261 (após as Me­di­das Pro­vi­só­ri­as 844 e 868 te­rem caí­do), re­for­çan­do a re­gu­la­ção com nor­mas uni­ver­sais, in­tro­du­zin­do mais com­pe­ti­ção e am­pli­an­do o es­pa­ço pa­ra o in­ves­ti­men­to pri­va­do, sem o qual o País per­ma­ne­ce­rá preso em pa­drões sa­ni­tá­ri­os do sé­cu­lo 19.

✽ ECONOMISTA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.